FANDOM


Este artigo detalha um assunto considerado cânon.

Clique aqui para ir ao artigo da Star Wars Wiki sobre a versão Legends desta página.

Plo Koon foi um Jedi Kel Dor do sexo masculino que atuou como General durante as Guerras Clônicas. Koon participou de diversas batalhas ao longo das Guerras Clônicas, como a Primeira Batalha de Felucia, a Primeira Batalha de Geonosis, a Batalha de Cato Neimoidia e a Batalha de Abregado. Ele possuía um um sabre de luz, durante as Guerras Clônicas, com a cor azul. Era reconhecido por toda a Ordem Jedi por suas técnicas de combate com seu sabre de luz e sua sabedoria, fazendo com que ambas qualidades o levassem ao ranking de Mestre Jedi e também membro do Conselho Jedi, ainda por volta da época do bloqueio a Naboo, em 32 ABY. Koon, também um pouco antes do bloqueio a Naboo, foi quem descobriu Ahsoka Tano, com quem passaria a ter um laço especial após isso. Ele foi morto enquanto pilotava seu caça em uma missão em Cato Neimoidia, resultado do acionamento da Ordem 66 por Sheev Palpatine para que os soldados Clones presentes atirassem no caça de Koon.

Biografia Editar

Descoberta de Ahsoka Tano Editar

Enquanto estava em uma missão em Shili, o mundo natal dos Togrutas, Koon descobriu uma menina de três anos chamada Ahsoka Tano, que era sensível à Força. Koon trouxe Tano para o Templo Jedi para que ela fosse treinada como uma Jedi. Os dois se mantiveram em contato ao decorrer dos anos, mantendo, assim, um laço forte de amizade.

Mestre no Conselho Jedi Editar

Crise de Naboo Editar

Koon atingiu o ranking de Mestre Jedi e foi elevado a membro do Conselho Jedi. Durante o bloqueio de Naboo feito pela Federação de Comércio, os Jedi foram acionados pelo Supremo Chanceler Finis Valorum para que Jedi fossem resolver o bloqueio. Mestre Qui-Gon Jinn e seu Padawan Obi-Wan Kenobi foram enviados para negociar, porém a Federação de Comércio tentou matá-los. Depois de escapar de Naboo com a Rainha de Naboo Padmé Amidala e chegando a Coruscant, Jinn foi perante ao Conselho Jedi e descreveu um duelo de sabres de luz que teve em Tatooine com um Zabrak, o qual Jinn acreditava ser um Sith. Jinn também apresentou Anakin Skywalker, um jovem escravo que ele havia libertado em Tatooine, perante o Conselho Jedi, dizendo que acreditava que o garoto era o Escolhido. O garoto possuía uma alta contagem de Midi-chlorians e uma boa compreensão na Força, porém Koon, assim como os outros membros do Conselho Jedi, estava cético sobre o retorno dos Sith e negou os desejos de Jinn de treinar Skywalker como um Jedi, por conta de sua idade.

Seguinte à morte de Jinn pela mãos do Sith Darth Maul, durante a Libertação de Naboo da Federação de Comércio, Koon e a maioria dos outros membros do Conselho Jedi viajaram para Naboo para presenciar o funeral de Jinn. O Conselho Jedi então decidiu promover Kenobi para o ranking de Cavaleiro Jedi e o permitiram treinar Skywalker como seu Padawan com a finalidade de honrar o desejo de morte de Mestre Jinn.

Crise Separatista Editar

Uma década após o bloqueio de Naboo, Koon continuou a sentar no Conselho Jedi. A República Galáctica estava turbulenta já que milhares de sistemas estelares, liderados pelo carismático Conde Dookan, ameaçavam deixar a República. Após a tentativa de assassinato da Senadora Padmé Amidala, Koon era um dos vários Jedi, incluindo membros companheiros do Conselho Jedi, como Yoda, Mace Windu, e Kit Fisto, assim como Mestre Jedi Luminara Unduli e sua Padawan Barriss Offee, que se juntaram ao Comitê leal, reunindo-se, assim, com Supremo Chanceler Sheev Palpatine para debater a crise. Koon estava posteriormente presente quando Obi-Wan Kenobi contactou o Templo Jedi e informou que Dookan e vários outros líderes corporativos do movimento Separatista estavam em reunião em Geonosis e planejavam começar uma guerra com a República a partir da criação da Confederação de Sistemas Independentes. Kenobi foi capturado pelos Separatistas e os Jedi começaram a montar um plano para resgatá-lo e parar o movimento Separatista antes que uma guerra galáctica fosse desencadeada.

Guerras Clônicas Editar

Batalha de Geonosis Editar

Koon foi um dos 212 Jedi que formaram um time de assalto para resgatar Kenobi de Geonosis, Seu Padawan Anakin Skywalker e Senadora Padmé Amidala, sendo que os últimos foram capturados tentando libertar Kenobi. Koon e seus companheiros Jedi revelaram-se durante a tentativa de execução de seus aliados na arena Petranaki. Uma batalha rapidamente começou entre os Jedi e os Geonosianos, que receberam reforços através de um enorme Exército Droide, financiado pelos Separatistas. Enquanto os números do time de assalto diminuíam, Koon foi vários sobreviventes Jedi que se reuniram no meio da arena. Dookan ordenou ao Exército Droide que parasse seu ataque e ofereceu aos Jedi remanescentes uma chance de se renderem, porém eles se recusaram a fazê-lo. Enquanto Os droides se preparavam para executá-los, Koon e os outros sobreviventes foram salvos pela chegada de Yoda e o Exército Clone, o qual havia sido secretamente financiado e criado pelos Clonadores de Kamino uma década antes através da pedição do Mestre Jedi Sifo-Dyas. Koon e os outros Jedi escaparam da arena a bordo de vários LAAT. Os Jedi se uniram aos clones para o ataque às Naves da Confederação estacionadas no planeta e ao Exército Droide. Mesmo com Koon e a República emergindo vitoriosos, mais de Cem Jedi foi mortos durante a batalha enquanto Dookan e o outros Líderes da Confederação de Sistemas Independentes escaparam. A batalha de Geonosis foi apenas a primeira de muitas batalhas durante as Guerras Clônicas, que foi como naquela época o mais novo conflito intergaláctico ficou conhecido.

Crise da Malevolência Editar

Caçando a Malevolência Editar

Agora um General, Koon recebeu o comando da 104ª Legião. Nos primeiros estágios das Guerras Clônicas, Koon e Comandante Wolffe lideraram uma Frota formada por três Destróiers Estelares classe Venator de sua nave de comando Triunfante enquanto procuravam por uma misteriosa nave, a Malevolência, que estava destruindo frotas da República sob o comando do General Separatista Grievous. Após rastrear a nave em Abregado, Koon ordenou que sua frota engajasse contra o inimigo enquanto ele contactava General Anakin Skywalker e sua Padawan Ahsoka Tano, que tinham naquele momento suas forças estacionadas no Sistema próximo de Bith, para requisitar reforços. Enquanto dialogava com eles, a Malevolência bloqueou as comunicações da República e atirou com sua arma secreta, um gigante canhão de íons que avariou todas as três naves de Koon e as deixou vulneráveis à ataque. Ele ordenou uma evacuação enquanto a Malevolência começava a destruir as naves, e escapou em uma cápsula de fuga junto com Wolffe, Sargento Sinker e Boost.

Enquanto eles esperavam por um resgate, Plo Koon e seus homens trabalharam nos reparos para consertar sua Cápsula de fuga danificada e procuravam por outras Cápsulas com sobreviventes nos destroços. Depois de Sinker afirmar que não havia sentido em termos estratégicos para ocorrer um resgate, Koon respondeu dizendo que suas vidas importavam e que ele tinha certeza de que ajuda viria. Eles avistaram uma outra Cápsula que havia sofrido despressurização por uma Cápsula de embarque, resultando, assim, nas mortes de seus sobreviventes. Eles captaram uma chamada de socorro de uma outra Cápsula que estava sendo atacada pela mesma Cápsula de Embarque, e foram testemunhas de sua destruição. A Cápsula de Embarque então notou a Cápsula de Plo Koon, e moveu-se em posição para atacá-los. Plo Koon então levou Sinker e Boost para fora de sua Cápsula para então engajar contra os droides de batalha Foguetes fora da Cápsula de embarque. Usando a Força, Koon empurrou Sinker para trás dos droides, e os três rapidamente os destruíram. Plo Koon então destruiu a Cápsula de Embarque, o que fez com que a Malevolência descobrisse sua localização. Porém, antes que eles pudessem ser destruídos, Anakin Skywalker e Ahsoka Tano, ambos a bordo da Crepúsculo, os resgataram antes de escaparem do Sistema.

Destruindo a Malevolência Editar

Com a Malevolência agora revelada, os Jedi começaram a montar planos para destruí-la. Plo Koon atendeu à uma conferência onde Anakin Skywalker apresentou seu plano de usar o esquadrão Sombrio para voar por trás das defesas da enorme nave e destruir sua ponte, livrando da galáxia a Malevolência e Grievous de uma vez só. Koon estava preocupado com a natureza agressiva e difícil da missão, porém quando a notícia de que o Centro Médico de Cardumes de Kaliida seria o próximo alvo da enorme nave, Koon resolveu participar da missão feita pela escolta de vôo em seu Interceptor Light classe Aethersprite Delta-7B. Para conseguir vencer a Malevolência na estação médica, os Jedi e os pilotos Clone foram através de um atalho na Nebulosa de Kaliida. Quando Skywalker mencionou que o atalho era chamado de Corrida de Balmorra, Koon entrou em choque e tentou avisá-lo que eles tinham de voltar para trás, já que a Corrida de Balmorra era um viveiro de Neebrays. Eles foram rapidamente pegos numa enorme manada das criaturas gigantes, e não tiveram nenhuma escolha a não ser voar através delas para o outro lado. Eles conseguiram passar com vários caças sofrendo danos e prosseguiram à estação médica.

Eles chegaram exatamente antes da Malevolência, e rapidamente começaram sua investida contra a nave Separatista. Lutando através de uma "onda" de droides Abutre, Koon e metade do esquadrão Sombrio evitaram uma explosão do canhão de íons da Malevolência. Com a outra metade do esquadrão destruída ou avariada, Koon notou que eles não tinham mais o poder de fogo para destruir a ponte da nave inimiga.Depois de Tano e ele urgirem a Skywalker para que ele mudasse seu plano, eles invés miraram no canhão de íons da nave, já que a mesma se preparava para abrir fogo sob a estação médica. Eles severamente danificaram o canhão, o qual, por esses danos, causou mal-funcionamento e gerou diversas explosões ao redor da Malevolência, que acabaram por danificar seu Hiperdrive. Koon e os membros sobreviventes do esquadrão Sombrio acoplaram-se na estação médica, enquanto Mestre Obi-Wan Kenobi perseguia a danificada nave Separatista com sua força-tarefa.

Mestre Koon, Skywalker e Tano uniram-se cedo a Kenobi na Resoluta para ajudar a comandar a perseguição à Malevolência. Mesmo com o fato de que a nave inimiga estava severamente danificada, ela ainda era capaz de suportar o poder de fogo das forças presentes da República. Koon sugeriu que reforços fossem requisitados para darem assistência com a finalidade de destruir de vez a nave. Skywalker, porém, o informou que as naves aliadas mais próximas eram as de Mestre Luminara Unduli, que estavam naquele momento engajados com uma força Separatista e não poderia se juntar a eles até que conseguissem derrotá-la. Os Jedi foram então forçados a parar de atirar na Malevolência quando a mesma capturou a nave de Naboo da Senadora Padmé Amidala. Kenobi e Skywalker deixaram a ponte para lançar uma missão de resgate, e Koon constatou a Tano que seu Mestre sempre parecia ir de encontro com aventuras e animação. Koon então contactou Unduli, que informou a ele que ela estava a caminho para se juntar a eles e estaria preparada para reforçar as forças da República nos seus esforços para destruir a Malevolência assim que a Senadora fosse resgatada. Assim que Amidala estava seguramente fora da nave, Koon ordenou a Frota que abrisse fogo mais uma vez. A Malevolência acabou por se auto-destruir ao acidentarse em uma lua próxima depois que Skywalker a sabotou ao reprogramar o computador de navegação da nave antes de escapar.

Primeira batalha de Felucia Editar

Plo Koon participou da evacuação de Felucia, onde forças Separatistas haviam encurralado forças da República lideradas por Obi-Wan Kenobi, Anakin Skywalker e Ahsoka Tano. Enquanto sua Frota engajava as naves inimigas que cercavam o Planeta florestal, Koon liderou um grupo de caças para proteger diversos tanques adicionados na evacuação. Ele ordenou a seu "braço direito", Warthog, que defendesse os tanques enquanto ele destruía os caças Separatistas no seu caminho. Depois de penetrar através de um "buraco" que havia sido criado na defesa dos droides Abutre, eles entraram na atmosfera, porém foram seguidos por um grupo de caças. Warthog foi perseguido por dois dos caças, mas Koon o salvou e destruiu ambos droides Abutre. Os transportes pousaram e evacuaram com sucesso os soldados de Kenobi e Skywalker, porém Tano apenas relutantemente recuou, colocando suas tropas e a evacuação em risco. Os caças de Koon escoltaram os transportes de volta para a Frota, que com sucesso escapou o Sistema e retornou a Coruscant. Koon então atendeu à uma reunião do Conselho Jedi resguardando o comportamento insolente de Tano durante a batalha. O Conselho Jedi decidiu colocá-la momentaneamente em dever de guarda nos Arquivos do Templo para que ela pudesse refletir sobre seus atos e removê-la do fronte de batalha.

Captura de Eeth Koth Editar

Quando o membro do Conselho Jedi Eeth Koth foi capturado por General Grievous, Mestre Koon atendeu a uma reunião de Jedi por meio de Holograma para ver a mensagem que Grievous enviou à Ordem Jedi. Grievous jurou destruir os Jedi e fazer Koth sofrer antes de matá-lo. Enquanto os Jedi debatiam sobre o que fazer, Koon foi informado por Comandante Wolffe que ele havia descoberto uma mensagem implícita por meio da linguagem de sinais feita por Koth no Holograma. Os Jedi enviaram um time de assalto liderado por Mestres Obi-Wan Kenobi, Adi Gallia, e Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker para resgatar Koth. Eles com sucesso realizaram a missão, porém Grievous escapou da batalha.

Caçada por Boba Fett Editar

Enquanto Koon estava dando seu ponto de vista no Templo Jedi resguardando reforçar as posições da República no caminho de Hydian para encontrar as forças de Grievous, o astrodroide de Anakin Skywalker, R2-D2, irrompeu na conferência e tirou de seu caminho o droide de Koon. Koon então ordenou a R2 que transmitisse a tão urgente mensagem que ele continha, e R2 mostrou aos Jedi reunidos de Skywalker e Mestre Mace Windu, que estavam presos nos destroços da nave de Windu, a Resistência, em Vanqor após uma tentativa de assassinato por um grupo de Caçadores de Recompensa liderado por Boba Fett, que buscava vingança em Windu por ter matado de seu Pai, Jango Fett, em Geonosis. Koon ordenou que sua nave fosse preparada imediatamente, e viajou, então, para Vanqor com Ahsoka Tano, Comandante Wolffe e suas tropas para resgatar seus companheiros Jedi. Koon e Tano utilizaram a Força para sustentar os destroços da nave enquanto os homens de Koon resgatavam Skywalker e Windu.

Os Jedi rapidamente receberam uma mensagem de Fett e sua mentora, Aurra Sing. Koon então mostrou a mensagem a Skywalker e Windu,que estavam recuperando-se de seus ferimentos no Templo Jedi. Os Caçadores de Recompensa revelaram que possuíam três reféns a bordo de sua nave, que eram Almirante Kilian, Comandante Ponds, e outro oficial Clone, retirados dos destroços da Resistência. Eles ameaçaram matar a todos os três se Windu não fosse até eles, e Sing provou isso ao assassinar Ponds. Windu desejava e requisitou permissão para achar e resgatar os reféns remanescentes, porém Koon o disse que sua presença faria apenas com que o garoto se irritasse ainda mais. Ele então voluntariou-se a caçar Fett e seus cúmplices com a assistência de Tano.

Editar

Eras-canon.png Este artigo é um esboço canônico. Você pode ajudar a Star Wars Wiki expandindo-o.


ApariçõesEditar

Wiki.png Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Star Wars Wiki expandindo-a.
Em outras línguas

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória