FANDOM


Eras-canon2-transp

Eras-legends

30px-Era-imp30px-Era-reb30px-Era-new30px-Era-njo30px-Era-leg30px-GoodIcon

Este artigo é sobre o Mestre Jedi. Você pode estar procurando seu clone ou outras pessoas chamadas Luke.
TFMR2reparos Esse artigo está sendo editado por JediSam.

Como cortesia, por favor não edite esse artigo enquanto essa
mensagem estiver aqui, para evitar conflitos de edição.
Se você quiser saber quem está trabalhando nesse artigo
e quando a seção de edição começou, consulte o histórico de edição e a página de discussão.

"Eu sou um Jedi, como meu pai foi antes de mim."
―Luke Skywalker — Gnome-speakernotesOuça (arquivo)[fonte]

Luke Skywalker foi um lendário Cavaleiro Jedi que ajudou a derrotar o Império Galáctico e a formar a Nova República, assim como a Nova Ordem Jedi. Nascido em 19 ABY em Polis Massa, filho do Cavaleiro Jedi caído Anakin Skywalker, que mais tarde se tornou seu inimigo, Darth Vader, o Lorde Negro dos Sith, e da Senadora de Naboo, Padmé Amidala, irmão de Leia Organa Solo. Luke Skywalker foi um revolucionário, foi o maior herói que a Galáxia já conheceu. Foi criado em Tatooine escondido do Imperador Palpatine, e seu pai, Darth Vader. Em 0 ABY, a vida de Skywalker iria mudar para sempre. A compra de dois droides, R2-D2 e C-3PO, o levou a encontrar Han Solo, a Princesa Leia Organa, e receber treinamento do antigo Mestre Jedi Obi-Wan Kenobi. Skywalker, então destruiu a Primeira Estrela da Morte e se juntou à Aliança Rebelde.

Ao longo dos próximos anos, ele lutou em muitas das mais importantes batalhas da Guerra Civil Galáctica. Em 3 DBY, Luke recebeu treinamento Jedi de Yoda, e descobriu através de Vader que o Lorde das Trevas era seu pai. Um ano mais tarde, lutou na Batalha de Endor, e conseguiu redimir seu pai de volta para a luz. Graças a Skywalker, Palpatine foi morto, e o Império levou um duro golpe. Um ano depois, a Nova República foi formada. Ao longo da década seguinte, Luke ajudou a manter a paz em toda a galáxia na medida que a Nova República lentamente derrotava os pequenos remanescentes do Império. Quando Palpatine retornou na forma de vários clones, Luke temporariamente caiu para o lado sombrio, mas foi resgatado, e continuou com seu objetivo de reviver a Ordem Jedi. Em 11 DBY, ele fundou a Nova Ordem Jedi, que adotou uma política parecida com a dos Jedi Cinza, e começou a ensinar sensitivos sobre os caminhos da Força no Praxeum Jedi. Em 19 DBY, ele se casou com Mara Jade, uma usuária da Força e colega Jedi, ex-mão do Imperador Palpatine.

Em 25 DBY, a Guerra Yuuzhan Vong começou. Apesar de a Nova República ser quase aleijada pelos invasores de outra galáxia, eles foram capazes de derrotar os Yuuzhan Vong em 29 DBY, em grande parte devido a Skywalker e sua Nova Ordem Jedi. Durante a guerra, a esposa de Skywalker deu à luz a um filho, que deram o nome de Ben Skywalker em homenagem ao velho mestre de Luke. Após o fim da guerra, a Nova República foi para a Aliança Galáctica, e Skywalker reformou a Ordem, tomando o título de Grande Mestre Jedi. Após a crise do Ninho Sombrio, Skywalker começou a questionar a nova visão dos Jedi sobre a Força. Em 40 DBY, a Segunda Guerra Civil Galáctica começou, um acontecimento que abalou toda a galáxia. Mais tarde naquele ano, quando sua esposa foi assassinada, e seu sobrinho Jacen Solo assumiu o controle da Aliança Galáctica, Luke começou a temer que Jacen tinha se tornado um Sith, o que foi provado ser verdade, quando ele tomou o título de Lorde Negro dos Sith sob o nome de Darth Caedus. Skywalker então formou a Coalizão Jedi para se opor a Caedus e seu governo da Aliança. Com a ajuda de Skywalker, Caedus foi morto por Jaina Solo, causando o fim da guerra e restaurando a paz na galáxia.

No rescaldo da guerra, Natasi Daala ascendeu ao cargo de Chefe de Estado e promoveu uma ampla disseminação de um sentimento anti-Jedi, resultando em tensões entre a Ordem Jedi e seu governo. Daala finalmente prendeu Luke por precaução e, em troca de sua liberdade, ele foi exilado e proibido de se envolver nos assuntos da Ordem Jedi. Luke e seu filho entraram em uma jornada para descobrir mais aspectos da Força e causas da queda de Jacen Solo para o lado sombrio. Durante a jornada, os Skywalkers encontram a Tribo Perdida dos Sith, bem como uma entidade maléfica do lado sombrio conhecida como Abeloth, e Skywalker tenta impedir outro desastre que poderia pôr em perigo toda a galáxia. Eventualmente, Luke morre e torna-se Um com a Força.

Biografia

Pré-Nascimento (Antes de 19 ABY)

"E com o filho... o Jedi realmente voltará."
Sha-Koon, experienciando uma visão um pouco antes de morrer[fonte]
SwKOTOR25cropped

Luke Skywalker aparece em uma visão para a Mestra Jedi Q'Anilia.

Talvez devido ao seu incrível poder com a Força,[25] Luke Skywalker foi personagem de várias profecias. Milhares de anos antes de seu nascimento Luke Skywalker apareceu em uma visão da Mestra Jedi Q'Anilia, junto com seu pai, Darth Vader e seu descendente Cade Skywalker, e também Zayne Carrick. Os quatro indivíduos seriam afetados depois pelo Talismã Muur. A visão também mostrava Karness Muur, centenas de Rakghouls e uma cidade queimando.[26]

Em cerca de 990 ABY, o Mestre de Bodo Baas previu que Luke, e sua irmã Leia, lutariam contra o renascido Palpatine em 10 DBY.[27]

Cerca de 230 ABY a nave de treinamento Jedi, a Chu'unthor, pousou no planeta Dathomir. O Mestre Jedi Yoda, junto com outros Jedi, lutaram com as bruxas de Dathomir. Chegando a um impasse, ele concordou em deixar fitas de dados da nave, embora não deixou nenhum meio de lê-las. As fitas foram concedidas a Rell do Clã da Montanha Cantante por segurança, até tal hora, Yoda previu que um Jedi viria salvar o planeta das trevas, e as informações puderam ser seguramente compartilhadas com as bruxas. Luke Skywalker, aprendiz final de Yoda, encontrou seu caminho para Dathomir e cumpriu a profecia de seu mestre.[28]

Em 19 ABY, a Cavaleira Jedi Sha Koon duelou, e foi derrotada por Darth Vader. Quando ela morreu, Koon experimentou uma visão através da Força de uma rebelião contra o Império Galáctico, o retorno dos Jedi por Luke Skywalker, Vader redimindo a si mesmo a seu filho por matar o Imperador Palpatine, e o renascimento da Ordem Jedi através de Luke Skywalker. Percebendo que o futuro não dependia dela, Koon morre em paz.[29]

Infância (19 ABY a 1 ABY)

"Para Tatooine leve o menino você, para sua família o entregue."
"Eu levarei o menino e vou protegê-lo.
"
Mestre Yoda e Obi-Wan Kenobi decidindo o futuro de Luke Skywalker[fonte]
Luke bebê

Luke como um bebê em 19 ABY.

Luke Skywalker nasceu em uma colônia no asteróide Polis Massa em 19 ABY, logo após o fim das Guerras Clônicas e o início do Grande Purgo Jedi e a fundação do Império Galáctico. Ele e sua irmã-gêmea Leia, que nasceu logo após ele, eram filhos da Senadora Padmé Amidala da República Galáctica e do Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker, um ex-herói da Ordem Jedi que tinha recentemente caído para o lado sombrio da Força e se tornado um Lorde Sith. A mãe dos gêmeos tinha sido enforcada por seu marido em Mustafar depois de Skywalker ter acreditado que Amidala tinha o traído, fazendo Amidala perder a vontade de viver e morrer pouco tempo após dar à luz Luke e Leia.

Obi-Wan Kenobi e Yoda sabiam que as crianças, ambas dotadas de uma afinidade natural com a Força, deveriam ser protegidas de Palpatine e do pai. Decidindo que seria melhor que as crianças fossem separadas, os dois Mestres Jedi concordaram em enviar o menino para viver com o meio-irmão de seu pai, Owen Lars, e sua esposa, Beru, em Tatooine. Leia foi enviada para viver recém-adotada sob a proteção de seus pais, Bail e Breha Organa de Alderaan.[1]

Kenobi levou o menino para Tatooine, dando o primeiro passo na jornada na nave de General Grievous, a Desalmada, em Nar Shaddaa, onde ele vendeu esse caça estelar para comprar a passagem para o mundo natal da família Lars.[30] Querendo observar o crescimento de Skywalker, Obi-Wan decidiu morar escondido em Tatooine.[1]

Durante os primeiros anos do seu exílio, Obi-Wan visitava os Lars todos os dias, sempre tentando ficar longe da vista de Owen e Beru, para que eles não pudessem vê-lo observar Luke. Posteriormente a intervenção de Obi-Wan nos negócios da família fariam sua presença ser indesejada no lar dos Owen, o que fez Obi-Wan parar de observar Luke diariamente. De acordo com Skywalker, o seu primeiro uso da Força foi quando ele tinha cerca de seis anos e, através da Força, localizou uma chave de fenda perdida que estava sob o sofá. Ele foi severamente repreendido pelo seu tio, com o argumento de que ele só poderia saber a sua localização se ele a tivesse colocado lá, e depois não conseguiu refazer a façanha.[31]

Quando Luke tinha 10 anos, ele fugiu, furioso por Owen se recusar a falar sobre seu pai. Infelizmente, Luke se perdeu em uma tempestade de areia. No deserto, ele teve uma visão de um vulto alto, e logo após conheceu um menino chamado "Annie". Os dois garotos perceberam que tinham muito em comum: ambos sabiam pouco sobre seus pais, eram ótimos pilotos, ambos queriam sair de Tatooine algum dia, e que elea poderiam sentir eventos futuros. Logo, eles acharam um Tusken enterrado na areia e tomaram dele sua arma. Logo após, eles foram se abrigar em uma caverna e foram afugentados por ratos womp de volta à tempestade, aonde eles encontraram um droide astromecânico vermelho e branco. Annie fez com que o droide explodisse, o que chamou a atenção de um Dragão Krayt que atacou os meninos. Luke perdeu Annie de vista e, por instinto, matou o dragão atirando a arma do Tusken em sua garganta. Exausto, Luke ficou inconsciente mas, felizmente, Owen e um grupo de resgate o encontraram. No entanto, não havia nenhum sinal do Krayt ou de Annie. Luke, no entanto, estava certo de que tudo aquilo não foi um sonho, e Owen sabia que havia algo de especial no seu sobrinho.[32]

No que foi, possivelmente, o primeiro encontro que Skywalker se lembrava de ter com Kenobi, Skywalker e Windy Starkiller estavam cruzando o Cânion do Mendigo no salta-céus T-16 de Skywalker em busca de ratos womp para praticar tiro ao alvo. Após um acidente, os dois conseguiram escapar do povo da areia e impedir Jawas de roubar o salta-céus. Acampando em uma caverna, eles foram encurralados por um dragão Krayt, mas Kenobi chegou e o afastou. Então, domando um dewback, o eremita devolveu Skywalker e Marstrap para a herdade de Lars.[33][34]

Em algum momento em sua adolescência, Skywalker foi desafiado para uma corrida de speeder por um fanfarrão local, Gorm Maldorf, na Jaula. Na manhã da corrida, o corpo decapitado de Gorm foi encontrado na gaiola. Skywalker começou sua própria investigação sobre a morte, e com a ajuda de Kenobi, ele deduziu que Gorm tinha sido morto acidentalmente por seu companheiro Chester na noite anterior, ao tentar fraudar A Jaula para a corrida.[35]

"Olha, eu preciso de um fazendeiro que contribua, não um sobrinho com a cabeça nas estrelas metade do tempo."
Owen Lars, para Luke Skywalker, sobre a atitude deste último para o trabalho na fazenda[fonte]

Skywalker passou os primeiros dezenove anos de sua vida na fazenda dos Lars, aonde seu tio tentava sem sucesso desencorajá-lo de suas tendências aventureiras. Quando menino, Skywalker usou inconscientemente a Força para encontrar uma chave de fenda de seu tio. Quando Owen descobriu, ele gritou com o menino, dizendo-lhe para nunca mais fazer isso.

Na adolescência, Skywalker sonhava com aventuras em lugares além de Tatooine e brigava com seu tio pelos seus desejos de voar entre as estrelas de mundos distantes. Quando questionado sobre o envolvimento do pai de Luke nas Guerras Clônicas, Lars lhe disse que seu pai foi "um navegador em uma nave de transporte". Apesar da decepção, Skywalker se tornou um jovem em busca de aventuras, pilotando seu Incom salta-céus T-16 no Cânion do Mendigo e correndo com seu solodeslizador sem se importar com a segurança. Além de compartilhar das habilidades naturais de piloto da sua família, Luke Skywalker desenvolveu habilidades para reparos mecânicos enquanto procurava por droides e consertava vaporizadores de umidade.[7] Em algum ponto, ele teve um cachorro.[36]

Biggs e Luke

Luke e Biggs conversavam muitas vezes sobre os seus futuros.

Skywalker cultivou um grupo de amigos com ideias semelhantes em Tatooine, entre os quais ele ganhou o apelido de "Minhoca". O grupo incluía Deak, Windy, Camie Loneozner e Fixer, cujos horizontes não se estendiam muito além de Tatooine, e "Tank" e Biggs Darklighter, que compartilhavam os sonhos de Skywalker de se juntarem à Academia Imperial e se tornarem pilotos. Darklighter foi talvez o amigo mais próximo de Skywalker, a quem ele admirava como irmão. Biggs foi para a Academia em 1 ABY, muito para inveja, orgulho e consternação de Skywalker. Quanto mais amigos de Skywalker deixavam o planeta, para seguir seus sonhos, ele ficava cada vez mais frustrado que seu tio não permitia que ele saísse, alegando que ele ainda precisava de ajuda com a fazenda. Na verdade, Owen estava tentando evitar que Skywalker seguisse os passos de seu pai.

Guerra Civil Galáctica

A mensagem misteriosa

"Eu vou com você para Alderaan, não me resta mais nada aqui. Quero aprender tudo sobre a Força e me tornar um Jedi como meu pai."
―Luke para Obi-Wan[fonte]
R2-d2-princess-leia-hologram

"Ajude-me Obi-Wan Kenobi. Você é a minha única esperança."
Luke recebe uma mensagem de alguém em perigo.

A compra de dois droides pelo tio de Luke, C-3PO e R2-D2, mudaria a vida do jovem Skywalker para sempre. Com a descoberta de uma mensagem holográfica, do droide astromecânico R2, da Princesa Leia destinada a Obi-Wan Kenobi, Luke se lembra do ermitão Ben Kenobi, que mora nas montanhas. Skywalker logo se encontra na companhia de Kenobi após ser salvo por ele de um ataque do Povo da Areia. Na casa de Ben, descobre que seu pai, Anakin Skywalker, não era um piloto de cargueiro, mas um cavaleiro Jedi que serviu nas Guerras Clônicas, morto pelo terrível Darth Vader. Logo após isso, Luke recebe o sabre de luz de seu pai como uma forma de confirmação.[7]

Logo depois, Skywalker e Kenobi se deparam com um grupo de Jawas mortos—os mesmos que venderam os droides para Owen Lars. Ao voltar para casa rapidamente, Skywalker descobre que sua tia e tio tinham sido assassinados por stormtroopers Imperiais procurando por R2-D2 e C-3PO. Com sua família morta, ele concordou em acompanhar Kenobi até Alderaan pra entregar o astromecânico, que carregava os planos da Estrela da Morte, para Bail Organa a pedido da filha de Organa, Princesa Leia Organa.

Luke Sabre de luz

Luke recebe de Ben Kenobi o sabre de luz de seu pai.

Os dois viajaram para a Cantina de Chalmun pra conseguir passagens pra fora do planeta e conhecem Han Solo e seu companheiro de primeira Chewbacca. Skywalker quase teve um encontro fatal com Ponda Baba na cantina. Obi-Wan intermediou um acordo para pagar Solo dois mil créditos logo de início além de mais quinze quando chegassem em Alderaan. Luke vendeu seu deslizador para pagar os dois mil adiantados.[7]

Resgate na Estrela da Morte

"Luke, a Força estará com você, sempre."
―Obi-Wan Kenobi para Luke[fonte]
Depois de escapar dos stormtroopers e decolar do planeta na nave de Solo, a Millennium Falcon, Kenobi começou a instruir Skywalker nos caminhos da Força, para a zombaria de Solo. Este ensinamento, porém, logo foi interrompido por sua chegada ao sistema Alderaan e a descoberta da destruição do planeta. Eles, então, avistam um Caça TIE patrulha, e, ao segui-lo, descobrem que ele estava se aproximando ao que parecia ser uma pequena lua. Para seu horror, no entanto, era na verdade a Estrela da Morte. Presos pelo raio trator da Estrela da Morte, eles são levados a bordo da gigantesca estação espacial.[7]
Luke Han compaclixo

Luke e Han Solo em armadura stormtrooper na Estrela da Morte.

Uma vez a bordo, Kenobi se separa de Skywalker, Solo, Chewbacca e os droides para desativar o raio trator. No entanto, quando R2-D2 descobre que Leia Organa estava sendo mantido capturada, Skywalker insiste em resgatar ela. Com a ajuda de Solo e Chewbacca, o trio chega na área de detenção sob disfarce de stormtroopers imperiais escoltando um prisioneiro Wookiee. Eles foram capazes de resgatar Organa, mas tiveram de saltar para a rampa de lixo, a fim de escapar das forças imperiais que os perseguiam. Mais tarde, Skywalker e Organa foram separados de Solo e Chewbacca, mas depois de balançar através de um poço profundo, eles reencontraram seus companheiros na baía do hangar.[7]

Eventualmente, o grupo fugiu da Estrela da Morte, mas só depois de Kenobi se sacrificar em um duelo com Darth Vader. Eles viajaram para a base Rebelde escondida em Yavin 4, mesmo suspeitando que a Estrela da Morte estivesse seguindo-os. Foi então que Solo recebeu sua recompensa por resgatar Leia e se prepara para deixar o grupo. Skywalker tentou persuadi-lo a ficar e ajudá-los contra o Império, mas Solo recusa, decepcionando muito ele.[7]

Herói da Rebelião

"Este tem o poder da Força."
Darth Vader sobre Luke Skywalker[fonte]
Vermelho5

Luke embarca em seu X-Wing antes da Batalha de Yavin.

Foi na Base de Yavin que Skywalker se tornou um membro oficial da Aliança Rebelde. Ele passou muito tempo em simuladores de voo da base, mostrando suas habilidades de pilotagem para os líderes da rebelião. Em várias simulações ele se opunha a toda uma frota estelar e foi morto apenas duas vezes. O Líder Vermelho Garven Dreis, depois de inspecionar os resultados de Skywalker no simulador com Vanden Willard, se aproximou dele e disse-lhe como ele estava impressionado com suas habilidades. Dreis o acolheu como um membro do Esquadrão Vermelho, deu-lhe o seu próprio caça estelar X-wing T-65, e o atribuiu como Vermelho Cinco.[34] Foi Keyan Farlander que mostrou a Luke as noções básicas de voo de um X-Wing.[37]

Pouco antes de embarcar na X-wing, Skywalker encontrou seu velho amigo Biggs Darklighter. Os dois estariam voando como alas assim como nos velhos tempos na próxima batalha. Em uma breve conversa, Darklighter garantiu a Dreis dos talentos de pilotagem de Skywalker, e prometeu a Luke que os dois iriam pôr em dia as histórias um do outro quando voltassem.[7]

Herói da Rebelião

Luke, Han e Chewbacca são celebrados Heróis da Rebelião.

Skywalker participou da Batalha de Yavin, testemunhou a morte de muitos companheiros, incluindo Darklighter. Após a morte dos dois líderes de esquadrão, ele tomou para si a liderança do ataque final. Com a chegada oportuna da Millennium Falcon e a orientação do espírito de Kenobi, Skywalker assumiu um único disparo e usou a Força para dirigir seus torpedos de próton ao alvo,[38] destruindo a estação. Por este ato, ele, Chewbacca, e Han Solo foram premiados com a Medalha da Bravura.[7]

Após a destruição da Estrela da Morte, Skywalker liderou uma série de missões para a Aliança Rebelde. Dentro de duas semanas da Batalha de Yavin, Skywalker participou da destruição do Destróier Estelar classe Imperial I Liquidatário, ajudou a Aliança a coletar novos X-wings diretamente de Vors Voorhorian (onde ele mostrou seu extraordinário potencial ao derrubar um Caça TIE usando apenas o sabre de luz de seu pai), lutou na Batalha de Vactooine, e viajou para Bonadan e para as Regiões Desconhecidas. Ele também foi enviado para investigar novos locais para bases no Mundo dos Guardiões, Akuria II, e Drexel. Todas os três venturas acabaram em violência e fracasso. Em algum ponto, Skywalker relutantemente concordou em voltar a Tatooine a fim de investigar uma Cápsula de Transporte Imperial caída que Jawas conseguiram roubar, embora a missão tornou-se muito mais complicada depois de ser infectado com a Doença de Bledsoe devido a uma mordida de Squill, ele ainda assim conseguiu descobrir a conexão entre a Doença de Bledsoe, as cápsulas de transporte, e postos avançados Rebeldes sendo destruídos.[39]

Seis meses após a Batalha de Yavin, Skywalker, Solo, e Chewbacca foram enviados para investigar atividade dos piratas BloodScar próxima a uma rota de abastecimento Rebelde, embora Solo estava relutante e inseguro de seu último papel na Aliança. Durante a missão, Skywalker e os outros se misturaram com um grupo de stormtroopers AWOL, e viajaram com eles em sua nave após os stormtroopers ladinos começarem a segui-los e ajudá-los a repelir um ataque de piratas. Os stormtroopers originalmente se passavam por investigadores da Remessa Consolidada enquanto os Rebeldes se passavam por carregadores independentes, mas eles rapidamente descobriram a identidade uns dos outros. Nenhum dos lados confiava totalmente no outro, mas Skywalker foi capaz de impedir hostilidades entre eles. Entretanto, eles descobriram que Leia Organa estava sendo caçada em Shelkonwa, e procuraram ajudá-la, enquanto que a Mão do Julgamento acreditava que os piratas tinham uma conexão com o escritório do Governador em Shelkonwa. Os três Rebeldes, com alguma ajuda dos renegados Imperiais, foram capazes de se infiltrar na Cidade Makrin e resgatar Organa, e escapar de volta para a Aliança Rebelde apesar da larga presença Imperial, incluindo Darth Vader. Durante esses eventos Ben Kenobi falava com Luke através da Força e continuava a ensiná-lo mais sobre a Força.[40]

Em um ponto desconhecido, Skywalker encontrou o Incursor Tusken discípulo Teräs Käsi e sensível à Força KkH'Oar'Rrhr, que esteve seguindo Skywalker para vingar sua tribo devido a ela ter sido dizimada pelo "Demônio Forasteiro" (na verdade seu pai, Anakin Skywalker). O Incursor, em um duelo feroz, derrota Skywalker e o manteve à sua mercê. No entanto, tendo encontrado Vader antes, que também se assemelhava ao "Demônio Forasteiro", ele poupou Skywalker devido a uma visão que ele teve, desobedecendo seu mentor, a Mão do Imperador Arden Lyn, no processo, e partiu para lugares desconhecidos.[41]

Ansioso para servir a Aliança Rebelde, os primeiros anos de Skywalker foram cheios de aventuras incluindo lutar com piratas, ajudar na batalha contra forças Imperiais e fugir das garras de Darth Vader e seus agentes. Em uma missão de reconhecimento, a nave de Skywalker foi emboscada por Imperiais que estavam bloqueando o Setor Yavin, obrigando-o a se esconder em um cometa transdimensional, depositando-o para o estéril mundo gelado de Hoth. Skywalker retornou à Aliança, informou os seus superiores do mundo isolado, e a Aliança Rebelde planejou evacuar seus postos avançados em Yavin 4 e Thila e criar uma base em Hoth. Além disso, Luke com o Esquadrão Vermelho ajudou aos Rebeldes na sua evacuação durante a parte mais intensa do bloqueio, e temporariamente conseguiu salvar Dodonna, embora ele não foi capaz de tirá-lo do planeta.

Luke & Leia (Mimban)

Luke, com Leia Organa, R2-D2, e C-3PO, em Mimban.

Quando Yavin IV foi evacuado, Jan Dodonna promoveu Skywalker para Comandante, mas a promoção não foi apresentada antes da captura do General. Apesar disso, poucos dias depois da base ser evacuada, Skywalker se tornou um Tenente Comandante, e conduziu missões para Dantooine, Ralltiir e Tatooine. Foi durante esse tempo que Skywalker começou a realmente se sentir em casa em um esquadrão de caças. Quando não voava ao lado do Esquadrão Vermelho e seu mentor, o Comandante Narra, ele liderava o neófito grupo de caças Esquadrão Vampiro pra planetas como Barkhesh, Chorax, Corellia, e Gerrard V.

Antes do fim do ano, Skywalker também se encontrou participando de missões fora da cabine de um caça. Ele viu a ação em Jabiim, Kalist VI, Kiva, e Per Lupelo, e descobriu de primeira mão os horrores da guerra. Ele até conheceu um clone trooper, Able, que não tinha conhecimento do que acontecia na galáxia, com um pouco de história e mostrando o seu sabre de luz, Luke consegue convencer Able que os Jedi levantaram armas contra o Império. Em Kalist VI, Luke teve um encontro inesperado com o amigo de infância Janek Sunber, agora um tenente da Marinha Imperial, que terminou com a quase destruição da Frota da Aliança.

Luke depois se juntou uma equipe enviada para uma lua deserta perto de Aridus. Quando eles foram atacados pelas criaturas há muito extintas conhecidas como rakghouls, ele ouviu um chamado na Força e foi levado pelos rakghouls. Ele foi logo confrontado por uma Jedi com séculos de idade, Celeste Morne, que foi enlouquecida pelo espírito do muito mais velho Sith Karness Muur, que residia no interior do Talismã Muur que ela usava. Morne rapidamente derrotou Skywalker e segurou-o no ponto de sabre. Murr viu grande potencial em Luke e destacou o talismã de Morne e saltou para Luke. Leia empurrou Luke fora do caminho e o talismã começou a juntar-se a Leia a quem Murr também viu potencial. Luke tentou afastar o talismã em vão, entretanto Celeste Morne recuperou sua sanidade e usou o sabre de luz dela pra remover o talismã. Ela então usou o talismã de novo tentando prender Muur no corpo dela. Enquanto Morne se preparava pra deixar o planeta ela foi confrontada por Luke que queria saber mais sobre a história dos Jedi e seu destino. Morne respondeu dizendo a ele que haviam trevas em seu sangue, em seu passado, e em seu futuro. Morne então partiu, porém agora não havia nada controlando os rakghouls e eles voltaram seus olhos sobre Luke e Leia. Luke disse a Leia para ficar atrás dele e pouco antes dos rakghoul atacarem, Han Solo e Chewbacca vieram para resgatá-los.[42]

Em 1 DBY, Luke Skywalker foi contactado por Mallatobuck, a esposa de seu amigo Chewbacca, enquanto ele trabalhava com R2-D2 em uma turbina numa oficina. Chewbacca deveria ter ido pra casa com Han Solo para o Dia da Vida—um importante festival Wookiee—mas ainda não havia sinal da Millennium Falcon perto de Kashyyyk. Mallatobuck estava preocupada, e ela queria saber se Skywalker tinha visto seu marido recentemente. O piloto Rebelde não sabia por que a Falcon estava atrasada, mas ele tentou garantir a Mallatobuck, avisando a para se acalmar e confiar na habilidade de Solo e Chewbacca em superar qualquer perigo. Um pouco depois, Darth Vader ordenou o Bloqueio de Kashyyyk esperando capturar o capitão Solo e seu imediato Wookiee. Entretanto, os agentes Imperiais foram levados a pensar que os Rebeldes já tinham deixado o planeta, e o bloqueio cessou. Luke Skywalker então foi a Kashyyyk junto com a Princesa Leia e participaram da cerimônia tradicional do Dia da Vida.[43]

Luke Skywalker & Darth Vader

Luke enfrenta Darth Vader.

Em 2 DBY, ele acompanhou Leia Organa em uma missão diplomática para o sistema Circarpous, onde eles caíram no planeta Mimban. Em Mimban, Skywalker e Organa encontraram uma mulher velha sensitiva à Força chamada Halla. Eles fecharam um acordo com ela, prometendo encontrar o cristal Kaiburr se ela prometesse ajudá-los em sua fuga para fora do planeta. Entretanto, Darth Vader também procurava pelo poderoso cristal Kaiburr. Ambos em busca da poderosa relíquia da Força, Skywalker e Vader duelaram no antigo Templo de Pomojema. Cada movimento de Skywalker era guiado pelo espírito de Kenobi e fortalecido pelo cristal, assim o jovem incrivelmente conseguiu segurar Vader, até conseguindo cortar o braço mecânico do Lorde Sombrio. Chocado, Vader despencou em um poço profundo, terminando o duelo.[44]

Transferido para a Base Echo junto ao Esquadrão Vampiro em 3 DBY, Skywalker participou de patrulhas regulares pelo congelado perímetro. Enquanto explorava os arredores da Base Echo, Skywalker foi atacado por um wampa. Ele recuperou a consciência na caverna da criatura, cortou seu braço com o seu sabre de luz, e escapou apenas para descobrir que ele estava longe da Base Echo. Depois de uma longa caminhada no vento gelado, ele desmaiou de exaustão. À beira da morte, ele teve uma visão de Kenobi, que lhe disse para procurar os ensinamentos de Yoda no sistema Dagobah, e então foi resgatado por Han Solo.[14]

Luke crashed snowspeeder

Luke resgatando equipamentos de seu snowspeeder caído em Hoth.

Skywalker se recuperou de seus ferimentos, incluindo uma face profundamente cortada e um osso molar esmagado,[45] em um tanque de bacta, mas não teve muito tempo para se recuperar; um dos milhares de droide sondas de Vader, lançado através da galáxia em busca do Jedi e da nova base da Aliança, chegou a Hoth e enviou provas de atividade Rebelde para o Império Galáctico. Na subsequente batalha, Skywalker liderou o Esquadrão Vampiro em um esforço para combater o ataque e ganhar tempo para a evacuação da Base Echo. Sob sua liderança, os deslizadores se mostraram mais eficazes no ataque maciço aos andadores Imperiais que o Império achou que fosse possível. Além disso, mesmo depois que ele foi derrubado, Skywalker demonstrou seu formidável potencial como Jedi quando ele avançou, sozinho, destruindo dois andadores[46], incluindo o Nevasca 4, com eficácia espetacular. Enquanto as forças Imperiais violavam as defesas, o último transporte Rebelde partia e Skywalker evacuou o planeta a bordo de seu X-Wing.[14]

Treinando para se tornar um Jedi

DagobahTraining - Jeff Carlisle

Luke estudando os Caminhos Jedi sob a instrução de Yoda em Dagobah.

"Faça ou não faça. Tentativa não há."
Yoda para Luke[fonte]

Skywalker então viajou para Dagobah, onde ele encontrou Yoda. Primeiramente, Luke ficou frustado e confuso com suas redondezas e com o pequeno Yoda, que não tinha se identificado ainda. Skywalker ficou admirado com a criatura quando descobriu sua verdadeira identidade, apesar de Yoda ter aceitado treiná-lo apenas por insistência do espírito de Kenobi. O treino de Skywalker foi difícil, como o seu passado aventureiro havia moldado a sua mente para ação e instinto emocional. Ao entrar em uma caverna, ele enfrentou uma visão de si mesmo vestido na armadura de Darth Vader. Pouco tempo depois, ele teve uma visão de Leia e Han Solo em sofrimento na Cidade das Nuvens em Bespin e, mesmo ignorando os avisos de Kenobi e Yoda, ele rapidamente partiu de Dagobah para resgatá-los.[14]

Duelo contra o Lorde Sombrio

"Luke, você pode destruir o Imperador, ele previu isto. Una-se a mim e juntos governaremos a galáxia como pai e filho."
Darth Vader tentando seduzir Luke Skywalker ao lado sombrio[fonte]
Luke vs. vader

Primeiro confronto entre Luke e Darth Vader, em Bespin.

Skywalker chegou à Cidade das Nuvens e, com o blaster tirado, mexeu-se para resgatar seus amigos. Ele foi alvejado por Boba Fett e emboscado por um grupo de stormtroopers e oficiais Imperiais. Ele momentaneamente avistou Organa sendo usada como um escudo humano por um oficial Imperial. Enquanto era arrastada, Leia tentou avisar que ele estava entrando numa "cilada". Ao tentar persegui-los, o caminho de Skywalker foi desviado para a câmara de congelamento de carbono, onde Darth Vader o esperava.[14]

Skywalker envolveu o Lorde Sombrio em um duelo feroz. Vader provou sua superioridade em sua personalizada esgrima na Forma V, executando cho mai e Dun Möch. Depois de cortar a mão de Skywalker de seu corpo, Vader tentou atrair o enfraquecido Jedi para o lado sombrio da Força, oferecendo a Skywalker a chance de destruir o Imperador e "trazer a ordem à galáxia". Em seus esforços para contrariar Skywalker de suas recusas desafiadoras, Vader então revelou sua identidade como o pai de Skywalker.[14]

Darth Vader: "Obi-Wan nunca lhe disse o que aconteceu com seu pai."
Luke Skywalker: "Ele me disse o suficiente... que foi você quem matou ele."
Darth Vader: "Não, Eu sou o seu pai!"
Luke Skywalker: "Não, não, não é verdade."
―Luke descobre que Darth Vader é seu pai. — Gnome-speakernotes
Eu Sou Seu Pai - Diálogo
(arquivo)
[fonte]
SeedsofDecay-LotDS

Luke joga-se no poço de ventilação.

Confrontado com esta chocante e horripilante alegação e a ainda mais temível tentação de se juntar a Vader, Skywalker encontrou coragem moral de escolher a morte no lugar, se jogando em um longo poço. Ele foi aspirado através de um portal se abrindo na parte inferior da câmara, em seguida através de outro que conduzia para fora da cidade flutuante. Skywalker agarrou um cata-vento, impedindo uma queda mortal. Fraco e indefeso, Skywalker primeiro chamou por Kenobi, mas não conseguiu entrar em contato com ele. Ele então alcançou Organa com a Força e logo a Millennium Falcon, com Lando Calrissian, Organa, Chewbacca e os droides a bordo, chegou para resgatá-lo. Após se reunir com a frota Rebelde, Skywalker recebeu sua mão cibernética, a bordo da Redenção.[14]

Herói da Aliança

Pouco tempo após a Batalha de Hoth, Skywalker foi designado como parte de uma delegação diplomática para Abridon. Sem dúvida, jogando fora sua estatura heróica como herói Jedi da rebelião, Skywalker foi um dos cinco dignitários enviados para convencer o Conselho Governamental de Abridon juntar-se à tropa Rebelde após sua revolução contra o Império. Contudo, a liberdade em Abridon não duraria. O Grande General Malcor Brashin e o General Brenn Tantor chegaram dentro de dias esmagaram a rebelião. Hamman Flatt, um líder dos Nacionalistas de Abridon, vendeu os Rebeldes diplomatas numa tentativa de salvar sua vida. Skywalker, junto com o restante da delegação, foi caçado por Tantor e capturado.[47]

De Abridon, Skywalker foi enviado à Prisão de Kalaan, da qual aguardava transferência a Coruscant. Felizmente, ele foi resgatado por ninguém menos que seu captor, Tantor. Pouco após a captura de Skywalker, Tantor tinha recusado uma ordem de massacrar civis. Por isso, ele foi preso em Kalaan. Diferente de Skywalker, Tantor tinha uma unidade de stormtroopers leais a recorrer. Seus stormtroopers libertaram Tantor, que escapou para o General Rebelde Tyr Taskeen, levando Skywalker com ele para provar suas boas intenções.[47]

O rescaldo da Batalha de Hoth dispersou a Aliança, e Skywalker foi colocado em bases temporárias em Golrath e Arbra, de onde ele continuou a realizar missões para a Aliança Rebelde. Em uma tal missão, ao abordar uma nave Imperial, Skywalker encontrou toda a tripulação morta. Suspeitando que uma pedra carmesim incomum fosse a causa das mortes misteriosas, Luke retornou a Golrath, mas já estava infectado com a doença. Logo, ele estava em coma com seu olhos vermelho escarlate. A doença que Skywalker contraiu estava de fato relacionada com a pedra carmesim. Conhecida como Carmesim Para Sempre, era causada quando as duas pedras da Nebulosa Vermelha eram separadas. Chamando Lando Calrissian e Chewbacca de volta da busca por Solo, Organa e Calrissian viajaram para encontrar a outra pedra com a Falcon para salvar Skywalker. Na verdade, a infecção de Skywalker pelo Carmesim Para Sempre era parte de uma tentativa de vingança de Domina Tagge, porque Darth Vader tinha dito a ela que Skywalker era responsável pela morte de seu irmão, Orman. Tagge tinha preparado a armadilha para Skywalker quando, após ela ter recuperado as pedras, sua nave ter sido abordada por stormtroopers Imperiais. Após seus caçadores de recompensa terem combatido os stormtroopers, ela ativou um canister com uma das pedras dentro da nave Imperial, matando todos eles e preparando caminho para a infecção do Skywalker. Embora Calrissian e Organa foram capturados pelos lacaios de Tagge, eles escaparam e outro prisioneiro liberou a segunda pedra na nave de Tagge. Calrissian e Organa fizeram um acordo com Tagge, que estava presa num compartimento selado, trocar a segunda pedra por uma nave para fugir. Tagge concordou, e Organa e Calrissian trouxeram a segunda pedra a Golrath, onde os cristais foram reunidos e Skywalker curado. Após sua recuperação, eles carregaram os cristais na nave Imperial abandonada e a enviaram para o sol de Golrath, e Skywalker voltou a servir a Aliança.[48]

Quando a Aliança descobriu a super-arma Imperial Tarkin, uma pequena equipe de comando consistindo em Skywalker, Organa, Chewbacca, R2-D2, e C-3PO foi enviada para posar como trabalhadores e infiltrar-se na estação de batalha. Voando a Falcon até Hockaleg—a localização de Tarkin—os comandos Rebeldes planejavam usar granadas de próton para destruir o reator da super-arma. Infelizmente, Vader estava presente na estação e, sentindo a presença de Skywalker, armou uma cilada para proteger o reator e pegar o aspirante Jedi.[49] Apenas uma tentativa de assassinato à vida de Vader por vários oficiais Imperiais permitiu que equipe Rebelde escapasse. Fugindo do Sith, Skywalker e os outros abortaram a missão e saíram em uma nave. Eles foram intensamente perseguidos por Caças TIE Imperiais, mas Calrissian, que tinha se escondido na Falcon, voou o cargueiro de Hockaleg e destruiu os caças. A equipe Rebelde então embarcou na Falcon e preparou-se para terminar a fuga, mas Vader, tendo sobrevivido à tentativa de assassinato, agora começava a perseguição em seu caça pessoal. Para escapar dele, Skywalker jogou a água da Falcon ao espaço, que congelou. Vader bateu na parede de gelo, acabando com a ameaça, mas os Imperiais então atiraram com a arma principal da Tarkin neles. No entanto, Organa tinha sabotado ela, então invés de destruir os Rebeldes, a arma destruiu a si mesma.[50]

Preparando-se para outra missão da Aliança, Skywalker, Calrissian, e Chewbacca foram enviados para recuperar quatro Caças TIE. Encontrando seu contato, Orion Ferret, em Bazarre, Luke e Lando receberam uma nave e as coordenadas do mundo lixo de Patch-4, onde os caças tinham sido localizados. Ao chegar, eles encontram os Caças TIE, mas são atacados pela Fera-vigia, que sem o conhecimento de Skywalker, era controlada por Ferret. Skywalker e Calrissian fugiram para algumas cavernas próximas, apenas para descobrir que uma comunidade inteira de pessoas vivia lá dentro. Agindo sob a dica recebida de Serja Kesselrook, um dos habitantes, Skywalker correu para a nave em que eles chegaram enquanto Calrissian distraía a Fera-vigia. Alcançando a lançadeira, Skywalker ativou os pacificadores sônicos que controlavam a fera, pondo-a pra dormir. Eles então recuperaram os caças, a Falcon e Chewbacca, e voltaram a Arbra.[51]

Brie Abatida

Shira Brie é abatida.

Ascendendo ao comando do Esquadrão Desordeiro, Skywalker apaixonou-se por uma de suas colegas de esquadrão, a talentosa e enigmática Shira Brie. Durante uma acalorada batalha com forças Imperiais, o computador de mira de Skywalker foi severamente avariado, ele então teve que confiar na Força para escolher os seus alvos. Inexplicavelmente, a Força disse-lhe para atirar em uma nave amiga, e ele acabou atirando em Brie.[52] Por este ato, Skywalker foi destituído do comando e colocado em julgamento. Como resultado, a confiança de Skywalker na Força foi abalada. Ele investigou o assunto e descobriu que Brie era na verdade uma agente Imperial. Skywalker limpou seu nome e foi reintegrado como comandante Rebelde.[53]

Busca a um salafrário

Com o tempo, Skywalker ficou mais poderoso na Força, e suas façanhas na Aliança ganharam mais visibilidade. Skywalker ficou sabendo que Boba Fett, que tinha em sua posse o congelado Han Solo, estava escondido perto de Gall. Skywalker e os Desordeiros partiram para dar cobertura a Organa e Calrissian na Millennium Falcon. No entanto, o ataque não foi bem sucedido quando seu guia, Dash Rendar, abandonou eles e Boba Fett escapou. Na viagem de volta, o astromecânico de Wes Janson pifou, assumiu seu caça, e mirou a astronave de Skywalker. Ele foi capaz de desativá-lo, no entanto, felizmente sem danos para Janson. Ao retornar à sua base, descobriu-se que o droide tinha sido sabotado por um mecânico.[54]

LukeSelfTraining-SWG5

Luke treinando com seu novo sabre de luz fora da cabana de Ben Kenobi

Voltando a Tatooine, Luke passou muito tempo na antiga residência de Obi-Wan Kenobi, onde ele construiu um novo sabre de luz com a ajuda de um jornal preparado por Kenobi, com base no modelo de seu sabre de luz. Depois de rechaçar um ataque de uma gangue de swoop, com o auxílio de Dash Rendar, que havia sido contratado para tomar conta dele, Skywalker encontrou um droide de mensagem que tinha sido originalmente enviado para Organa, que tinha ido se encontrar com representantes do Sol Negro. Entretanto, Skywalker foi capaz de determinar a senha para revelar a mensagem. A mensagem foi enviada por Koth Melan, um mestre-espião Bothano. Skywalker viajou para se encontrar com Melan junto com Rendar. Melan pediu a ajuda de Luke ao atacar o cargueiro Suprosa, o qual carregava dados Imperiais ultra-secretos. Skywalker treinou o esquadrão de pilotos de Y-wing Bothanos e liderou o ataque. Embora tenham sofrido pesadas perdas, a informação foi recuperada, e Rendar novamente saiu depois de não conseguir evitar a morte de vários pilotos Bothanos. Porém, ao retornar à base Bothana, eles sofrem um ataque. Embora os dados foram movidos com segurança para a tradução, Skywalker foi temporariamente capturado por caçadores de recompensa Barabel. Ele conseguiu escapar durante outro ataque e foi contactado por Chewbacca, que relatou que Organa estava nas mãos do líder do Sol Negro, Príncipe Xizor, que estava por trás das repetidas tentativas de assassinato a Skywalker para irritar Darth Vader como parte de uma luta de poder com o Lorde Sombrio. Skywalker reuniu-se com Calrissian e Chewbacca e os contrabandeou ao Centro Imperial. Depois de juntar forças mais uma vez com Rendar, Skywalker foi capaz de se infiltrar no palácio de Xizor entrando através dos sub-sub-esgotos do porão. Eles conseguiram resgatar Organa, mas foram interceptados por vários guardas. Xizor atirou em Skywalker, mas o aspirante Jedi facilmente bloqueou seus tiros. Naquele momento, Calrissian ativou o temporizador em um detonador térmico e o lançou no poço de manutenção, condenando o prédio. Xizor e os guardas fugiram, permitindo que a equipe de resgate chegasse à Millennium Falcon, que era pilotada por C-3PO e R2-D2. Antes de partirem, Skywalker foi desafiado por Guri, a poderosa droide de réplica Humana de Xizor. Skywalker aceitou o desafio, derrotando ela com as mãos vazias, mas recusou-se a acabar com ela. Junto a Organa, Calrissian, e Chewbacca, ele escapou na Millennium Falcon. Eles foram perseguidos pela frota particular de Xizor, mas a intervenção do Esquadrão Desordeiro e a Marinha Imperial permitiram que a Falcon escapasse, escoltada pelos Desordeiros.[54]

Pouco tempo depois, Skywalker e seus amigos foram enviados para Lahsbane[55] para investigar o desaparecimento dos agentes Rebeldes Tay Vanis e Yom Argo. A busca levou-os a partir de Lahsbane para Iskalon, Gamandar, Kabray, uma parada em Belderone até que, finalmente, concluiu com o encontro de uma Vanis ferida e em coma em Arcan IV.[56] Enquanto estavam lá, Calrissian e Chewbacca descobrem que Boba Fett tinha finalmente entregue Han Solo para Jabba o Hutt em Tatooine. Skywalker começou a colocar um plano de resgate em andamento.

Resgatando um herói

"Estou levando o Capitão Solo e seus amigos. Você pode lucrar com isso ou ser destruído. A escolha é sua, mas eu te aviso para não subestimar os meus poderes."
―Luke a Jabba o Hutt[fonte]
LukeGreenSaber-MOROTJ

Luke enfrenta os capangas de Jabba Desilijic Tiure.

Skywalker finalmente chegou em Tatooine nove meses após a Batalha de Hoth, no começo de 4 DBY (39:3). Quando Organa e metade da facção de resgate foram capturados pelo Hutt lorde do crime Jabba Desilijic Tiure, Skywalker foi libertar a eles e Solo. O uso habilidoso da Força permitiu a Skywalker passar pelos guardas Gamorreanos de Jabba e seu mordomo, Bib Fortuna, mas o Hutt não foi influenciado facilmente e tentou alimentar seu rancor com Skywalker.[10]

Skywalker matou o temível monstro, mas Jabba ficou furioso e sentenciou todos os heróis da Aliança capturados–incluindo o Solo descongelado–à morte no Grande Poço de Carkoon. No entanto, antes de ser jogo no poço, Skywalker escapou quando R2-D2 atira o sabre de luz para ele to libertando todos os prisioneiros no esquife. O aspirante a Jedi massacrou os guardas de Jabba, embora tenha ficado com uma pequena ferida em sua mão cibernética, quando levou um tiro de Taym Dren-garen.[10]

Skywalker, Solo, Organa, Chewbacca, Calrissian e os droides escaparam através de uma ameaçadora tempestade de areia após destruir a barcaça de Jabba e o próprio gângster. Mara Jade, no palácio de Jabba disfarçada de dançarina, foi incapaz de completar sua missão de assassinar Skywalker porque Jabba não teria permitido ela de ir com ele na barcaça. Skywalker depois teve uma visão de como ela teria prevenido sua fuga quando ele revisitou Dagobah.[10]

O teste de Endor

"Agora, vá, meu filho. Deixe-me."
"Não. Você vem comigo. Eu não vou te deixar aqui. Eu tenho que te salvar!"
"Você já o fez, Luke. Você estava certo. Você estava certo a meu respeito. Diga a sua irmã… que você estava certo."
―Anakin Skywalker e Luke Skywalker[fonte]
Luke on Endor

Skywalker em Endor.

Não muito depois, Skywalker retornou para Dagobah para completar seu treinamento e recebeu a confirmação de Yoda e do espírito de Kenobi que Vader era mesmo seu pai, Anakin Skywalker, um ex-Cavaleiro Jedi que se virou para o lado sombrio da Força. Yoda, já idoso e prestes a morrer, disse a Luke que seu treinamento estava completo, mas para se tornar um Jedi, ele teria que confrontar Darth Vader de novo, uma noção que Skywalker achou doloroso de aceitar. Além disso, Skywalker percebeu que Organa era sua irmã e estaria em perigo se seu pai descobrisse a identidade dela.[10]

Skywalker mesmo assim acompanhou seus amigos à lua florestal de Endor para derrubar o gerador de escudo que protegia a segunda Estrela da Morte em órbita, imediatamente após chegar às instruções à bordo da Home One. Ao se aproximar de Endor, Skywalker sentiu a presença de Vader no Destróier Estelar próximo, o Executor, e percebeu que sua presença colocava a missão em perigo. Seus companheiros recusaram suas preocupações, e seguiram em frente. No entanto, graças a Skywalker meramente acompanhar a missão, Vader foi capaz de detectar a presença dos Rebeldes na lançadeira na qual eles se infiltraram na lua florestal, mas permitiu que pousassem para que ele pudesse lidar com eles pessoalmente. Quando a força Rebelde foi descoberta por batedores imperiais, Skywalker e Organa os perseguiram em motos deslizadoras através da densa folhagem e preveniram com sucesso que eles relatassem a presença Rebelde. Skywalker demonstrou sua habilidade nos caminhos Jedi ao pular de uma moto para outra enquanto estava em alta velocidade e defletir o tiro laser de outra, que ele destruiu com o golpe de seu novo sabre de luz. Entretanto, durante a caçada em alta velocidade, Organa se separou de Skywalker.[10]

Após descobrirem sobre o desaparecimento dela, Solo, Skywalker, Chewbacca, e os droides foram procurar por ela, mas foram capturados por uma tribo do Ewoks. Skywalker preveniu um conflito com os pequenos habitantes da floresta e engenhosamente resgatou a turma após os Ewoks, que pensavam que C-3PO era um deus, planejavam sacrificar os heróis Rebeldes. Ele usou a Força para levitar o droide de protocolo, convencendo os Ewoks a liberar e ajudar os Rebeldes. No entanto, Skywalker sabia que tinha que confrontar Vader. Na aldeia Ewok, Skywalker revelou a Organa sua verdadeira herança familiar e resolveu enfrentar Vader. Não muito depois, Skywalker se rende a Vader numa tentativa de trazer o Lorde Negro de volta para o lado luminoso, mas ele no fim se torna um prisioneiro do Imperador.[10]

Uma vez à bordo da Estrela da Morte, o Imperador e Vader tentaram corromper Skywalker com promessas de salvar seus amigos de suas armadilhas se ele se juntasse ao lado negro. Como um adicional, o Imperador incitou que Skywalker o acertasse para salvar a Frota Rebelde, que estava sendo dizimada na Batalha de Endor. Skywalker, num momento de fraqueza, revidou, mas Vader parou seu golpe.[10]

Apesar do embate, Skywalker conseguiu manter controle emocional, para a frustração de seus inimigos. Mantendo controle de suas emoções, ele se escondeu e se recusou em continuar a lutar. No entanto, este controle se perdeu quando Vader telepaticamente sentiu a existência da irmã de Skywalker e ameaçou corrompê-la no lugar.[10]

Lukevaderrotj7

Luke derrota Vader em seu confronto final.

Furioso com a ameaça, Skywalker atacou viciosamente, brandindo o poder total de Djem So, e eventualmente cortando e mão direita do Lorde Sith, quase matando Vader. Palpatine então exigiu que ele acabasse com Vader e tomasse seu lugar a seu lado. Luke, no entanto, jogou seu sabre de luz pra longe, percebendo que ele estava se tornando o que tinha jurado destruir. Ele se declarou um Jedi, assim como Anakin Skywalker tinha sido antes dele. Enraivecido, o Imperador lançou relâmpagos da Força contra Skywalker para torturar e eventualmente matar o jovem Jedi.[10]

Vader se encontrou numa posição parecida com a que tinha tido vinte e três anos antes, quando ele decidiu salvar Palpatine de Mace Windu, permitindo que o Lorde Sith torturasse e matasse seu pretenso executor com relâmpagos da Força.[1] Palpatine declarou sua intenção de matar Luke, e Vader decidiu agir. Ele levantou seu mestre do chão, e o jogou pela mesma abertura que Palpatine pretendia que Vader usasse para se livrar do corpo de Luke.[57] Mas ao fazer isso, ele virou o relâmpago da Força letal de Palpatine contra si, danificando irreparavelmente seu traje armadura com suporte de vida. Num ato de auto-sacrifício e amor por seu filho, Anakin Skywalker re-emergiu para destruir o Imperador.[10]

LukeBlastedByForcelightning-ROTJ

Luke, torturado pelas mãos do Imperador.

Na deteriorante Estrela da Morte aos pés da lançadeira de Vader, Skywalker removeu a antiga máscara de Vader e olhou para o rosto de seu pai pela primeira e única vez antes que Anakin se tornasse um com a Força. Skywalker levou o corpo de seu pai à bordo da lançadeira pouco antes da destruição da Estrela da Morte. De volta a Endor, Skywalker cremou a armadura de seu pai aos modos de um funeral Jedi, já que o corpo de seu pai já havia sumido.[58] Ele então se juntou à celebração da aparente derrota do Império, durante a qual ele viu os espíritos de Kenobi, Yoda, e Anakin Skywalker aparecendo. Portanto, Skywalker completou o ciclo, tanto como Jedi e como pessoa.[10]

Pós-Endor

"Às vezes eu sinto como se estivesse correndo a toda velocidade, desde que dei o fora de Tatooine com os droides e Ben Kenobi faz um tempinho."
―Luke Skywalker durante a Campanha Thrawn[fonte]
Um dia depois de seu duelo com Darth Vader na Batalha de Endor, enquanto ainda se recuperava dos ferimentos infligidos pelos relâmpagos da Força de Palpatine, Skywalker salva Wedge Antilles de morte ou injúria certa. Antilles tinha descoberto um droide mensageiro que estava ameaçando autodestruir-se, solicitando ajuda para o mundo entreposto sitiado de Bakura.
Luke Bakura

Luke com Han e Leia, na época da Invasão de Bakura.

Skywalker comandou uma missão da Aliança para o sistema Bakura, que foi sitiado por uma estranha raça alienígena, os Ssi-ruu, que usavam a força vital de seus cativos para alimentar sua tecnologia. Skywalker e Leia negociaram uma trégua temporária entre os Rebeldes e as forças Imperiais para ajudar a repelir a invasão. Skywalker encontrou uma jovem senadora Bakurana, Gaeriel Captison, e eles eventualmente desenvolveram uma atração mútua um pelo outro, mas se separaram depois que a missão foi concluída. Durante a missão, Skywalker foi infectado com parasitas tricoides Olabrianos pelo traiçoeiro governador Imperial Wilek Nereus e também foi preso pela Ssi-ruu. Com a ajuda de Dev Sibwarra, um Humano sensitivo à Força que servia os Ssi-ruu, Skywalker foi capaz de escapar dos Ssi-ruu, desativar a nave e ganhar a batalha. Skywalker depois ditou os termos da rendição de Wilek Nereus para os Bakuranos terem a liberdade de escolher a sua autoridade de governo. A descoberta do Dev Sibwarra durante a Batalha de Bakura abasteceu a convicção de Skywalker de encontrar outros como ele na galáxia. O Grande Purgo Jedi de Palpatine e Vader não foi absoluto. Certamente, ele acreditava, que haviam usuários da Força que tinham escapado dos tempos sombrios.[59]

Após voltar de Bakura, Skywalker liderou os pilotos do enfraquecido Esquadrão Desordeiro para Corellia numa missão de férias/escolta. Eles encontraram o planeta quase livre de ocupação Imperial. No entanto, enquanto sentavam num tapcafé na Cidade Coronet, a cidade foi atacada pelo General Weir e suas forças. Os Desordeiros seguraram os stormtroopers enviados atrás deles, e as habilidades Jedi de Luke foram úteis ao defender os outros pilotos de tiros de blaster e manter um AT-ST de cair em cima de Tycho Celchu e Ten Numb antes que eles pudessem sair de baixo. Após Numb ser capturado, Luke perseguiu os captores Imperiais, mas eles escaparam do planeta em transportes. Felizmente, Tycho e os astromecânicos trouxeram suas X-wings pra eles. Decolando em perseguição, eles foram atrasados por um ataque de caças TIE digressionista num comboio civil. Além disso, Skywalker e os outros Desordeiros rastrearam Weir e Ten em Tralus, onde eles encontraram uma base subterrânea escondida. Após um curto sobrevoo, Weir afastou um TIE e Skywalker e Antilles buscaram TIEs para eles mesmos perseguirem. Enquanto isso, Wes Janson descobriu que Numb já estava morto, torturado e assassinado por Weir. Skywalker e Antilles derrubaram o general, e o levaram de volta à Aliança como prisioneiro. Pouco depois, Skywalker passou a responsabilidade do esquadrão para Wedge.[60]

Em busca de um legado (411 DBY)

Planos para um renascimento

"A Força estará com você. Sempre."
―Obi-Wan Kenobi[fonte]
No entanto, Luke teve que colocar seus sonhos de uma Nova Ordem Jedi em espera. A morte de Palpatine criou uma época de atividade frenética, e Luke se pegou ajudando mundos tentando romper com o Império em sua época de fraqueza. No mundo de Solay, Luke ajudou a resistência local a derrubar o Rei Blackart. Durante o golpe, Luke se apaixonou por uma garota local chamada Mary, e quis pela primeira vez deixar a guerra pra trás. No entanto, Luke foi empurrado de volta à realidade quando o Império voltou pra escravizar Solay. Mary foi morta na reocupação, e Luke escapou do planeta com a ajuda de um local chamado Braxas. A morte de Mary renovou o cometimento de Luke com a Rebelião, e ele tomou seus deveres com um renovado fervor.[61]
Luke leap

Luke, lutando abertamente como um Jedi em missões da Aliança Rebelde e Nova República.

Na base da Rebelião na Lua de Endor, Luke começou a aperfeiçoar os poderes da Força com Wicket e os Ewoks. Foi lá que Luke receberia sua primeira missão oficial desde a morte de Palpatine. Luke tornou-se um representante da vitoriosa Rebelião e visitou os planetas de Iskalon e Shawken para pedir que os representantes atendessem a Primeira Conferência dos Povos Livres. Nesta missão, Luke conheceu o Iskaloniano Kiro. Kiro era sensitivo à Força e esperava que Luke o treinasse para se tornar um Cavaleiro Jedi. No entanto, a morte de Sibwarra fazia Luke questionar seu preparo para treinar uma nova geração de Cavaleiros Jedi e ele recusou o pedido de Kiro. Kiro ficou visivelmente chateado, mas aceitou o julgamento de Luke.[9] A esta altura Luke começou a treinar novos recrutas para a Aliança, incluindo Barney, Rik Duel, Chihdo, Dracos, Dani, e Faron. Embora eles não tenham sido sensitivos à Força, eles também queriam ser treinados como Cavaleiros Jedi, mas Luke já estava decidido e seu medo de novos Jedi caindo no lado negro o impediu de ensiná-los nos poderes da Força. Infelizmente, a decisão de Luke voltaria depois para assombrá-lo.[62]

Durante seu tempo de comandante de esquadrão, outra jovem rebelde chamada Vila chegou na lua florestal exigindo que Luke a treinasse para que ela pudesse salvar seu planeta natal de Naldar. As convicções de Luke permaneceram firmes, e embora ele tenha prometido ajudar Vila, ele não a treinaria. O medo de Luke em treinar novos Jedi foi testado em Naldar onde ele entrou em conflito com Flint, outro jovem que ele recusou em treinar.[62] Flint se tornara Lorde Negro dos Sith de Lumiya e liderava as forças Imperiais em Naldar.[63] Luke enfrentou o Lorde Negro e percebeu que sua recusa em treinar Flint tinha na verdade criado o mal em vez de preveni-lo. Luke foi capaz de fazer Flint perceber o quanto tinha se perdido, mas a batalha que se seguiu tirou a vida de Vila. Flint foi colocado em custódia da Aliança, e uma visão da Força com Yoda, Obi-Wan Kenobi, e o redimido Anakin Skywalker fez Luke perceber que ele não deveria mais temer o lado sombrio. Luke decidiu aceitar o pedido de Kiro para ser treinado como Cavaleiro Jedi, e Kiro tornou-se o primeiro aprendiz de Luke.[62]

Guerra Nagai-Tof

Antes que o treinamento pudesse começar, Luke foi pego na Guerra Nagai–Tof. O Comandante Nagai Ozrei N'takkilomandrife criou uma luta interna entre os rebeldes em Saijo, e Luke, Leia, e Han foram foçados a resolver a disputa ao descobrir o traidor Durne.[64] No entanto, este foi apenas o começo do conflito, e uma checagem de rotina em Kinooine, Luke ficou cara a cara com o poder da máquina de guerra Nagai. Junto a Kiro e Dani, Luke inspecionou o planeta, buscando um grupo de reconhecimento desaparecido. Sem que Luke soubesse, seu grupo de reconhecimento tinha sido executado por Lumiya e seu ajudante Nagai, Den Siva. Dani e Kiro encontraram a perigosa Dama Sith antes de Luke, mas Kiro foi criticamente ferido e Dani foi capturado por Den Siva. Luke confrontou Lumiya, mas sofreu uma de suas primeiras derrotas quando ela o atacou com seu chicote de luz. Luke foi capturado e colocado numa cela subterrânea no planeta.[65]

DarkLadyLumiya-SWG4

Luke e Lumiya duelam em Kinooine.

Por sorte, Kiro tinha se recuperado de seus ferimentos mais sérios, e se preparou para resgatar seu mestre e Dani. Kiro se infiltrou na prisão, matando os guardas Nagai. Ele liberou Luke e o ajudou a criar um shoto. Kiro e Luke confrontaram Lumiya de novo, mas o resultado foi drasticamente diferente. Luke usou dois sabres contra o chicote de Lumiya, e a Dama Sombria foi derrotada. Desmascarando a mulher, Luke se surpreendeu ao descobrir que sua verdadeira identidade era Shira Brie, um antigo amor. Infelizmente, neste exato momento, a frota Nagai chegou e Luke e Kiro foram forçados a levar sua prisioneira a um esconderijo.[65] A equipe encontrou outro inconveniente quando eles foram forçados a amarrar Lumiya para que pudessem resgatar Dani. Kiro e Luke resgataram o Zeltron, mas sua fuga foi frustrada por Den Siva, que atacou Kiro e o feriu criticamente deixando-o para morrer nas águas de Kinooine. Luke e Dani foram forçados a fazer uma retirada rápida acreditando que Kiro tinha sido morto. Luke tinha perdido outro aprendiz em potencial, e Lumiya escapou de suas amarras.[66]

A guerra deu um passo adianta durante a Segunda Batalha de Endor onde as forças da Aliança entraram em conflito direto com as forças Nagai. Forças espaciais lideradas por Lumiya quase destruíram a frota da Aliança, mas a liderança de Luke no chão e as táticas de Lando no ar viraram a disputa.[67] A seriedade da ameaça Nagai agora aparente, Luke começou a tomar um papel mais central ao lidar com os Nagai. Na Batalha de Iskalon, Luke enfrentou as forças do General Kruskob Tiltanka, destruindo a presença Nagai no mundo. Luke também se reencontrou com seu aprendiz Kiro durante o embate, mas as prioridades de Kiro tinham mudado, e ele optou por permanecer em Iskalon para proteger seu povo. Luke ficou entristecido com a decisão de Kiro, mas a aceitou.[68]

A guerra tomou outro rumo quando os inimigos jurados dos Nagai, os Tof, entraram na guerra na Duodécima Batalha de Zeltros. Luke foi forçado a lutar contra os Tof e o Império Hiromi quando eles invadiram Zeltros, ameaçando as vidas de Dani, Leia, e os Nagai.[69][70] A investida de Luke ajudou na captura de uma nave Hiromi, encerrando a batalha e a ameaça do Império Hiromi.[71] A batalha final da guerra foi a Batalha de Saijo, após a Aliança aliar-se aos Nagai e o Império contra os Tofs. Luke liderou uma força tarefa para capturar o líder Tof, Príncipe Sereno.[72]

Cidade Perdida dos Jedi

Luke e o Almirante Ackbar teriam mais tarde naquele ano uma jornada a Dac pra impedir Trioculus de obter a Luva de Darth Vader das profundezas do oceano. Luke foi capaz de derrotar os ataques de Trioculus e destruiu seu aliado, mas Trioculus conseguiu escapar com a luva.[73] Luke, aconselhado pelo espírito de Obi-Wan Kenobi, então procurou a Cidade Perdida dos Jedi em Yavin IV. Na Cidade Perdida, ele encontrou um garoto chamado Ken, que alegava ser um Príncipe Jedi. Entretanto, o Profeta Supremo do Lado Sombrio Kadann declarou que Ken era uma ameaça ao domínio de Trioculus sobre o Império e tentou encontrá-lo e destruí-lo. O que Luke não sabia era que este Kadann era um impostor, e Trioculus era um fantoche colocado pelo Grande Moff Hissa e o resto do Comitê Central de Grandes Moffs.[74] Embora o falso Kadann tenha capturado Ken, Luke ajudou-o a escapar, e então prendeu o falso Kadann e suas tropas na Cidade Perdida após assegurar-se que eles não poderiam recuperar informações perdidas armazenadas em um computador. Luke e Ken então deixaram a lua.[75] Luke depois ajudou na fuga do pai de Ken, Triclops, de um asilo em Duro.[76]

Luke era um membro vital da Aliança dos Planetas Livres e, pouco depois, a Nova República. Ele foi um agente da breve Rede de Inteligência Planetária do Senado (RIPS). Após suas excelentes táticas defendendo o Couraçado Nova Esperançaem Milagro, que permitiu à Nova República capturar um Destróier Estelar Imperial (que mais tarde se tornaria o Crynyd), Luke Skywalker foi promovido a general.[77]

Batalha de Mindor

"Nenhuma história que as pessoas contam sobre mim pode mudar quem eu realmente sou."
―Luke Skywalker[fonte]
GeneralSkywalker

A missão final do General Skywalker.

Luke participaria da Batalha de Mindor, liderando as tropas da Nova República. A nave em que Luke comandava foi destruída e separada em três partes; Luke usou a Força pra facilitar a descida no planeta e sobreviver, o que permitiu que ele fosse capturado pelas tropas do Lorde Shadowspawn. Luke ficou cara a cara com Shadowspawn, que arranjou um duelo entre eles. Durante o duelo Luke sentiu que algo não estava certo com Shadowspawn e ao invés de matá-lo, destruiu sua Coroa das Sombras, revelando Nick Rostu, que estava sendo controlado por Shadowspawn. Cronal então aprisionaria Luke de novo e usaria seus peões para prender Skywalker e tentar controlá-lo, durante este tempo Cronal manteve Luke no Escuro. Apesar de ficar uma eternidade no Escuro, Luke foi capaz de se encontrar e usar a Força pra ajudar Nick a libertá-lo. Luke ficaria cara a cara com o novo corpo de Cronal, Kar Vastor, que mordeu o pescoço de Luke. No entanto, Luke tinha encontrado um modo de usar o poder de Cronal e o usou pra libertar Vastor da influência de Cronal. Luke rastreou Vastor, quem, após ser libertado, estava assustado e confuso mas foi logo acalmado por Luke, que então usou a conexão de Vastor com Cronal pra estabelecer uma ligação entre eles. Cronal, que ficou chocado quando Skywalker usou a Força para contactá-lo ainda no hiperespaço, pensou que seu poder no Escuro era suficiente para extinguir a luz de Luke. Ele percebeu tarde demais que Skywalker estava o usando como para libertar todas as mentes que Cronal controlava, o que fez cada uma delas ter mortes dolorosas. Luke, no entanto, não se deixou levar e sentiu cada uma delas morrer porque ele achou que as devesse isso. Após a batalha Luke renunciou de sua posição como general apenas 6 meses após ele a obter.

Aventuras posteriores

PrereleaseMindorCoverArt

Luke lutando pela Nova República.

Luke também foi em uma missão a Hanoon para liberar o povo e coletar os fragmentos de Vor'Na'Tu, um poderoso artefato da Força, após ele e Leia forem chamados pra fazer isso pelo espírito de um Mestre Jedi falecido, Echuu Shen-Jon. Embora o artefato tenha sido destruído, o povo de Hanoon ganhou sua liberdade do domínio Imperial.[78]

Skywalker continuou seu treinamento Jedi, e viajou pela galáxia em busca de documentos e artefatos que o ensinassem sobre os Cavaleiros Jedi antigos, embora muito do que ele tenha encontrado fora fabricado pelo Imperador. Ele também projetou um regime de exercícios de treinamento para sua irmã, embora ela raramente encontrasse tempo ou paz na mente para fazê-los.[79] Apesar das viagens, ele ainda era chamado para ajudar seus amigos e a Nova República de outras formas. Ele voou com sua X-wing e acompanhou Lando Calrissian à Plataforma Orbital Avatar para ajudar Han e Chewbacca a resgatar os escravos Wookiee na plataforma. Luke também acompanhou as tropas de chão da Aliança de Rand Talor em sua última viagem ao Palácio Imperial em Coruscant em sua investida para capturar o planeta.[78]

Enquanto a Nova República se instalava no recém-conquistado Coruscant, Skywalker começou a usar o planeta como base principal de onde buscar por traços de outros Jedi. Em um período de várias semanas, ele seguiu vários caminhos pela galáxia, até o Tenente Corran Horn, um piloto do Esquadrão Desordeiro, que fora capturado pela Diretora de Inteligência Imperial Ysanne Isard, descobrir uma Exibição Jedi no Museu Galáctico de Coruscant enquanto escapava da prisão de Isard, a Lusankya. Skywalker gastou a maior parte dos próximos dez dias estudando que mostras da exibição o Imperador não tinha destruído, mas parou para atender a uma cerimônia de premiação para os membros do Esquadrão Desordeiro após a conclusão do julgamento do assassinato de Tycho Celchu. Enquanto falava com Wedge Antilles na recepção da cerimônia, Skywalker conheceu o Senador Borsk Fey'lya pela primeira vez, como também Horn, o contrabandista Mirax Terrik, e o Vratix Qlaern Hirf. Agradecendo a Terrik e Hirf por seus papeis no desenvolvimento de uma cura para o mortal vírus Krytos, Skywalker deu a Horn um sabre de luz, informando-o que seu avô tinha sido um Cavaleiro Jedi pela Velha República. Ele então convidou Horn para treinar com ele para se tornar um Jedi, mas Horn recusou, citando promessas que ele tinha feito para outras prisioneiros da Lusankya e negócios inacabados com Isard. Skywalker então permaneceu quando Fey'lya informou a Horn, Antilles, e a multidão que se juntava de outros Desordeiros que eles não iriam mais atrás de Isard, e observou enquanto os Desordeiros resignavam da Nova República para poder fazer isso.[80] Pouco tempo depois, Skywalker encontrou Tyria Sarkin, uma piloto da Nova República com sensitividade à Força marginal. Luke lamentavelmente informou-a que sua disciplina na época era insuficiente para investir no treinamento Jedi.[81]

As Bruxas de Dathomir

Luke Teneniel-ERC

Luke enfrentando Teneniel Djo nas ruínas de Chu'unthor.

Em 8 DBY, Leia Organa estava sendo cortejada pelo príncipe Hapano, Isolder, por sua mão em casamento. Em resposta, Han Solo raptou Leia e fugiu pra um planeta desconhecido. A galáxia ficou escandalizada pelo aparente sequestro envolvendo duas das figuras mais famosas da Rebelião. Luke naturalmente começou a investigar e encontrou alguns investigadores Hapanos consternando o caudilho Drackmariano, Omogg. Ele os parou e, como recompensa, conseguiu o nome e localização do planeta que Han ganhou num jogo de sabacc de Omogg e onde ele havia levado Leia: Dathomir. Luke e R2-D2 viajaram com Isolder na Canção de Guerra até Dathomir, onde ele falseou sua morte e, usando a Força, controlou sua descida pela atmosfera.

Durante suas aventuras em Dathomir, Luke ensinou a Isolder os princípios da Força, apesar de Isolder ter pouca sensitividade à Força. No planeta, Luke descobriu as ruínas de Chu'unthor, uma antiga embarcação de treinamento Jedi e uma cultura inteira de bruxas sensitivas à Força. Luke foi visto como uma raridade entre as Dathomiri como não haviam muitas "bruxas" homens. Uma das bruxas jovens, Teneniel Djo, foi atraída a Luke primeiro, mas desenvolveria um interesse em Isolder mais tarde e eventualmente casaria com ele. Luke decidiu ajudar o clã de bruxas de Teneniel Djo, o Clã da Montanha Cantante, contra os usuários do lado negro em Dathomir, as Irmãs da Noite. Nesta batalha, ele foi quase morto pela líder delas, Gethzerion, mas curou a si mesmo com a Força em poucas horas. Ele foi então pilotar a Millennium Falcon, operando todos os seus sistemas sozinho, usando o poder da Força para para melhorar consideravelmente a efetividade da nave, e resgatou Han da morte certa nas mãos de Gethzerion. Usando a Falcon, Luke derrubou a lançadeira de Gethzerion, matando ela e todos à bordo, e desativou o manto noturno orbital colocado em órbita por Zsinj.[28]

Os arquivos antigos recuperados de Chu'unthor foram trazidos ao apartamento de Luke em Coruscant e foi lá que Leia o contactou durante a missão a Tatooine para recuperar o Crepúsculo Killik. Ele lia os documentos naquela hora. Após uma conversa sobre o Crepúsculo Killik, Leia e Luke falaram a respeito de suas descobertas sobre a infância de seu pai em Tatooine. Luke disse a sua irmã que tinha feito uma pesquisa pelo nome na HoloNet e descoberto que Anakin era um Podracer e ganhou sua liberdade vencendo o Clássico de Boonta Eve. Leia disse a Luke sobre sua experiência com a Força e seus medos ele se tornar como Darth Vader ao qual Luke a pediu para que o perdoasse, e disse que se ela se entregasse a seus medos ela se tornaria naquilo que ela temia.[82]

Após estes eventos, a busca Jedi de Skywalder se intensificou e o espírito de Obi-Wan Kenobi o visitou uma vez mais. Kenobi deu seu último adeus a Skywalker em 9 DBY. Seu espírito não o faria mais visitas, exceto por um encontro duas décadas depois. Skywalker, embora entristecido, percebeu que ele não era o último dos antigos Jedi, mas o primeiro dos novos.

Uma nova ameaça Imperial

"Eu não vou servi-lo, Skywalker. Eu quero que você prometa que vai me matar antes de deixá-lo fazer aquilo comigo."
"Vou te prometer isso. O que quer que aconteça lá, você não terá que enfrentá-lo sozinho. Estarei lá pra te ajudar."
―Mara Jade e Luke Skywalker[fonte]
LukeHTTE

Luke durante a Crise Thrawn.

A próxima crise que Skywalker enfrentaria era o retorno do Grande Almirante Mitth'raw'nuruodo, ou Thrawn. Durante seu retorno da obscuridade, Thrawn tentou capturar Luke em diversas ocasiões para entregá-lo ao Jedi Negro Joruus C'baoth, mas o Jedi foi capaz de evadir de suas forças, embora todas tenham sido por um triz. Acompanhando Han e Leia numa viagem a Bimmisaari, Luke foi emboscado por um grupo de comandos Noghri, que buscavam capturar ele e Leia para C'baoth. Talhando seus atacantes com um lançamento de seu sabre de luz, Luke rapidamente correu para ajudar Leia e com a ajuda de Chewbacca pôs os Solos à bordo da Millennium Falcon e foram em segurança a Coruscant.[83]

Enquanto Han e Leia visitavam o mundo recentemente invadido de Bpfassh numa missão diplomática, Luke decidiu viajar a Dagobah e visitar a antiga residência de Yoda, que ele viu estar quase totalmente decaída. Explorando a caverna do lado sombrio onde ele havia sido testado anos antes, Skywalker teve uma visão de uma mulher interrompendo seu resgate no Poço de Carkoon, e também encontrou uma peça antiga de eletrônico, e saiu logo depois. Então, ele escolheu ir a Nkllon, um mundo mineiro onde Lando Calrissian comandava uma operação, pretendendo perguntar a Lando sobre o dispositivo de aceno de chamada que encontrou. Transitando pela superfície do planeta, Skywalker viu que Han e Leia também decidiram ver Lando de novo, mas antes que pudessem pousar, o Destróier Estelar Imperial Julgador chegou no sistema. Em sua X-wing, Luke enfrentou alguns caças TIE que foram lançados, mas foi distraído por um distúrbio na Força causado por C'baoth o alcançando. Felizmente, o Julgador estava apenas atrás dos mineradores toupeira de Calrissian, e portanto fez pouco dano à Cidade Nômade de Lando e perseguiu pouco a Millennium Falcon ou Skywalker.[83]

Luke, junto com os Solos, pousou na Cidade Nômade, enquanto Lando oferecia a eles sua hospitalidade. Skywalker perguntou sobre o dispositivo que encontrou em Dagobah, o qual Calrissian identificou como um aceno de chamada, e Skywalker suspeitou que pertencia ao Jedi Negro que Yoda havia derrotado uma vez em combate. Ouvindo sobre o rumor de um Mestre Jedi em Jomark, Luke decidiu investigar o rumor, mas era de fato um armadilha para Thrawn capturá-lo e entregá-lo a C'baoth, que estava em Jomark.[83]

No espaço profundo, o caça de Luke foi arrancado do hiperespaço e ele acordou de um transe de hibernação se encontrando na frente de um Destróier Estelar Imperial e um cruzador Interditor. Enquanto Luke foi capaz de escapar do raio trator do Destróier Estelar, ele danificou seu hiperpropulsor e ficou à deriva no espaço. Felizmente, Luke foi resgatado pelo contrabandista chefe Talon Karrde, que o atordoou, mas o escondeu de Thrawn, embora tenha o mantido como um tipo de refém enquanto decidia o que fazer com ele. Durante estes eventos, Karrde apresentou Luke à sua associada Mara Jade, que era quem tinha encontrado Luke derivando no espaço. Ela rapidamente formou um relacionamento antagônico com Luke. Uma guerreira da Força ferozmente determinada, Mara já tinha sido uma agente mortal de Palpatine. Ela era uma Mão do Imperador, um grupo mortal de Jedi Negros que poderia ouvir o chamado do Imperador através da galáxia. Jade considerava Skywalker responsável pela destruição de sua carreira e propósito, e desejava matá-lo. Enquanto isso, a nave de Karrde transportava Luke de volta a Myrkr enquanto o chefe contrabandista decidia seu destino.[83]

Quando Thrawn inesperadamente chegou a Myrkr, Karrde colocou Luke num galpão. Entretanto, Luke escapou, libertou R2-D2 e surrupiou uma blastboat Skipray, mas foi logo perseguido por Mara Jade numa nave similar. Durante a perseguição, ambas naves caíram, encalhando Luke, Mara, e R2 fundo nas florestas de Myrkr, na qual a Força não poderia ser usada devido ao efeito abafador dos ysalamir. Apesar de ataques repetidos de vornskr, Mara manteve Luke cativo, e fez seu ódio flagrante por ele bem à vista, mesmo após ele salvar a vida dela. De fato, foi preciso considerável persuasão por parte de Luke pra impedi-la de atirar nele na hora. Enquanto estavam encalhados, Luke conseguiu que Mara explicasse seu passado, e ela lhe disse que tinha sido uma serva do Imperador e enviada ao palácio de Jabba para matá-lo. Usando a conexão em nível duplo de R2-D2 com a X-wing de Luke, eles conseguiram enviar uma mensagem segura para Karrde. Enquanto deixavam a floresta, Luke e Mara entraram na Cidade Hyllyard, que era patrulhada pelos stormtroopers de Thrawn. No entanto, Karrde enviou alguns de seus associados, acompanhados por Lando e Han, que chegavam pra discutir um acordo entre Karrde e a Nova República e descobriram sobre a captura de Luke e estavam presentes quando Thrawn chegou, pra emboscar os stormtroopers e ajudar Luke a escapar. Han posou como prisioneiro do pessoal de Karrde pra se aproximar de Luke, e com a ajuda das algemas de truque de Han e detonadores escondidos nas armas que os Imperiais tinham confiscado do pessoal de Karrde, Lando e eles saltaram em sua armadilha, mas só depois de Luke avisá-los para esperarem até se aproximarem de um arco de pedra. Enquanto o arco normalmente daria cobertura para os stormtroopers, Luke usou seu sabre de luz para cortar os pilares dando suporte a eles e derrubou a enorme estrutura nos stormtroopers. Luke então voltou à base de Karrde com Han e Lando e os três saíram na Millennium Falcon.[83]

LukeMaraDFR

Luke Skywalker e Mara Jade confrontam Joruus C'baoth em Jomark.

Chegando em Sluis Van, eles logo se encontraram em meio à Batalha de Sluis Van e passaram diversos momentos de tensão enquanto Han voava a Falcon e Luke e Lando derrubavam os caças TIE Imperiais. Pra piorar a situação, Thrawn tinha despachado equipes de embarque que começavam a tomar controle de muitas das naves presentes lá, e só quando Lando lembrou dos códigos que controlavam as mineradoras toupeira, que Thrawn confiscou e agora usava para abordar as naves da Nova República, que muitas naves foram salvas de captura. As equipes de embarque foram mortas quando Lando reativou os mineradores toupeira, mas a frota foi deixada danificada, mesmo quando as naves de guerra Imperiais recuaram.[83]

Uma chamada de Leia os informou da prisão do Almirante Ackbar por suposta traição, mas devido à natureza burocrática do governo Sluissi e a limpeza após a batalha, Skywalker foi incapaz de ter seu caça estelar consertado. Enquanto ele conversava com Calrissian, que estava encalhado do mesmo jeito, Lando percebeu o cheiro de carababba tabac e deduziu que Niles Ferrier, um ladrão de naves, estava nos estaleiros. Skywalker acompanhou Lando ao Corredor Seis dos estaleiros e encontrou Ferrier com um grupo misto de áliens e humanos. Após uma breve briga com o cúmplice de Ferrier, Defel, Lando foi capaz de usar a reputação de Luke pra convencer Ferrier que resistir continuamente era inútil, e em troca eles concordaram em deixar os ladrões de naves irem.[15]

Terminando a Crise Thrawn

Quando pôde finalmente voltar a Coruscant, Luke se aprofundou no passado de Jorus C'baoth, o Jedi que se dizia estar em Jomark. No entanto, ele foi chamado para um reunião com Leia e Han pra discutir os processos de Fey'lya contra o Almirante Ackbar. Como ideia de Solo, Luke concordou em encontrar Lando e Han em Nova Cov para investigar o planeta; como este era um dos poucos planetas que a facção Bothana de Fey'lya defendeu viciosamente durante a guerra, Solo acreditava que os Bothanos escondiam algo. Em um tapcafé esperando os amigos chegarem, Luke ajudou a resolver uma disputa de bar, obtendo a ajuda de Lando e um relutante Niles Ferrier, que acontecia de estar no lugar. Uma incursão Imperial forçou Luke e Lando a ligarem de volta para Han e voltarem pra suas naves. Uma breve troca de tiros entre forças Imperiais se seguiu, mas uma distração do circuito escravo da Dama da Sorte permitiu a Skywalker pegar sua X-wing e afastar os Imperiais. Enquanto subiam até a órbita, Skywalker acertou caças TIE de um Destróier Estelar Imperial para longe da Dama da Sorte, até a ajuda que um contato local chamado Irenez prometeu a Solo chegasse na forma de cruzadores classe Couraçado. Enquanto os três cruzadores encurralavam o Destróier Estelar, Han e Lando informaram a Luke que eles poderiam continuar a missão sem ele, e Skywalker decidiu seguir até Jomark.[15]

Encontrando C'baoth, Skywalker se surpreendeu com as mudanças de humor do velho, mas prontamente concordou em continuar aprendendo do Mestre Jedi. As decisões casuais que C'baoth dava para dar justiça aos habitantes locais só aumentavam a surpresa de Luke. Achando C'baoth desagradável, Luke suportou diversas lições dele, muitas das quais pareciam contradizer os ensinamentos de Yoda e Obi-Wan.[15]

Após ele continuar lá por algum tempo, Mara Jade chegou em Jomark, procurando pedir por sua ajuda. Graças a um dos subterfúgios de Thrawn, ela tinha entregado Talon Karrde ao Grande Almirante e queria a ajuda de Skywalker para resgatá-lo. Com a sutil influência da Força que C'baoth esteve exercendo nele removida por um ysalamir em posse de Jade, Skywalker concordou em sair, rejeitando os ensinamentos de C'baoth. C'baoth objetou e o atacou com a Força, mas R2-D2 usou o canhão laser da X-wing para atirar perto de C'baoth, nocauteando-o com o choque. Lembrando como ele tinha conseguido redimir Vader, Skywalker não deixaria Mara terminar com C'baoth, e ele e Jade partiram para o sistema Wistril, onde eles passaram por tripulantes Imperiais voando uma nave de suprimentos até a Chimaera.[15]

Dentro da embarcação Imperial, Luke e Mara se disfarçaram com pilotos TIE e Luke se infiltrou no bloco de detenção seguindo pelo poço de lixo enquanto Mara invadia o computador do Destróier Estelar. Ele conseguiu libertar Karrde sem ser descoberto e eles voltaram pelo mesmo caminho antes que Thrawn percebesse que eles estavam à bordo. Escapando do cordão de stormtroopers segundo pela profunda área de garagem, Karrde, Luke, e Mara encontraram a Millennium Falcon, recuperada Thrawn após ter sido abandonada em Endor, e usaram a embarcação pra fugir de Chimaera com apenas mínima resistência dos guardas, os quais Luke lidou rapidamente.[15]

Quando Karrde o informou da existência da frota Katana, Skywalker imediatamente voltou a Coruscant e informou a Nova República. Em Coruscant, ele também se reuniu com Leia, que tinha acabado de persuadir os comandos Noghri a se virarem contra o Império, como também Han e Lando, voltando de uma missão em busca do lendário Garm Bel Iblis. No entanto, Borsk Fey'lya diminuiu o esforço feito pela frota com manobras políticas, e Skywalker acompanhou o Esquadrão Desordeiro numa missão independente para alcançar a frota antes dos Imperiais; Han e Lando o informaram que Thrawn logo teria a localização.[15]

Luke-HeirCover

Skywalker e Thrawn durante a campanha Thrawn.

Skywalker e seus aliados encontraram a frota antes das expedições do Império ou de Fey'lya e entraram na Katana, mas pouco depois deles chegarem e investigarem a nave que uma fragata comandada por Fey'lya chegou e tentou prender Luke e Han; Leia, também à bordo da fragata, não tinha como impedir. Antes de qualquer ação séria puder ser tomada, no entanto, um Destróier Estelar Imperial desceu do hiperespaço. Logo, Skywalker se ocupou afastando invasores Imperiais, com Han usando um velho andador num corredor com bons resultados. No fim, Luke foi capaz de juntar o último dos invasores em um compartimento e Chewbacca o ejetou no espaço, matando os troopers. No espaço, as forças da Nova República, agora sob comando de Organa Solo, lutaram contra o Destróier Estelar, mas ainda foram sobrepujadas. Mesmo com a ajuda das forças de Karrde, eles foram pressionados, mas a súbita chegada do General Garm Bel Iblis e suas naves privadas foi suficiente para danificar a Julgadora e destruir a Peremptória, que tinha chegado para ajudar o primeiro Destróier Estelar, chocando ela com um Couraçado controlado remotamente por Solo da Katana. No entanto, no fim da batalha, a Nova República com dois fatos chocantes. Primeiro, a maior parte da frota Katana já tinha sido tomada pelo Império, e segundo, Luke percebeu que os troopers que ele tinha enfrentado eram clones. No rescaldo, Luke usou suas habilidades da Força pra localizar Mara Jade, que flutuava no espaço após ter sido forçada a se ejetar do seu caça.[15]

Com a Nova República ameaçada pelo suprimento de clones de Thrawn dos recentemente reativados cilindros Spaarti, Luke Skywalker participou em um número de missões para localizar a instalação que os produzia. Uma dessas missões era até Berchest, onde ele tinha sentido grupos de infantaria clonada, mas encontrou Talon Karrde, presumivelmente em Berchest por uma razão similar. Skywalker concordou em criar uma linha de créditos pra ajudar a fundar as atividades de Karrde e reembolsar o contrabandista por qualquer informação valiosa que ele e seu pessoal obtivesse. Thrawn encontrou uma forma de criar clones em menos de vinte dias com a recente captura da frota Katana e o mundo produtor de alimentos de Ukio tinha provisões e invólucros para equipar suas forças.[84]

Skywalker continuou a seguir as rotas que os duplicatas humanos viajaram e acabou em Poderis, só pra se encontrar na sombra da Inteligência Imperial. Escapando de um cordão de stormtroopers equipados com ysalamiri, ele conseguiu alcançar seu cargueiro disfarçado só pra ser interceptado pela Chimaera em órbita. Só ao escapar em uma X-wing dentro do cargueiro que ele e R2 conseguiram se livrar do Destróier Estelar, mas no resultado seu hiperpropulsor ficou danificado. Luke mancou até Honoghr num súbito impulso de visitar os Noghri. Os áliens o receberam como filho de Vader e prontamente concordaram em reparar sua nave, clamando que era como parte de sua dívida ajudá-lo. Após sua nave ser reparada, Luke voltou a Coruscant, onde Leia, Han, e ser recém-nascido filho tinham acabado de passar por uma tentativa de sequestro Imperial.[84]

Após Leia revelar a ele, Han, e Lando que Mara Jade sabia a localização do centro de clonagem de Thrawn em Wayland, Luke concordou em libertar Mara do confinamento da Nova República para que ela pudessem guiá-los a Wayland. Após neutralizar o droide guarda com um raio de contenção especialmente modificado, Luke trouxe a um tanto relutante Mara discretamente até a Millennium Falcon, onde Han, Chewbacca, R2-D2, C-3PO, e Lando os esperavam. Eles saíram escondidos de Coruscant e seguiram para o mundo Imperial de Wayland, pousando sem encontrar nenhuma patrulha Imperial.[84]

Quando garrals selvagens atraídos pelo som de suas motos speeder os forçou a caminhar por quase duas semanas pelas densas florestas de Wayland, Luke se encontrou gastando gastando uma boa quantidade de tempo com Mara. Luke ajudou Mara a aprimorar suas habilidades da Força durante a jornada, acreditando que ela precisaria delas baseado numa premonição da Força. Em troca, ela o perguntou como o Imperador morreu, e a revelação do conto de Luke fez ela perceber que a vontade de Palpatine tinha motivado seu desejo de matá-lo. De qualquer forma, os predadores e terreno difícil os forçou a trabalhar juntos, embora os obstáculos naturais diminuíam enquanto eles progrediam.[84]

Enquanto eles se aproximavam da fortaleza Imperial do Monte Tantiss, Luke e os outros descobriram que um grupo de Noghri estava os seguindo, desviando predadores e afastando áliens locais. Numa conferência improvisada entre as expedições, os Psadanos e Myneyrshi locais tinham conseguido uma passagem segura ao Monte Tantiss acompanhados pelos Noghri.[84]

Após a chegada na fortaleza, o grupo se encontrou com outros Mynereshi e Psadanos, que ofereceram lançar um ataque de distração aos Imperiais pelo portão da frente enquanto os sabotadores da Nova República entravam pelas laterais. Luke concordou e enviou dois Noghri para ajudar os locais desarmados em sua distração. Enquanto Luke, Han, Lando, Mara, Chewbacca, e os dois dróides adentravam a fortaleza, eles ficaram impressionados com o tamanho da instalação. Percebendo que suas munições não seriam suficientes para danificar criticamente os tanques de clonagem, Luke e Mara se voluntariaram para buscar pela auto-destruição na sala do trono do Imperador.[84]

Maralukesabercoruscant

Luke Skywalker dando o sabre de luz de seu pai a Mara Jade em Coruscant.

No entanto, graças aos numerosos ysalamiri espalhados pela fortaleza, eles não sabiam que Joruus C'baoth estava sendo aprisionado nas câmaras do Imperador. Após chegarem na sala do trono, C'baoth confrontou Luke e Mara. Ativando um detonador controlado por tropas Imperiais com a mente controlada, C'baoth destruiu todos os ysalamiri num único golpe, restaurando a Força nele. Rejeitando a oferta de Skywalker de ajudar a recuperar de sua doença mental, C'baoth lançou uma barreira de relâmpagos da Força em ambos Skywalker e Jade.[84]

Neste ponto, C'baoth revelou o oponente de Skywalker—Luuke Skywalker, um clone feito da mão cortada em Bespin por Darth Vader e armado com o velho sabre de luz de Luke. Com a pressão mental de estar tão perto de sua duplicata, Luke não conseguiu enfrentar o clone efetivamente, e C'baoth o prevenia de desarmar o clone ou destruiu sua arma. Até o reforço de Han, acompanhado pelos recém-chegados Leia Organa Solo, Talon Karrde, e seus dois vornskrs para distrair C'baoth o suficiente e deixar Luke derrotar seu oponente. Só quando Mara pegou o sabre de luz de Leia que C'baoth se distraiu o suficiente para não controlar o clone. Quando o clone preparou um golpe para acabar com Luke, ele se abaixa, fazendo o sabre de luz do Luuke acertar uma tela que explodiu na cara do clone. Mara tomou vantagem da distração e rapidamente matou o temporariamente cego clone, cumprindo o último comando do Imperador pra ela—matar Luke Skywalker.[84]

No entanto, C'baoth ficou irritado com a morte do clone e começou a lançar pedaços do teto em Luke, Mara, e seus companheiros usando a Força. Apesar da oferta de Luke de ficar pra trás enquanto os outros fugiam, C'baoth se proclamou maior que qualquer um deles. Luke tentou empurrar as rochas com a Força, mas ele já estava cansado e a fúria de C'baoth's lhe dava poder. Além disso, as rochas bloquearam completamente a saída, prendendo-os com C'baoth. No entanto, Luke conseguiu usar seu sabre de luz para libertar os dois vornskrs de Karrde de suas coleiras e eles pularam em C'baoth. Enquanto C'baoth lidava com os animais, Luke e Leia ajudaram a guiar Mara através da saraivada de pedras para chegar em C'baoth até ela cortar o Jedi perturbado. A explosão resultante de energia do lado negro após a morte de C'baoth's ecoou pela montanha, permitindo que eles escapassem na Wild Karrde pouco antes de um esquema de ressonância arrítmica que Lando e Chewbacca prepararam destruísse a fortaleza inteira.[84]

Escapando na Wild Karrde e Millennium Falcon, o grupo inteiro retornou a Coruscant. No Palácio Imperial, Luke encontrou uma desculpa pra passar tempo com Mara. Ele sugeriu que ela agisse como intermediária entre a Nova República e a nova Aliança dos Contrabandistas que Karrde formava, e também deu a ela o velho sabre de luz de seu pai, dizendo que foi uma parte importante de sua Cavalaria Jedi e que ele queria que ela tivesse. Eles eventualmente se separaram em termos menos que hostis.[84]

O Retorno do Imperador

"O destino de meu pai é o meu."
―Luke Skywalker[fonte]
Encalhado em Coruscant em 10 DBY, Skywalker começou a descobrir estranhas pistas nas recém-abertas câmaras secretas por todo o antigo Palácio Imperial, pistas para o poder do Imperador. Antes que ele pudesse descobrir a sua significância, uma furiosa tempestade da Força apareceu no céu. O vórtice giratório de energia que altera a dimensão consumiu Skywalker, e o lançou numa cela à bordo de uma Nave Masmorra Imperial rumo ao mundo de Byss no Núcleo Profundo. Lá, numa cidadela ornamentada, Skywalker enfrentou um inimigo que ele não esperava ver de novo: Imperador Palpatine.[11]

O espírito de Palpatine evitou a morte usando conhecimento Sith arcano e tecnologia de clonagem Spaarti. Palpatine criaria duplicatas clone de seu próprio corpo para servir como instrumentos de sua força vital maligna caso seu corpo morresse. Com esta técnica, Palpatine escapou da morte na Segunda Estrela da Morte e agora chamou por Skywalker para se ajoelhar diante dele e se tornar seu servo. Skywalker, percebendo que o Imperador era muito poderoso, ajoelhou-se diante dele e jurou aprender os caminhos dos Sith com ele.[11]

EmperorReborn-PTP2

Luke servindo ao renascido Palpatine como Comandante Supremo da Frota Imperial.

Luke, assim como outros poucos indivíduos, acreditava que poderia derrotar o lado negro por dentro. Entretanto, ele tinha subestimado o poder do lado negro, ignorando uma das lições mais importantes do Yoda. Skywalker trabalhou para o lado luminoso nas sombras assim como Quinlan Vos fizera durante as Guerras Clônicas. E assim como aquele Mestre Jedi, ele descobriu que não poderia romper de seu laço uma vez imerso fundo demais nele. Durante este aprendizado sombrio, Luke adquiriu dois Sentinelas Imperiais, clones mutados em servos do lado negro. Embora ele tenha conseguido discretamente sabotar muitos dos planos de Palpatine, incluindo um ataque do Devastador de Mundos em Mon Calamari, ele estava fundo demais na escuridão para pensar claramente.

Quando Leia chegou em Byss para resgatá-lo, ela conseguiu apenas se fazer capturada, junto com Han. No entanto, a presença do lado luminoso de Leia permitiu a Luke livrar-se parcialmente do lado sombrio, lhe dando a iniciativa de se rebelar contra Palpatine totalmente. Ele ajudou a fuga dela e Han e forneceu os códigos da interface que controlava os Devastadores de Mundo em Mon Calamari. Ele então se virou contra Palpatine.

Numa tentativa de assassinato fracassada, ele marchou para os laboratórios de clonagem e quebrou todos os tanques de clonagem logo após o corpo atual de Palpatine expirar. No entanto, antes que pudesse terminar o trabalho, Palpatine conseguiu transferir-se a um dos últimos clones vivos. Quando Luke tentou enfrentar Palpatine, citando que seu tempo como aprendiz do Lorde Sith o ensinou sobre as fraquezas do Imperador, Palpatine zombou dele e agarrou um sabre de luz que mantinha no laboratório. Os dois entraram num rápido duelo de sabres de luz, mas Luke caiu diante da brutal maestria de Palpatine.[11] Palpatine então viajou à Base Pináculo em sua capitânia, Eclipse, levando o arrasado Luke. No entanto, com a ajuda de sua irmã, Leia, Luke foi capaz de enfrentar a escuridão antes que ela o consumisse e se virou contra seu mestre. Skywalker finalmente derrotou Palpatine num único combate. Este confronto era predito por um Mestre Jedi mil anos antes.

Infelizmente, Palpatine invocou uma massiva Tempestade da Força e começou a sistematicamente destruir a frota da Nova República ao redor da Base Pináculo. Luke, junto a Leia, criou uma massiva onda de energia do lado luminoso que rompeu o controle de Palpatine da tempestade, virando-a contra ele. Enquanto eles fugiam, Eclipse era destruída, e a encarnação atual de Palpatine com ela.[11]

Mas a sombra do lado sombrio continuou a assombrar Skywalker. Tendo visto o grande número de seres sensitivos à Força sobre controle de Palpatine, Skywalker estava determinado em começar a reconstruir as fileiras Jedi. Enquanto Palpatine, agora em um novo corpo, e seus lacaios reagrupavam em Byss em torno da nova Arma da Galáxia, Skywalker correu a Ossus para investigar rumores de antigos holocrons Jedi. Enquanto explorava os mistérios do mundo rico em história, Skywalker foi atacado por um grupo da Elite do Lado Sombrio, militantes de Palpatine, que tentavam capturar o holocron pra seu renascido mestre.[85]

Palpatine em seu novo corpo clone tomou sua nova capitânia, a Eclipse II, até Onderon para reclamar o corpo do jovem Anakin Solo. Luke e seus companheiros Jedi abordaram a nave, mas Palpatine tinha ido. R2-D2 então enviou a nave numa rota de colisão com a Arma da Galáxia. Enquanto isso, Palpatine encontrou Leia e Han na superfície, mas Luke e seus companheiros chegaram lá para ajudá-los. Um duelo vicioso se seguiu que deixou Rayf Ysanna morto e Empatojayos Brand mortalmente ferido. No entanto, Han Solo atirou nas costas de Palpatine. Enquanto o espírito sombrio voava até Anakin, Brand o agarrou e tomou a ameaça de Palpatine com ele ao morrer.[86]

Os desafios de um Mestre Jedi (11–25 DBY)

Estabelecendo uma Nova Ordem Jedi

"Não o último dos antigos Jedi, Luke. O primeiro dos novos."
―Obi-Wan Kenobi[fonte]
LukeNewRep

Mestre Jedi Skywalker.

Em 11 ABY, Luke Skywalker, agora um Mestre Jedi, sentia que, devido aos crescentes perigos na galáxia, a Nova República precisava de uma Nova Ordem Jedi pra servir e protegê-la. Ele propôs ao governo que uma nova Academia Jedi precisava ser começada, com ele mesmo como o instrutor principal. Quando a Nova República concordou, Skywalker começou a procurar a sério por Jedi candidatos a treinar no Grande Templo Massassi em Yavin 4 onde ele estabeleceu o Praxeum Jedi. Um dos primeiros lugares em que Luke foi, Eol Sha, era um mundo vulcânico hostil habitado apenas por uma pequena colônia. Seu líder, Gantoris, inicialmente se convenceu que Luke era o "homem sombrio" de seus sonhos, que apenas o levaria à destruição com promessas de poder. Por conta disso, ele fez Luke passar por diversos testes, como coletar fungos em um respiradouro de vapor e andar sobre a lava enquanto enfrentava uma cobra gigante de lava. Passando nos testes, Luke convenceu Gantoris a se juntar à Ordem Jedi e providenciou que os colonos Eol Sha fossem transportados para Dantooine, que tinha um clima muito mais hospitaleiro. Após maiores buscas, Luke encontrou seu próximo aprendiz, Streen, em uma plataforma abandonada de prospecção de gás em Bespin. Streen concordou em se juntar aos Jedi sob a condição que Luke o ensinaria a aquietar as "vozes" e emoções em sua cabeça que ele "ouvia" daqueles ao seu redor.[16]

Outro estudante no nova academia era Kam Solusar, um antigo Jedi Negro que Luke trouxe de volta à luz durante o retorno do Imperador renascido. Outros dos alunos de Luke, Corran Horn, o procurou pra aprender a usar a Força pra resgatar sua esposa, sob sugestão de Luke, sob o aliás de Keiran Halcyon. Alguns dos alunos de Luke incluíam o clone Dorsk 81, a Dathomiri Kirana Ti, e a historiadora Tionne. Nos primeiros anos, os Cavaleiros Jedi de Luke também incluíam Brakiss, Madurrin, Kyle Katarn, Cilghal e Kyp Durron. Mara Jade também estudava com Luke de forma menos oficial. Em anos futuros, a Academia de Luke treinaria Jedi notáveis como Jaden Korr, Rosh Penin,[87] Tenel Ka,[88] Zekk,[89] e seus sobrinhos e sobrinha Jaina, Jacen, e Anakin Solo.[90] Os alunos de Luke eventualmente se tornaram Mestres, e uma nova geração de Cavaleiros Jedi surgiu. Uma Jedi que nunca frequentou a academia era Tyria Sarkin, quem, após alguns anos, desenvolveu as habilidades da Força e ganhou a Cavaleria Jedi de Luke.[91] Através de sua academia, Skywalker retornou a Ordem Jedi à galáxia, e começou a reverter o dano feito Palpatine e Vader nas décadas anteriores.[16]

Entretanto, circunstâncias galácticas impediram Luke de se dedicar completamente à Academia Jedi. Já cedo, Luke foi chamado pra longe da academia pra encontrar Han e Chewbacca, que tinham desaparecido após embarcar numa missão a Kessel. Luke junto a seu velho amigo Lando viajaram a Kessel disfarçados de empresários, e confrontaram Moruth Doole, administrador das minas de especiaria. Os dois recuperaram a Falcon das garras de Doole, pois o Rybet havia a roubada e enviado Han e Chewbacca para as minas de especiarias. Luke e Lando fugiram da grande frota ralé de Doole, e seguiram para o Aglomerado Goela, quando subitamente o Triturador de Sois, com Han, Chewbacca, Qwi Xux, e Kyp Durron à bordo, disparou do aglomerado, perseguido de perto pela frota de Daala de Destróieres Estelares Imperiais. A Millennium Falcon e o Triturador de Sois escaparam enquanto a frota Imperial enfrentava as forças de Doole numa briga improvisada.[16]

Em algum tempo durante o governo da Nova República, Luke ajudou X2, um clone trooper sensitivo à Força quem ele treinou como Jedi muitos anos antes, a encontrar seu irmão X1, agora um Lorde Sith. Durante a Batalha de Vjun, Luke deu a seu estudante instruções e conselhos. Enquanto guiava X2 pelo Castelo Bast, Skywalker foi perturbado por memórias ruins já que a fortaleza tinha pertencido anteriormente a Darth Vader. Luke depois rastreou X1 até sua base em Mustafar mas foi capturado pelo Sith, que queria criar um exército de Jedi Negros clones usando Skywalker como um molde. Na batalha a se seguir, X2 resgatou Luke e matou X1. Como gratidão, Skywalker fez X2 um Mestre Jedi.[22]

O ataque de Exar Kun

Pouco após estabelecer seu Praxeum, os estudantes de Luke foram ameaçados por uma antiga ameaça. Gantoris, frustrado com a lentidão em que Luke levava seu treinamento, foi tentado pelo espírito vagaroso de Exar Kun, tentando com o lado sombrio. Sob tutela do Lorde Sombrio, Gantoris construiu seu próprio sabre de luz de dupla-fase. Pouco depois, ele lutou com Luke e perdeu, mas seu comportamento e a súbita aparição de seu sabre de luz foram desconsiderados por Luke como nada com o que se preocupar. Entretanto, Exar Kun depois horrivelmente matou Gantoris ao queimá-lo por dentro e por fora com o poder do lado sombrio.[16] Luke consultou 'Kieran Halcyon' sobre a morte de Gantoris, mas antes que pudesse completar a investigação, Luke foi distraído por seus novos alunos, um dos quais era Mara Jade, que ainda mantinha uma tênue, na melhor hipótese, amizade com Luke. Entretanto, ela saiu não muito depois de chegar, sentindo que já sabia a maior parte do que Luke ensinava.[18]

Lukeskywalkerjedipraexum

Luke Skywalker como fundador da Nova Ordem Jedi.

Luke deu muita atenção a outra nova chegada, Kyp Durron, que fora resgatado das prisões de Kessel e Imperiais por Han Solo e Chewbacca.[16] Kyp era prodigiosamente talentoso com a Força e fez grande progresso, então ganhando a atenção de Exar Kun, que o tentou com ainda mais poder, alimentando suas raivas e frustrações. Kyp se entregou à sedução do lado sombrio, e exibiu tendências pro-Kun em mais de uma ocasião. Finalmente em uma manhã, Kyp, enchido com o lado sombrio e imbuído no poder de Exar Kun, explodiu. Ele atacou Luke, e com o antigo poder do poderoso Sith e seu próprio potencial combinados, Kyp conseguiu soltar o espírito de Luke do seu corpo, deixando Luke num estado de coma sem vida.[92] Kyp tomou a recém recuperada super-arma, o Triturador de Sois, para se vingar contra o Império. Entretanto, Exar Kun queria nada além da total destruição de Luke. Muitos esforços—de uma equipe médica inteira da Nova República ao inocente beijo de sua sobrinha—foram feitos pra reviver Luke, mas todos sem sucesso. Exar Kun, desesperado pelo sangue de Luke e sabendo que a destruição do corpo do Mestre Jedi o deixaria pra sempre pendurado entre a vida e a morte, possuiu temporariamente Streen, o fazendo criar um Redemoinho da Força para destruir Luke. Ele foi parado, mas o perigo persistiu. os sobrinho e sobrinha de Luke chegaram, e o espírito de Luke foi capaz de se comunicar com eles, embora não com os outros. Não muito depois, o espírito de Kun enviou monstros horríveis para atacar o corpo de Luke. Luke, guiando a mão do jovem Jacen Solo, fez Jacen usar o sabre de luz de Luke. Outros aprendizes observaram o jovem Solo duelar como um mestre espadachim. Por causa disso, o espectral Kun foi retirado do esconderijo, e caiu numa armadilha; destruído pelos esforços combinados dos aprendizes Jedi, o espírito de Luke, e o há muito tempo morto espírito do mestre de Kun, Vodo-Siosk Baas.[21]

Quando Kyp Durron, agora libertado pra sempre do espírito do Lorde Sombrio, foi trazido a Luke para julgamento pela destruição de Carida e suas outras atrocidades, Luke permitiu que Kyp vivesse, dizendo que seu julgamento seria uma vida de serviço. Isto se espalhou pela galáxia e foi uma das razões por trás da partida de Corran Horn da academia. Entretanto, como parte de sua pena, Kyp foi mandado pra enviar o Triturador de Sois para um dos buracos negros da Goela. Mas, quando Luke e Kyp, à bordo de uma pequena embarcação, chegaram à Instalação Goela, eles a encontrar sob ataque da Almirante Daala e a Estrela da Morte protótipo. Luke pousou a nave e foi ver o que podia fazer pra ajudar Wedge, o comandante da expedição pra proteger a Instalação, até que pudessem recuperar algum dado sensitivo dela. Kyp, entretanto, retornou ao Triturador de Sois e atacou a Estrela da Morte protótipo. Ele atraiu a estação pra perto do buraco negro, onde ambos o Triturador de Sois e a Estrela da Morte protótipo foram empurrados para dentro do horizonte de eventos. Felizmente, Kyp conseguiu escapar ao se comprimir num pod mensageiro e se lançar em segurança. Kyp então foi se tornar um talentoso Jedi.[21]

Mais tarde naquele ano, Luke e o piloto Gand do Esquadrão Desordeiro, Ooryl Qrygg, ajudaram Corran Horn em seu esforço de resgatar sua esposa de Leonia Tavira e os Jensaarai. Luke tinha sentido que seu antigo pupilo precisaria de ajuda em Courkrus e e viajou pra lá com o Findsman Qrygg a tempo de ajudar Horn contra cinco Jensaarai. Luke facilmente lidou com seus oponentes ao privando-os da Força com vários ysalamiri; derrotando todos sem matá-los. Luke então agiu como superior Jedi de Corran, enganando os Jensaarai para revelar informações para que Luke "devolvesse a Força para eles". Luke e Corran viajaram a Susevfi, a localização de Mirax revelada pelos Jensaarai, e usou os ysalamiri para mascarar sua presença dos Defensores do Anel protegendo o reduto. Uma vez em Susefvi, Luke, Corran, Ooryl, e Elegos A'Kla—um Caamasi—invadiram a prisão e libertaram Mirax. Eles então confrontaram Saarai-kaar, o líder dos Jensaarai e seus estudantes. Corran derrotou os Saarai-kaar num duelo enquanto Luke facilmente derrotou o resto de seus companheiros e também os guardas Imperiais e os Jensaarai que encontrou. Também, Corran e Mirax Terrik se reuniram de novo quando Horn a resgatou da câmara de estase e Skywalker foi capaz de reconciliar os Jensaarai com a Ordem Jedi.[18]

A Olho de Palpatine

"Leia—Han—Mara…Trespeó, Erredois…Esta é Callista."
―Luke Skywalker[fonte]
Em 12 DBY, Skywalker, junto a dois de seus alunos, Nichos Marr e Cray Mingla, foram convidados à Época do Encontro no mundo de Ithor. No entanto, embora Marr já tivesse sido um aluno de Skywalker, ele perecia lentamente devido a uma doença crônica, sua consciência só se preservava num dróide réplica de humano desenvolvido por Mingla. Também participando estavam sua irmã Leia e Han Solo. No entanto, na recepção, Leia foi interrompida por um homem enlouquecido gritando "Solo!" enquanto a compelia. Skywalker prontamente lançou o homem ao chão, e Han ajudou a segurá-lo. O homem era um velho contrabandista conhecido de Han, Drub McKumb, mas Solo estava confuso com o estado enlouquecido do homem. Em seus delírios, McKumb mencionou um lugar chamado Poço de Plett, o qual Marr lembrava de sua infância. Skywalker tentou sondar a consciência de Marr em busca de memórias para solucionar os mistérios das falas de McKumb, mas ao fazê-lo, ele encontrou um distúrbio na Força. Skywalker então pediu a Marr gerar um número aleatório, pensando que qualquer valor que a consciência de Marr gerasse teria significado. Como descoberto, o número era um conjunto de coordenadas na Nebulosa Flor da Lua, e Skywalker resolveu levar Mingla, Marr, e C-3PO para investigar na Huntbird, uma nave exploradora emprestado dos Ithorianos, com a chance de que algo incomum estivesse por lá.[31]
Corran-Luke

Luke Skywalker e seu aluno Corran Horn.

Chegando nas coordenadas, eles não encontraram nada além de um campo de asteroides. Enquanto eles exploravam os asteroides, eles foram disparados e foram forçados a esconder a nave subitamente danificada no planeta Pzob poucos parsecs dali, que era colonizado por Gamorreanos. Pouco antes deles saírem do alcance, a Huntbird recebeu um último tiro, rompendo uma linha de refrigeração, que vazou todo sobre Skywalker que o fez ficar exposto ao refrigerante antes de bater a cabeça e ficar inconsciente. Quando despertou, a nave se aproximava de Pzob e Skywalker e conseguiu pousar a nave próximo ao único sinal de energia detectado em órbita. Após pousarem, o grupo foi encontrado por Triv Pothman, um ex stormtrooper Imperial que tinha sido abandonado no mundo por algum tempo. Pothman ajudou a tratar as feridas de Skywalker, e após saberem que o homem tinha sido esquecido pelo Império por décadas, eles concordaram em transportá-lo para fora do mundo após repararem a Huntbird.[31]

Mas antes que pudessem, as duas tribos Gamorreanas rivais que habitavam aquela área de Pzob chegaram, fazendo os Humanos e dróides buscar abrigo dentro da Huntbird. Então, uma pousadora automatizada Imperial chegou, enviando droides e atordoando todos eles. Quando Skywalker acordou, ele primeiramente acreditou que era um stormtrooper e odiava os Jedi, mas rapidamente se livrou da doutrinação. Ele percebeu que estava numa nave e C-3PO, que junto a Marr estava na sala com ele, disse que eles estavam pulando de sistema em sistema enquanto um grupo de pousadores automatizados recuperavam e re-doutrinavam um número de seres sencientes, fazendo-os pensar que eram a tripulação da nave. O droide de protocolo também o informou que a nave em que eles estavam era a Olho de Palpatine, uma antiga lua de batalha Imperial procurando destruir o Poço de Plett. Ele rapidamente localizou Pothman e Mingla, mas ficou assustado ao ver outras espécies aliens, incluindo os Gamorreanos de Pzob, doutrinados a pensar que eles eram membros da tripulação e troopers da lua de batalha. Entretanto, antes que pudesse usar a Força para libertar Mingla de sua doutrinação, a tribo Gamorreana rival atacou e tanto Marr e Mingla foram capturados na briga, enquanto Skywalker sofreu uma lesão profunda na perna. Ele foi grosseiramente atendido por um Gamorreano chamado Bullyak, mas conseguiu se reencontrar com C-3PO.[31]

Entretanto, enquanto buscava por equipamento médico decente, ele descobriu que a nave foi lentamente pilhada e revirada por Jawas que tinham sido trazidos à bordo. Além disso, ele foi impedido em suas tentativas de descobrir mais sobre a nave ou sua missão—toda informação do tipo estava bloqueada por uma entidade computacional chamado "o Vontade". Ele conseguiu explorar alguma coisa, apesar de sua perna ferida, e localizou um caça Y-wing de dois lugares em uma das baías de lançamento e também descobriu que certas áreas da nave eram defendidas por uma grade enclausuradora letal que matava todos os intrusos. Depois, ele salvou um Jawa de ser morto por uma das tribos Gamorreanas, convencendo-os de que ele era um oficial de Inteligência Imperial chamado Calrissian. Depois, aquele mesmo Jawa deu a Skywalker outro sabre de luz que o Jawa tinha encontrado. Perguntando como que o Jawa tinha obtido a arma Jedi, Skywalker foi levado a um corredor que levava ao coração da nave, onde alguém tinha, anos antes, ascendido até a área e morrido devido à rede de enclausuramento enquanto tentava parar a nave. Ao examinar o sabre de luz, ele deduziu que a arma tinha sido de uma mulher.[31]

Infelizmente para Skywalker, pouco após, a nave inteira recebeu a informação transmitida dos captores de Mingla, detalhando seu julgamento e execução iminentes por sabotagem. Ele e C-3PO imediatamente começaram buscar a localização de Mingla, mas encontraram um grupo de Povo da Areia, que os perseguiram. Entretanto, uma trava de escotilha funcionou mal e abriu, permitindo que ele escapasse por ela e assegurasse sua fuga selando-a atrás dele e C-3PO. Enquanto o tempo corria pra Mingla, Skywalker conseguiu a ajuda de um grupo de Affytechans doutrinados e eles encontraram um par de transportes leves em um dos hangares, que ele planejou usar para escapar. Entretanto, mais uma vez, ele foi encontrado pelo Povo da Areia, e como antes, escapou graças a uma série de portas abrindo e fechando bem na hora para ele passar. Ao se esconder numa sala, enquanto olhava o reflexo de uma tela de monitor, ele viu a pálida imagem de uma jovem mulher na tela atrás dele, embora não houvesse ninguém mais lá.[31]

Skywalker perguntou à presença que sentiu o seu nome, e na tela do monitor apareceu a palavra "Callista". Comunicando-se através do computador da sala, ele foi capaz de descobrir que ela era o espírito de uma Jedi que esteve numa missão para destruir o Olho de Palpatine trinta anos antes. Embora ela tenha morrido pela rede de enclausuramento, o espírito sobreviveu, lutando contra o Vontade e ajudando nos seus encontros com o Povo da Areia. Skywalker tornou-se amigo dela e disse que o Império com o qual ela tinha lutado estava em desordem. Pra ajudar a distrair os Gamorreanos para que pudesse libertar Mingla, Callista sugeriu que usasse algo análogo a uma foo-twitter [tradução necessária], um dispositivo usado no planeta natal de Chad, pra emitir sons que atrairiam a atenção dos Gamorreanos. Skywalker implementou a ideia dela, tomando o conselho dela em como fazer a grade de enclausuramento errar com a Força enquanto o droide que ele reprogramou seguia caminho até a passagem guardada. Enquanto trabalhava, ele contou a Callista sobre sua infância em Tatooine e seus tempos na Rebelião, e ela em troca compartilhou sua antiga vida crescendo em Chad e sendo levada para a Ordem Jedi.[31]

Quando terminou, ele enviou sua distração até o eixo, fazendo a grade errar com a Força, mas o Vontade estava ciente de suas ações e enviou uma variedade de droides da nave atrás dele. Skywalker conseguiu afastá-los, mas ficou exausto e agravou suas feridas com o esforço e desmaiou. Enquanto desmaiado, Skywalker teve uma visão onde viu os momentos finais de Callista à bordo da Olho de Palpatine, e em seu sonho, sentiu e viu como se estivesse lá em pessoa, embora seus espíritos tenham visitado muitos lugares e tempos enquanto inconsciente. Quando acordou, C-3PO o informou que estava quase na hora da execução de Mingla e tratou um pouco das feridas de Skywalker.[31]

Luke Skywalker Eye of Palpatine

Luke Skywalker enfrenta Incursores Tusken na Olho de Palpatine.

Pouco depois, ele conseguiu distrair os Gamorreanos os fazendo acreditar que o Vontade realmente queria que eles atacassem a outra tribo. Na confusão, ele conseguiu libertar Mingla enquanto quebrava a doutrinação de Triv Pothman e removendo o parafuso de retenção que prevenia o Marr de libertar Mingla. Uma vez longe das câmaras de execução, Skywalker arranjou para que os aliens doutrinados fossem movidos para os transportes, até o Povo da Areia e Jawas. Skywalker planejou tentar parar o Vontade enquanto desabilitava o sistema de artilharia, para permitir que os outros escapassem—em particular, ele queria que Mingla voltasse com um corpo droide réplica humana para armazenar o espírito de Callista, já que tinha se apaixonado pelo espírito da Jedi. Callista, no entanto, insistia que a Olho de Palpatine tinha que ser destruída de uma vez por todas, e sob objeções de Skywalker, recusou qualquer oferta de corpo droide. Quando Skywalker não pôde fazer o que era preciso pra destruir a nave devido a seu apego a Callista, Mingla o atordoou. Então, Callista e Mingla decidiram trabalhar juntos para falhar a grade enquanto Marr subia o eixo para destruir os reatores da lua de batalha. Eles o fizeram, e Skywalker acordou numa lançadeira partindo da Olho de Palpatine, que tinha saído do hiperespaço sobre Belsavis. Após a Olho de Palpatine ser destruída, as duas lançadeiras foram encontradas por Mara Jade, como também Han e Leia, que estavam em Belsavis observando as pessoas que tinha reativado a Olho de Palpatine pela primeira vez. Eles atenderam as feridas de Skywalker e pegaram a única cápsula de escape da lua de batalha, a qual Skywalker presumia conter Mingla. No entanto, ao acoplar a cápsula, Skywalker percebeu que Mingla tinha dado seu corpo para Callista—com Marr morto, Mingla não tinha mais motivos pra viver, e então partiu e permitiu que Callista existisse mais uma vez no plano físico através de seu corpo. Entretanto, embora Callista tenha se reunido com Skywalker e foi capaz de escapar um número de relíquias Jedi que Han e Leia tinham encontrado no Poço de Plett—um antigo santuário Jedi—ela era incapaz de tocar a Força. Mas Skywalker disse que a amava, não só a Força, e ela voltou com ele pra Yavin enquanto seu relacionamento aprofundava.[31]

Não muito tempo após a destruição da Olho de Palpatine, Skywalker acompanhou Han Solo numa jornada a Tatooine para investigar as ruínas do palácio de Jabba. Disfarçados como Povo da Areia, eles fizeram caminho incógnitos até a estrutura e Skywalker usou a Força pra fazer o Povo da Areia não perceber a verdadeira identidade deles. Dentro do palácio, eles encontraram um ser chamado Maizor, um antigo rival de Jabba que teve seu cérebro removido cirurgicamente e colocado dentro do chassi de um droide sob ordens do Jabba. Pedindo informações a Maizor, Skywalker e Solo aprenderam que numerosos Hutts estiveram no palácio em busca dos antigos tesouros de Jabba com informações Imperiais e planejavam construir uma super-arma. Eles decidiram voltar pra avisar a Nova República da ameaça iminente, mas primeiro, eles fizeram uma outra viagem à antiga cabana de deserto do Kenobi, onde Skywalker procurou por qualquer pista que pudesse ajudar Callista a recuperar sua conexão com a Força. No entanto, não haviam informações lá, nem o espírito de Kenobi estava presente, então Skywalker resolveu encontrar ajuda pra Callista por conta própria.[93]

Viagens com Callista

"Eu te amo, Callista…"
"Também te amo. Obrigado por me trazer de volta até aqui."
―Skywalker e Masana[fonte]
Voltando a Yavin Quatro, Skywalker teve tempo de graduar três de seus alunos: Kyp Durron, Cilghal, e Dorsk 81, proclamando-os Cavaleiros Jedi, e enviando-os pra fazerem qualquer bem que sentissem que pudessem fazer. Não muito depois disso, ele foi visitado por Mara Jade, que o informou que a Aliança dos Contrabandistas acreditava que os Hutts planejavam fazer algo. Skywalker, junto com Callista, visitaram Coruscant pra passar a informação que ele obteve a Leia, e então informou sua irmã que estava partindo com Callista em busca de maneiras de reconseguir sua conexão com a Força.[93]
CallistaLuke

Luke Skywalker e Callista Ming.

Seu primeiro destino foi a Pedreira de Água Primordial da Corporação Mulako, uma instalação mineradora de água construída no núcleo gelado de um cometa. Recordando seu próprio planeta natal aquático, Callista amou o lugar e adorou o tempo que passaram juntos, but mas sentiu que lá tinha pouca conexão com a Força. Então, eles seguiram para Dagobah, onde Luke tinha treinado, onde Callista sentiu que algum lugar com uma maior conexão com a Força a ajudaria se concentrar. Após pousarem, eles exploraram as redondezas, mas apesar de suas tentativas, Callista ainda era incapaz de tocar a Força, o que a frustrou a ponto dela dizer que se não pudesse reganhar seus poderes, ela não iria querer ficar com Skywalker, o que o preocupou. À noite, eles foram atacados por predadores morcegos da noite e Callista liberou sua raiva e frustração neles. Naquele instante, Skywalker sentiu ela na Força e os dois perceberam que ela ainda podia tocar o lado sombrio. Buscando o conselho de Obi-Wan Kenobi, eles partiram para Hoth, onde o espírito de Obi-Wan tinha uma vez aparecido para Luke.[93]

Em Hoth, eles encontraram cinco caçadores encurralados nas ruínas da Base Echo por um bando massivo de wampas. Eles tentaram voltar para a nave de Skywalker, mas descobriram que ela tinha sido devastada pelos wampas. Voltando à Base Echo, Skywalker, Callista, e os caçadores se prepararam seriamente para um ataque iminente, o qual veio durante a noite. Eles ajudaram os caçadores a lutar, mas haviam wampas demais e todos os outros pereceram. Os dois Jedi quase não conseguem escapar de volta para a nave e após alguns recabeamentos apressados e reparos no desespero, subiram a nave ao espaço, enviando um chamado desesperado de ajuda. Com os sistemas de suporte de vida falhando, Callista usou o único traje espacial e Luke sobreviveu num transe de hibernação, perdendo sua vida lentamente, quando eles foram finalmente resgatados pela Millennium Falcon e levados a Yavin Quatro por Han e Leia.[93]

Entretanto, pouco antes deles chegaram, a ressurgente Almirante Daala, liderando uma renovada máquina de guerra Imperial, lançou um massivo ataque em terra e ar à Academia Jedi, no qual os aprendizes Jedi mal conseguiram se defender, embora eles tivessem sido capazes de repelir a primeira onde de Destróieres. A Falcon conseguiu passar pela capitânia de Daala, a Martelo do Cavaleiro, e pousou para deixar Luke e Callista, que imediatamente foram ajudar os aprendizes Jedi na batalha.[93]

Usando táticas de guerrilha, os Jedi se dividiram pra enfrentar forças de terra Imperiais que se aproximavam. Enquanto Luke e seus alunos usavam a Força para dissipar os Imperiais na superfície, Callista atacava a Martelo do Cavaleiro por dentro ao detonar um grande número bombardeiros TIE totalmente armados e carregados, condenando a nave. Foi durante esta batalha, e o anterior ataque em Hoth, que Callista percebeu que tinha que deixar Luke. Se sentindo pressionada por Luke para fazer progresso que não podia atingir, ela decidiu desaparecer após destruir a Martelo do Cavaleiro. Por algum tempo, se acreditou que Callista tinha morrido durante o ataque, embora ela tenha deixado uma mensagem para Luke informando-o de sua decisão. Mas isso apenas convenceu Luke de um dia buscar reencontrá-la.[93]

Nam Chorios e a Semente da Morte

O tempo passou, e Skywalker continuou a supervisionar suas responsabilidades na Academia Jedi. Quando um de seus alunos, um ex-membro das Forças Especiais chamado Dal Konur, ficando impaciente com o que ele percebia como inatividade dos Jedi perante o Império,[94] propôs um plano para Luke Skywalker se infiltrar no espaço Imperial e assassinar membros do Conselho Moff, o qual Skywalker recusou-se a aprovar.[95] Em resposta, Konur se infiltrou à bordo de um cargueiro de suprimentos e voou para o desconhecido para travar sua própria guerra contra o Império. Temendo que Konur pudesse passar para o lado negro, Skywalker enviou quatro indivíduos talentosos para recuperar Konur, e ileso.[94]

LukeSkywalkerPlanetofTwilight

Luke Skywalker em Nam Chorios.

Na véspera de uma conferência entre Leia Organa Solo e Seti Ashgad, um dos líderes do setor Meridian, Leia recebeu uma nota de Callista avisando-a para evitar o encontro e especialmente Ashgad. Em resposta, Luke acompanhou Leia ao setor Meridian, tendo sabido que Callista estava possivelmente no mundo de Nam Chorios, e pegou um caça B-wing da nave de Leia, a Borealis, para partir a Nam Chorios em busca de seu amor perdido. Como Nam Chorios era um mundo interditado onde estações de armas automatizadas iriam derrubar qualquer nave maior que um caça, Skywalker sabia que a aproximação seria perigosa já que estava perto do limite máximo de tamanho para que uma nave passasse pelas estações de armas, mas o bem-armado caça foi escolhido devido a covis piratas próximos. Antes de sair da nave de Leia, Skywalker prometeu a sua irmão que passaria qualquer informação do motivo do aviso de Callista logo que o encontrasse.[96]

Chegado na atmosfera, Luke teve a sensação de centenas de vozes clamando pela Força num grito em massa, mas se distraiu antes que pudesse sentir a percepção. As estações de armas de Nam Chorios abriram fogo contra ele e seu veículo foi derrubado apesar de todos os seus esforços de evitar as levas de canhão laser. Ele se espatifou no chão e um grupo de fanáticos Theran, um culto religioso local que era geralmente anti-tecnologia e decididamente isolacionista, atacou os destroços da nave, mas Luke conseguiu escapar deles ao levantar uma nuvem de poeira com a Força e se escapar da confusão resultante. Ele seguiu caminho para um assentamento próximo, onde um fazendeiro chamado Arvid Scraf o recebeu com hospitalidade e ofereceu ajudá-lo a resgatar a B-wing, embora Skywalker tenha se identificado como "Owen Lars".[96]

Skywalker logo descobriu a divisão na população de Nam Chorios: os habitantes mais jovens, os Novatos, que habitavam em grande parte nas cidades e centros, procuravam abrir o mundo para um maior comércio interplanetário. Entretanto, outro segmento da população, conhecidos como Antigos, insistia que o status quo fosse mantido, por razões desconhecidas. Nam Chorios acabou sendo bem diferente do que ele esperava. O planeta era infestado por pequenos insetos picadores conhecidos como drochs e Skywalker logo descobriu que usar a Força causava trovoadas no chão. Então, ele seguiu caminho para a maior cidade, Hweg Shul e, através de uma conhecidada de Scraf, soube que Callista tinha passado em Nam Chorios oito meses antes. Enquanto em Hweg Shul, no entanto, ele sentiu a presença de outro Jedi e foi investigar. Em um beco dessecado, Skywalker encontrou a residência da antiga Taselda, uma humana que tinha sido uma Cavaleira Jedi. Taselda lhe disse que esteve ensinando Callista nos caminhos da Força, mas foi desafiada por um Hutt sensitivo à Força chamado Beldorion que exercia influência considerável em Hweg Shul e conduziu Taselda a ume esconderijo. Skywalker de início ofereceu-se para recuperar o sabre de luz de Taselda de Beldorion, quem ela disse que o tomou, mas depois descobriu que ela estava o usando, ao ponto de colocar uma droga melhoradora de humor em sua bebida.

Voltando para confrontá-la, ele foi emboscado por um grupo de jovens de rua que estavam sob influência de Taselda. Resolvendo não usar a Força para evitar de incitar uma outra trovoada no chão, Luke foi resgatado por uma dupla de policiais locais, Snaplaunce e Grupp, que dispersaram os jovens e responderam a suas perguntas sobre Callista dizendo que ela tinha entrado nas selvas há algum tempo.[96]

Skywalker então encontrou um trabalho local como mecânico, onde ele descobriu um negócio lucrativo de cristais locais para a Corporação Loronar, que estavam de alguma forma conectados à Força. Ainda focado em encontrar Callista, ele atendeu a um encontro na propriedade de Seti Ashgad na esperança de encontrar alguém que tivesse visto Callista, sem saber que Ashgad tinha raptado Leia e liberado a praga da Semente da Morte. No encontro, Ashgad usou suas habilidades políticas e oratórias para incitar os Novatos reunidos lá contra a Nova República, usando um holograma falsificado da Chefe de Estado da Nova República em sua vantagem. Se perguntando o que Ashgad planejava, Skywalker acompanhou um grupo de Novatos bem-armados enviados para recuperar uma carga de armas e suprimentos de uma cápsula lançada em órbita. Após examinar alguns conteúdos da caixa, Luke ficou alarmado em ver que algumas das armas pertenciam à Nova República e Leia pessoalmente. Ele então resolveu se infiltrar na residência de Ashgad de novo, procurando por mais informações sobre o paradeiro de Leia.[96]

Após entrar, ele foi atacado por uma horda de drochs, alguns deles havia crescido e mutado para um tamanho considerável. Quando seu sabre de luz foi de pouco uso contra a multidão de insetos, Luke relutantemente usou telecinesia para dispersar e esmagar seus atacantes, consciente que suas ações tinham repercussões em outro lugar devido à biosfera única de Nam Chorios. Avançando, ele encontrou a secretária de Ashgad, uma criatura chamada Dzym ameaçando e atacando outro associado de Ashgad, Liegeus Vorn, um holo falsificador. Após ouvir Vorn mencionar o nome de Leia em sua angústia, Luke avançou para enfrentar Dyzm, arremessando à parede com a Força, mas Dzym fugiu. Luke pegou Vorn e seguiu caminho para uma garagem de speeders, onde ele pegou um dos speeders e escapou da residência de Ashgad. Vorn informou que os drochs que estavam o picando eram controlados por Dyzm e podiam transmitir a energia vital de Luke de volta pra ele. Para combater os efeitos tele-vampíricos dos insetos enterrados em sua carne, Luke produziu um pulso elétrico que, embora desconfortável, iria purgar os drochs dele e de Vorn. Enquanto isso, Vorn não apenas confirmou que Leia estava cativa de Ashgad, mas também que Dyzm, um droch vastamente mutado e senciente era o portador da praga da Semente da Morte. Ademais, Vorn disse a ele que Callista tinha sido escravizada por Taselda e depois dada a Dzym, mas ela, também, tinha escapado e fugido para as selvas. Luke sentiu com mais força do que nunca que precisava encontrar Callista, recusando aceitar a possibilidade que pudesse perdê-la.[96]

Luke viajou à estação de armas Ponto Ermo de novo, que tinha caído sob ataque de Beldorion e alguns dos associados Novatos de Ashgad na esperança de limpar um corredor de lançamento para Ashgad partir em seu recém-fabricado cargueiro, junto a Dyzm. Skywalker estava bem consciente do que aconteceria se Ashgad escapasse de Nam Chorios com Dzym—a luz solar do mundo e os cristais tsil guardiões inibiam o crescimento e propagação da praga, mas outros planetas seriam altamente vulneráveis à Semente da Morte. Skywalker voou seu speeder em meio aos Novatos, dizendo-os que Ashgad tinha enganado todos eles. Ele tinha dificuldades em racionalizar com o grupo de novatos quando Leia emergiu dos Therans defendendo a estação arma e disse a verdade sobre as mentiras de Ashgad, completa com evidências que ela levou de sua residência quando ela escapou, e a maior parte deles imediatamente mudou de lado, terminando o ataque à estação. No entanto, um dos Novatos lançou um cinturão de granadas dentro da estação de armas e desabilitou o canhão, abrindo caminho para a fuga de Ashgad. Luke imediatamente levou Leia com ele em seu speeder apropriado até a residência de Ashgad na esperança de impedir que ele decolasse. Ele nem tinha percebido que Callista também estava presente na estação Ponto Ermo.[96]

Embora irmão e irmã tenham acelerado até a mansão, estavam muito tarde: a nave de Ashgad, a Confiante já tinha decolado. Skywalker imediatamente efetuou alguns reparos apressados em um Caçacabeças Z-95 danificado na baía de hangar na esperança de perseguir a Confiante, enquanto Leia enfrentava Beldorion num duelo de sabres de luz. Leia trucidou o Hutt e Luke reconheceu sua vitória como parte da aceitação de sua herança Jedi. Ele então partiu e perseguiu a Confiante. Entretanto, sua nave foi danificada por um grupo de Agulhas CCIR, pequenos caças drone controlados no centro pelos mesmos cristais tsil que eram abundantes em Nam Chorios. Enquanto sua nave caía, Luke subitamente percebeu que os tsils não estavam apenas vivos, mas também sensitivos à Força e eram os responsáveis pelas percepções à Força incomuns que ele tinha em Nam Chorios. Comunicando com eles através da Força, Skywalker os persuadiu a destruir a Confiante em troca do retorno de todos os tsils que tinham sido levados mundo afora pela Corporação Loronar. Eles também concordaram em ajudar a parar a Praga da Semente da Morte que já tinha escapado de Nam Chorios e assolava o setor. Com a derrota da frota Imperial renegada aliada de Ashgad no espaço devido a uma união da Nova República e a força Imperial independente liderada pela ressurgente Almirante Daala, a perda das agulhas CCIR, e a morte de Dyzm, o complô para ferir a Nova República com a praga da Semente da Morte tinha acabado. Luke, Han, e Leia se reuniram na superfície de Nam Chorios, e Luke teve um último vislumbre de Callista, que estava coordenando o esforço Therano da superfície, embora à distância. Aquele único olhar foi suficiente pra dizar a Luke que seus caminhos tinham se separado, e ele terminou sua missão de reconquistar Callista.[96]

O movimento Império Renascido

Leia: "Meus filhos vão ter histórias normais de família pra contar a seus filhos, historinhas engraçadas sobre os nadas do dia-a-dia, histórias onde ninguém morre jovem demais ou tem que carregar o fardo da vergonha. Eu vou em busca disso, seja com a sua ajuda ou não—"
Han Solo: "Leia—"
Leia: "Nada importa mais pra mim, você entende? [ao Luke] Nada. Então faça o que você acha que tem que fazer, irmão–vá onde quer que você tenha que ir com quem quer que você queira, buscando qualquer sombra de dica de uma promessa de uma pista que quiser. Eu não me importo com nada disso. Não peça minha ajuda de novo. E não traga o passado para esta casa. É tudo só dor e morte. Contente-se com isso se quiser. Eu já tive o suficiente por dez vidas."
―Leia Organa Solo, para Luke Skywalker[fonte]
Luke Crystal Star

Luke sob a influência de Waru.

De volta ao Praxeum, Luke estava perturbado com o assassinato de Havet Storm nas mãos de um de seus pupilos mais rebeldes, Desann. Desann, como Brakiss antes dele, deixou Praxeum em desgosto, e caiu para o lado sombrio. Pouco depois, o ex-aluno Kyle Katarn retornou ao Praxeum, e informou Luke que ele tinha encontrado Desann. Katarn estava perturbado com a aparente morte de sua parceira, Jan Ors, e nesta condição, voltou ao Vale dos Jedi em Ruusan para reobter seus poderes. Apenas ele, Jan e Luke conheciam a localização do Vale, mas Luke suspeitou que Desann poderia ter seguido Katarn até o Vale. Percebendo o que o poder do Vale poderia fazer nas mãos erradas, ele buscou a ajuda do Esquadrão Desordeiro, e viajou para Ruusan, despistando Desann e suas forças. Mas era tarde demais—Desann tinha se juntado ao novo movimento Império Renascido, uma facção dissidente liderada pelo Jedi Negro Hethrir, encarregado de treinar um quadro da Juventude Imperial. Usando o Vale dos Jedi para torná-los sensitivos à Força, ele tinha criado um pequeno exército de usuários da Força. Luke buscou investigar mais esta nova ameaça, finalmente se infiltrando na Instalação Cairn. Por causa disso, Luke se juntou com Katarn para varrer uma pequena porção dos Renascidos. Enquanto Kyle se infiltrava na nave capitânia dos Renascidos, a Condenadora, Luke era emboscado por Desann, e o enfrentou num feroz porém breve duelo de sabres de luz. Diante da perspectiva de perder o duelo, Desann fugiu. Luke então voltou a Yavin 4, o qual era, incidentalmente, o alvo da Condenadora. Os guerreiros Renascidos atacaram o Praxeum em massa, mas foram derrotados pelos alunos de Luke, com Katarn matando Desann nas profundezas do Templo.[17]

Um império perdido

Em 13 DBY, Luke Skywalker ainda estava ensinando seus alunos Jedi em Yavin IV quando foi avisado por Vima-Da-Boda sobre um homem chamado Devian.[97] Líder do Império Restaurado, Devian planejava atacar a Nova República e assassinar seu governo. Skywalker chegou em Coruscant bem a tempo de prevenir um ataque no Palácio Imperial. Os Jedi descobriram um pedaço de zinétio numa lançadeira acidentalmente trazido ao planeta pelo ex Guarda Real do Imperador Kir Kanos. Luke entrou na nave, voou até a órbita, e conseguiu evacuar numa cápsula de fuga enquanto o zinétio explodia.[98]

Os Discípulos de Ragnos

Apesar dos melhores esforços da Nova República e dos Jedi, o Imperador Renascido não estava morto, embora enfraquecido. Mais tarde no mesmo ano, os Discípulos de Ragnos, um grupo de culto dissidente dos remanescentes do Império Renascido, surgiu e atacou a lançadeira do Praxeum Yavin Runner II enquanto ela carregava nos alunos a Yavin 4. Se descobriu que este era um ataque de distração para permitir que um de seus agentes invadisse o datapad de Luke's e obtivesse as localizações de numerosos nexos da Força na galáxia. Quando os planos do culto de drenar a energia da Força destes lugares tornou-se evidente, Luke enviou muitos Jedi a estes lugares para se oporem ao culto e ele pessoalmente viajou para Dagobah para proteger aquela localização. Quando o plano do culto de ressuscitar o espírito de um antigo Lorde Sith Marka Ragnos usando um cetro antigo foi descoberto, Luke organizou uma equipe de ataque Jedi para viajar até Korriban e derrotar o culto de uma vez por todas. Ao menos 48 Jedi se juntaram a Luke, incluindo o Cavaleiro Jedi Jaden Korr e seu antigo mestre, Kyle Katarn. Os Jedi pousaram em Korriban com sucesso e na batalha que se seguiu a maior parte dos Discípulos de Ragnos foi morta, junto com seu líder Tavion Axmis, que foi morta por Jaden Korr. Além do mais, o Cetro de Ragnos foi destruído e a entrada da tumba de Ragnos foi selada, assim encerrando a ameaça para sempre.[87]

Waru e o Império Renascido

Lightsaber Deflection

Luke Skywalker como um Jedi consumado.

Em 14 DBY Luke e Han viajaram à Estação Crseih, localizada nos confins mais longínquos da galáxia, após receberem um misterioso chamado de busca por um Jedi. Chewbacca e os três filhos de Solo estavam com Leia numa turnê diplomática pela galáxia. Após vários dias de viagem, Han e Luke chegaram no instável sistema Crseih para encontrar seu contato e investigar o que estava acontecendo. Após alguns problemas com os nativos, eles encontraram um lugar onde puderam ficar. Depois, os dois encontraram seu contato, uma mulher chamada Xaverri—uma ex-amante do Han.[99]

Ela os levou a um prédio cercado por pessoas. Dentro, ela os levou a um altar, no qual sentava Waru, um ser gosmento coberto de escamas e pingando ícore. Waru, cujas origens eram um mistério, tinha incríveis poderes curativos, ela afirmou. Quando um grupo de Zeffliffl se aproximou com um companheiro doente, Waru o envolveu com seu corpo, abrindo suas escamas, e formando uma crisálida sobre o alien. Quando Waru soltou o ser, ele estava completamente curado. Embora Han acreditasse ser uma fraude, Luke estava maravilhado, acreditando completamente. Ele sentia algo sobre Waru. Não exatamente sensitividade à Força no alien, mas algo mais. Ele sabia que Waru não era o Jedi, mas ele tinha uma habilidade misteriosa, uma sensação estranha sobre ele.[99]

Após o grupo deixar o prédio, o trio retornou ao seu quarto do hotel. Quando Skywalker encontrou Han e Xaverri juntos, ele com raiva acusou Han de se esquecer de Leia. Han perguntou porque Luke estava tão bravo, e em resposta, o Jedi abandonou a sala. Han depois encontrou Luke em frente a Waru, confiando ao ser misterioso que ele se sentia perdido. Waru o confortou, embora ele estivesse tentando o convencer a deixá-lo "curar" o Jedi. Han veio correndo até Luke, e foi capaz de puxar seu amigo pra longe antes que ele subisse "pra dentro" de Waru. Luke sacou seu sabre de luz, atordoando Han, embora ele de repente parasse. Se desculpando, Luke disse a seu amigo que ele não podia mais sentir a Força.[99]

Luke e Han depois encontraram um ser estranho carregando uma criança para fora do templo de Waru. Han imediatamente reconheceu a criança como seu filho, Anakin. Sem que o grupo soubesse, o homem era Hethrir, líder do Império Renascido, que tinha um plano para derrubar a Nova República. Pouco depois do homem sair, eles encontraram Leia, que estava com Jacen, Jaina, Chewie e Rillao, a ex-amante de Hethrir. Ela os informou que Hethrir tinha raptado as crianças Solo, embora eles tenha conseguido resgatar Jacen e Jaina. Hethrir estava encontrando um grupo de indivíduos ricos que apoiavam o Império Renascido.[99]

Dentro do prédio de Waru eles descobriram o plano de Hethrir. Waru tinha prometido a ele grande poder se Hethrir sacrificasse um poderoso sensitivo à Força. Era pra isso que Hethrir precisava de Anakin. Entrando em ação, o grupo foi capaz de libertar Anakin, e junto com as crianças ex-escravas de Hethrir, lutaram contra ele e sua Juventude Imperial. Contudo, antes que pudessem escapar, Waru conseguiu enganar Luke Skywalker para que "entrasse" nele, prometendo que poderia restaurar seu poder. Luke permitiu que Waru o levasse para dentro de suas escamas. Aterrorizados, Leia e Han saltaram atrás dele, sabendo que Waru o mataria a menos que eles pudessem impedir Luke. Dentro de Waru eles se encontraram embaixo d'água, perto de um grande círculo negro. Leia e Han sabiam que quem entrasse ali morreria. Chamando por Luke, eles conseguiram tirá-lo de seu transe. Os três nadaram pra fora da escuridão, e pularam fora de Waru. Na raiva, Waru se lançou e agarrou Hethrir, arrastando o Jedi Negro para dentro dele.[99]

Waru finalmente conseguiu capturar um poderoso usuário da Força, e drenou a energia de Hethrir. Luke percebeu que Waru era de um outro universo, um lugar de onde outra forma da Força existia no lugar da Força. Esta anti-Força que tinha bloqueado a Força, tirando de Luke (e todos os outros sensitivos à Força) sua habilidade de sentir o campo de energia mística. Waru, agora energizado, desapareceu, voltando para seu universo alternativo. Esta mudança massiva de energia fez a estrela cristalizante próxima, já instável, explodir. O grupo foi capaz de escapar na Millennium Falcon bem a tempo, com R2-D2 ativando os motores da Crseih pra afastar a estação. Derrotando, assim, a ameaça de Waru e do Império Renascido.[99]

Encontrando seu papel na Força

"O quanto mais forte você fica na Força, mais você pode fazer, mais é esperado de você, e menos a sua vida pertence a você."
―Luke Skywalker[fonte]
Em 16 DBY, Luke começou a questionar seu papel, já que ele não podia mais sentir a Força tão forte quanto antes. Luke chegou a perceber que quanto mais um Jedi se sintonizasse na Força, mais ele seria tentado pelo lado sombrio, e se faria necessário que ele encontrasse um "equilíbrio" entre poder e meditação. Contudo, ele se sentia cada vez mais empurrado e esgotado pelas demandas do dever, e ansiava se afastar disso.[100]
BlackFleetCrisis

Skywalker durante a Crise da Frota Negra.

Desesperado por encontrar a resposta, Luke deixou Yavin IV, deixando Streen encarregado da Academia Jedi. Não dizendo a ninguém para onde ia, ele foi a Coruscant, viajando escondido em uma E-wing. Uma vez em Coruscant, ele encontrou o local do antigo castelo de seu pai, e usando a Força, o reconstruiu. Luke passou diversas semanas sozinho no palácio, meditando. Leia sentiu sua presença em Coruscant quando ele chegou e, buscando ajuda para seus filhos sensitivos à Força, no começo queria falar com ele, mas ela percebeu que ele se escondia e no fim deixou as coisas como estavam.[100]

Em seu eremitério em Coruscant, não demorou muito para Luke contactar Han, o convidando para seu retiro escondido, que flutuava em um dos mares artificiais de Coruscant. Embora seu velho amigo tivesse muitas perguntas, Luke disse que ele estava bem, mas que precisava de tempo para si mesmo e que Leia podia lidar com seus filhos por conta própria. Embora ele não entendesse todos os pontos filosóficos de Luke, Han concordou em transmitir a mensagem para Leia, deixando Luke comtemplando seu papel na Força.[100]

Um dia, enquanto estava no meio de suas meditações, ele ficou surpreso ao descobrir que alguém tinha entrado em seu santuário sem que ele percebesse. Acordando de seus pensamentos, Luke encontrou uma fêmea humana, Akanah Norand Goss Pell, que identificou a si como uma Adepta Fallanassi que tinha vindo buscá-lo. Além disso, ela alegou que a mãe de Luke era uma Fallanassi chamada Nashira. Embora ele estivesse chocada com essa revelação, Akanah lhe disse que era importante que ele a acompanhasse para encontrar o refúgio Fallanassi escondido e descobrir o que tinha acontecido com sua mãe; só então ele seria completo. Ela também ofereceu instruí-lo nos caminhos da Corrente Branca, sua fonte de poder, já que Luke foi incapaz de reconhecê-la como sensitiva à Força. Luke, desconhecedor de sua verdadeira linhagem, considerou a oferta de Akanah, mas primeiro foi a Leia sondar sua mente por memórias de sua mãe.[100]

Contudo, Leia, frustrada pelas infrutíferas negociações de meses com o Vice-rei Nil Spaar do Aglomerado Koornacht e aborrecida pela falta de vontade de Luke de treinar seus filhos, recusou a seguir adiante com o plano, em particular que a mente dela já tinha sido sondada antes em busca de informações de seus pais. Explodindo num acesso de raiva com o que ela via como obsessão com o passado, Leia fervorosamente mandou Luke cuidar da própria vida, e Skywalker voltou a seu esconderijo, concordando em ir com Akanah em busca dos Fallanassi e sua mãe.[100]

Como seu caça estelar era pequeno demais para levar a ambos, eles foram forçados a viajar na Aventureira Verpine de Akanah, uma nave decrépita a qual Skywalker logo batizou Preguiça da Lama, e a baixa velocidade da nave significava que a viagem levaria mais tempo que o esperado. Seu primeiro destino foi um mundo chamado Lucazec, um mundo relativamente estagnado que Akanah informou que tinha sido uma vez o lar dos Fallanassi até o Império forçá-los a sair. Eles foram de carroça através das zonas rurais ao assentamento de Ialtra, apenas para descobrir que ele tinha sido destruído anos antes. Enquanto eles investigavam as ruínas das habitações Fallanassi, eles foram atacados por um par de homens, quem Skywalker supôs serem agentes Imperiais. Quanto seus atacantes tentaram capturar Akanah, Skywalker facilmente matou um e deu ao outro um ferimento incapacitante, mas este homem cometeu suicídio antes que ele pudesse tirar alguma informação dele. Para sua surpresa, Akanah ficou indignada por seus atos, dizendo que ela nunca tinha ficado em perigo. Após uma breve exploração do assentamento, os dois voltaram à Preguiça da Lama, como Skywalker insistia que eles deixassem Lucazec.[100]

Houve um atraso significativo entre a Preguiça da Lama deixar Lucazec e ativar o hiperpropulsor devido às precauções de segurança da nave. Após um pouco de persuasão de Skywalker, Akanah revelou que ela tinha encontrado inscrições nas ruínas de Lucazec que os levariam ao mundo de Teyr. Enquanto Skywalker tentava desabilitar algumas das precauções, ele e Akanah falaram sobre numerosas coisas, variando desde suas infâncias até o medo e desconfiança de Akanah da indiferença de Skywalker por tirar vidas tão facilmente. Akanah afirmou que ela não queria que ele matasse, até para protegê-la, de novo, e que não entendia a aliança dos Jedi à Nova República, uma aliança que Skywalker defendeu ao dizer que os Jedi não eram necessariamente pertencentes à Nova República e buscavam acima de tudo manter a paz e a ordem.[101]

Eles eventualmente chegam em Teyr e passaram por uma série de obstáculos burocráticos para pousarem sem chamar atenção em Teyr. Eles foram para uma casa na cidade de Griann onde o povo de Akanah uma vez viveu, mas um ciclone anos antes arruinou a habitação, e tudo o que sobrou foi um buraco no chão. Contudo, usando os registros censitários, eles puderam encontrar outra cidade, Sodonna, onde um dos Fallanassi havia ido. De novo, a habitação onde Akanah acreditava que os Fallanassi estavam estava abandonada, mas ela foi capaz de ler outra inscrição Fallanassi que direcionava os dois para outro mundo, Atzerri. No caminho, Skywalker olhou os registros da nave, Manhã Estelar, que os registros revelaram que os Fallanassi usaram para deixar Teyr. Usando as informações do registro de viagens da nave, Skywalker determinou que a nave havia ido para Vulvarch e se aproximou de Akanah para sugerir que eles viajassem para lá em vez de Atzerri. Contudo, ela insistiu que eles continuassem para Atzerri e Luke relutantemente aceitou, bravo com a teimosia dela.[101]

Enquanto estavam no caminho Atzerri, Skywalker perguntou a Akanah sobre o Branco e seu envolvimento nele. Ela respondeu que o considerava um membro honorário, já que sua mãe era supostamente um membro, mas disse que ele precisaria de mais do que curiosidade para se tornar parte dos Fallanassi. Akanah recusou a ensiná-lo como ler as escritas Fallanassi até que ele passasse em mais testes, como deixar seu sabre de luz na Preguiça da Lama em sua próxima porta de chamada. Após pousarem em Atzerri, Akanah insistiu em buscar os Fallanassi sozinha, deixando Skywalker confuso. Enquanto ela estava longe, ele explorou a cidade onde eles pousaram, olhando em vários trabalhos fraudulentos que alegavam ser documentos Jedi e gastando algum tempo na réplica do palácio de Jabba. Ainda lá, ele descobriu sobre o florescente problema entre a Nova República e os Yevetha no Aglomerado Koornacht, o que de alguma forma o preocupou.[101]

Após a volta de Akanah, ela relatou que não tinha encontrado nada, bastante chateada, adentrou no beliche da nave para descansar de sua longa viagem. Skywalker levantou a nave, explorando alguns dos relatos que ele tinha recebido no meio tempo, incluindo buscas na história pessoal de Akanah. Quando ela acordou, contudo, Akanah estava de melhor humor e lhe contou mais de seu passado, satisfazendo suas curiosidades e suspeitas sobre ela, e também concordou em ensiná-lo a ler as escritas Fallanassi. Finalmente, ela lhe deu a localização do Círculo Branco, um planeta chamado J't'p'tan, mas não divulgou como ela tinha obtido esta informação. Skywalker logo percebeu das coordenadas do planeta que ele ficava no Aglomerado Koornacht e imaginou o quão tensa a situação entre a Nova República e Yevetha tinha ficado.[101]

Luke-shieldoflies

Mestre Jedi Skywalker.

Enquanto a Preguiça da Lama seguia seu lento caminho pelo hiperespaço, Akanah confessou o verdadeiro motivo de eles viajarem para Atzerri a Skywalker. Ela admitiu que sabia que J't'p'tan era o verdadeiro destino, mas disse que tinha ido a Atzerri na esperança de encontrar seu pai, mas o encontrou viciado na droga Rokna azul, incapaz de lembrar-se dela ou da sua mãe. Em sua súbita explosão de tristeza, Luke sentiu pena dela e a confortou, abraçando-a no beliche da nave.[101] Seu relacionamento aprofundou a uma intimidade. Acordando depois, Akanah perguntou a Skywalker sobre sua família, um assunto que ele detestava discutir, embora ela o tenha persuadido a falar a verdade devagar. Sua conversa eventualmente os levou a o papel dos Jedi, e Skywalker reiterou seu cometimento à ideia dos Jedi carregarem armas porque elas davam poder de ação, e era preciso usar a força às vezes.[102]

No entanto, falhas mecânicas forçaram a Preguiça da Lama a parar no mundo de Utharis próximo à beirada do Aglomerado Koornacht. Akanah ficou preocupada e frustrada com o atraso e sugeriu que eles roubassem uma nave, uma ideia que Skywalker firmemente rejeitou. Enquanto sua nave era reparada, ele aproveitou a oportunidade para aprender mais sobre a guerra iminente entre a Nova República e os Yevetha. Ele descobriu que as tensões tinham subido, mas um entrave nas informações pela Nova República o impediu de descobrir sobre a captura de Han Solo pelos Yevetha. Uma mensagem de Streen também lhe disse que R2-D2 e C-3PO tinham sido emprestados por Lando Calrissian pra alguma excursão sua. Pelo momento, Skywalker acreditou que precisava continuar com Akanah até J't'p'tan. Ele usou a Força pra fazer aPreguiça da Lama receber prioridade nos reparos, e ele e Akanah estavam logo seguindo caminho.[102]

Chegando em J't'p'tan, Skywalker e Akanah encontraram uma nave de guerra Yevethana sobre o mundo, mas Akanah empregou sua técnica de ilusão Fallanassi para esconder a chegada da Preguiça da Lama. Pousando no planeta, o qual estava parcialmente bombardeado como parte do Purgo Yevethano, eles começaram a explorar a superfície. Quando Akanah desapareceu de repente, Skywalker ficou inicialmente preocupado, mas logo percebeu que os Fallanassi estavam lá. Akanah e dois membros do Círculo Branco Fallanassi então rematerializaram em sua frente—uma senhora anciã chamada Wialu e um amigo de Akanah chamado Norika. Wialu o agradeceu por ter ajudado a guiar Akanah de volta, mas também lhe disse que ele tinha que pegar a Preguiça da Lama e sair de imediato. Skywalker não estava a fim de fazer isso, como ele ainda buscava notícias de sua mãe, e embora Akanah tenha o apoiado, Wialu foi recalcitrante. Neste ponto, Akanah usou suas habilidades para revelar os colonos H'kig e os Fallanassi que estavam escondidos da vista.[102]

Skywalker ficou impressionado com suas habilidades e buscou adicionar a ajuda dos Fallanassi na luta da Nova República contra os Yevetha, já que os aliens invasores tinham errado completamente o assentamento em J't'p'tan em seu purgo. Skywalker sugeriu que os Fallanassi poderiam gerar a ilusão de uma frota grande o bastante para persuadir os Yevetha a se renderem. Diversos Fallanassi foram atraídos por suas palavras e Wialu decidiu viajar com Skywalker pra dá-los sua ajuda à Nova República, embora a idosa tenha insistido que Akanah a acompanhasse.[102]

Com Wialu e Akanah acompanhando, Skywalker se encontrou com o General Etahn A'baht, comandante da Quinta Frota da Nova República, que estava estabelecida no Aglomerado Koornacht. Skywalker ofereceu os serviços dos Fallanassi à Nova República, mas os oficiais de bandeiro ficaram céticos com os supostos poderes místicos. Como demonstração, Wialu demonstrou os poderes ilusórios dos Fallanassi quando um grupo de naves da Nova República chegou para reforçar a Quinta Frota. Ela gerou a aparição de muitas naves a mais do que tinham realmente chegado, convencendo a frota. Daí em diante, o General A'bath decidiu atacar no planeta natal Yevethano de N'zoth, onde a ilusão faria o maior sucesso. Pouco antes do ataque ser realizado, Skywalker testemunhou a volta com sucesso de uma força de ataque Wookiee liderada por Chewbacca de N'zoth. Os Wookiees, com a ajuda tácita de uma Fallanassi chamada Enara, foram capazes de resgatar Han Solo. Skywalker ficou chocado a descobrir que Solo tinha sido capturado; quando Chewbacca perguntou por onde o Jedi tinha estado, Skywalker não teve uma resposta, mas professou desconhecimento da situação. Ele depois expressou seus arrependimentos de não ter ajudado Solo pessoalmente. No prelúdio do movimento a N'zoth, Skywalker tentou perguntar mais sobre Nashira, mas nem Wialu nem Akanah lhe deram alguma informação.[102]

Quando a frota se preparava para partir a N'zoth, foi oferecido a Skywalker o comando de um esquadrão E-wing por A'baht, mas ele rejeitou, dizendo que à pedido dos Fallanassi, ele não participaria diretamente da batalha. A'baht ficou perplexo com esta decisão, mas Skywalker foi resoluto. A Quinta Frota chegou a N'zoth e Wialu gerou sua ilusão, a mantendo pelo tempo que pôde, e os Yevetha se deixaram influenciar pela aparição da massiva armada e se moveram para atacar a Quinta Frota. A Nova República foi finalmente bem-sucedida em derrotar os Yevetha, embora eles tenham sido forçados a destruir completamente a frota inimiga.[102]

Após a batalha, os Fallanassi disseram a Skywalker que eles planejavam partir e se concentrar em se esconder em outro lugar, longe dos olhos da galáxia. Skywalker não foi convidado a acompanhá-los, apesar da curiosidade sobre seus caminhos, embora ele tenha perguntado a Wialu e Akanah sobre Nashira uma última vez. Akanah então admitiu que ela tinha usado Skywalker pra ajudá-loa a encontrar seu caminho de volta aos Fallanassi—já que a mãe de Akanah tinha ajudado a trair os Fallanassi anos antes e condenada por suas ações, Wialu tinha deixado uma trilha para Akanah seguir de volta ao resto do Círculo Branco quando ela fosse mais velha. Akanah então revelou que os agentes Imperiais lá em Lucazec tinham sido uma ilusão, um jeito de testar Skywalker pra ver que tipo de pessoa ele era. Ela então admitiu que "Nashira" não era a mãe de Skywalker, mas uma mulher Fallanassi que tinha ajudado Akanah quando era criança. Luke ficou consideravelmente chateado com a revelação que ela estava mentindo pra ele durante a sua jornada. Ele a viu partir, contudo, quando os Fallanassi partiam para começar sua nova vida, e ela desculpou-se com ele antes de ir.[102]

Não muito depois dos Fallanassi irem, Skywalker recebeu uma mensagem de Hiram Drayson, que o informou que os dois droides tinham sido encontrados, mas Skywalker precisaria encontrá-los ele mesmo. Calrissian os tinha levados junto a seu antigo ajudante Lobot numa missão para explorar a Marginal Teljkon, que acabou por ser uma espaçonave Qellana automatizada e um tanto hostil agora orbitando o planeta Brath Qella. Levando a Preguiça da Lama, Skywalker chegou a Qella a nave Qellana automatizada flutuando lá. Encontrando um cientista chamado Joto Eckels, que estava curioso sobre a Vagabunda, Skywalker usou uma ilusão Fallanassi pra se aproximar da nave sem ser detectado. Ele conseguiu alcançar Calrissian e os outros, e falando com Lobot, que tinha conseguido se comunicar com a nave, descobriu que os Qellanos tinham construído a nave para descongelar seu planeta após uma era glacial anos antes. A expedição foi capaz de dar à nave a informação que ela precisaria para restaurar o mundo, e Skywalker usou outra ilusão Fallanassi para esconder Brath Qella enquanto o processo ocorria. Então, após ajudar a recuperar Calrissian, Lobot, Eckels, e os dois droides da nave Qellana, ele voltou a Coruscant. Lá, ele destruiu o santuário que tinha feito e foi visitar Leia, prometendo ficar mais por perto agora que sua jornada o tinha ajudado a encontrar seu papel na Força.[102]

Rebelião Almaniana

"Kueller te ajudou a sobreviver, mas você não precisa mais dele. Você tem a mim. Venha comigo, Dolph, de volta a Yavin 4. Podemos curar estas feridas que o Je'har pôs no seu coração."
―Luke Skywalker para Kueller[fonte]
Skywalker estava de volta a Yavin IV, treinando seus alunos, quando ele sentiu um grande distúrbio na Força, similar a um outro ataque de uma Estrela da Morte. Sentido um perigo dirigido a sua irmã, ele decidiu viajar imediatamente para Coruscant em sua X-wing para vê-la. Chegando em Coruscant, ele descobriu que o Salão do Senado sofrera um bombardeio em sua sessão de abertura. Ele se aliviou ao ouvir que Leia, embora ferida, tinha escapado de danos sérios e foi visitá-la depois de acalmar seus filhos—eles, também, sentiram o distúrbio na Força. Leia estava convencida que o Império estava por trás do ataque, mas Luke não tinha certeça.[103]
AlmanianUprising

Luke Skywalker durante a Insurreição Almaniana.

Investigando o salão arruinado, ele percebeu que o dano tinha sido causado por diversas explosões pequenas. Ao examinar mais de perto, ele sentiu a presença de um antigo estudante seu, um homem chamado Brakiss. Brakiss tinha sido enviado pelo Império para se infiltrar na Academia Jedi, mas Skywalker detectou suas intenções quase imediatamente. Mesmo assim, ele começou o treinamento de Brakiss quando, após fazê-lo confrontar o lado sombrio dentro de si, o pupilo fora vencido pela raiva e medo, desistindo da academia pouco depois de volta para o Império. Antes que Skywalker avançasse mais na investigação, R2-D2 e C-3PO foram até ele, com R2-D2 informando-o que eles tinham sido aprisionados brevemente e sua X-wing desmontada por mecânicos Kloperianos trabalhando para a Nova República. Alarmado, Luke decidiu levar R2 com ele para investigar a X-wing.[103]

Quando chegou, Skywalker descobriu que seu caça tinha sido desfeito no meio de uma atualização de toda a frota de caças estelares que incluía a remoção droide astromecânico. Descontente, ele falou para o mecânico de plantão, Cole Fardreamer, trabalhar com R2-D2 remontá-lo na configuração original enquanto ele resolvia a questão com a fonte da ordem, seu velho amigo Wedge Antilles. Skywalker instruiu Fardreamer a deixar seu caça pronto pra voar quando ele voltar, e então partiu para investigar o paradeiro de Brakiss, mas não antes de falar com Leia primeiro, pra informá-la de seu desconforto com a situação. Seu caça não estava pronto, então ele pegou um dos novos modelos e partiu, sem saber que os novos X-wings tinham um detonador incorporado em seu núcleo computacional como parte de um grande esquema de sabotagem.[103]

Skywalker chegou em Msst, a última localização conhecida de Brakiss, mas não encontrou nada. Olhando ao redor de sua X-wing, ele foi repentinamente atacado por criaturas parecidas com bolhas flutuantes conhecidas como enevoadoras. Ele tentou se defender, mas após estourar um enevoador com a Força, os restos corrosivos de seu corpo permaneceram sobre ele, deixando-o inconsciente e com queimaduras pelo corpo. Quando acordou, ele flutuava sobre um colchão de ar, tendo sido cuidado por uma mulher idosa que vivia em Msst, que acabou por ser a mãe de Brakiss, que lhe contou a história de seu filho. Ela não tinha ressentimentos quanto a ele, já que reconhecia que Luke Skywalker tentou redimir seu filho após o condicionamento que o Império fez com Brakiss desde sua infância. Ela o avisou pra ficar longe de Brakiss, dizendo que ele era perigoso, mas ela deu a Skywalker a localização de Brakiss: o munod fabricante de droides Telti. Viajando pra lá, Skywalker inicialmente não teve recepção, embora sentisse a presença de Brakiss. No lugar, ele encontrou um droide, C-9PO, que tinha sido enviado para recebê-lo por Brakiss. Quando finalmente encontrou Brakiss, os dois conversaram brevemente, com Skywalker perguntando se ele estava envolvido no ataque ao Salão do Senado e implorando que ele voltasse a Yavin Quatro e para o serviço da Força. Brakiss, no fim das contas, recusou e duelou brevemente com Skywalker. Percebendo que não venceria, Brakiss levantou seu sabre de luz pra saudar e dizer a Luke para matá-lo, mas Skywalker não aceitou. Brakiss então revelou que a pessoa que Skywalker buscava estava em Almania, esperando por ele.[103]

Se aproximando de Almania, Skywalker sentiu que o distúrbio que ele sentira antes tinah vindo da lua, Pydyr, e decidiu pousar lá e descobrir sua fonte. Quando se aproximava de pousar na lua deserta, ele perdeu controle de sua X-wing graças ao travamento de seu computador e ela explodiu no ar. Ele conseguiu sobreviver ao pouso, mas com queimaduras significativas e outros ferimentos. Pouco sabia ele que estava sendo observado e transmitido para sua irmã em Coruscant, que imediatamente resolveu viajar para Almania, acompanhada por uma frota de batalha. Enquanto vagava pela cidade deserta, procurando por outras pessoas e suprimentos médicos, ele encontrou uma figura mascarada que se identificou como Kueller, e Luke o reconheceu como alguém poderoso no lado sombrio da Força, que foi uma vez um aluno seu chamado Dolph. Kueller explicou que ele voltou para Almania para encontrar seus pais mortos pelo governante no poder, os Je'har. Devastado, ele se vingou contra eles, assassinando todos em Pydyr, e agora se colocava para confrontar Skywalker e a Nova Repúblico pelo poder galáctico. Os dois duelaram, e Kueller conseguiu superar Luke em seu estado enfraquecido.

Ele aprisionou Skywalker, trancado-o numa cela com uma grandiosa criatura sapiente conhecida como um thernbee, que deveria comê-lo. Em vez disso, Skywalker se tornou amigo do thernbee e isso o ajudou a escapar da prisão. Skywalker e o thernbee partiram da instalação de Kueller e encontraram Leia, que tinha chegado em Almania para procurá-lo. A caminho de sua nave, a Alderaan, Kueller atacou Skywalker. Seus sabres de luz se bateram mais uma vez, mas Skywalker ainda estava fraco. Leia tentou atirar em Kueller com um blaster, mas ele defletiu facilmente os disparos. Em um ponto, Kueller brandiu um remoto, ameaçando ativar os detonadores que colocou em droides por toda a galáxia—detonadores que já tinham sido usados na X-wing do Luke e no Salão do Senado—e Skywalker sabia que com cada morte adicional, Kueller conseguiria obter mais poder do lado sombrio. Pra pará-lo, Skywalker preparou para se sacrificar e ajudar Leia a derrotar Kueller. Antes de Kueller poder ativar o remoto, Han Solo, Chewbacca, e Mara Jade chegaram com ysalamari. O efeito dos ysalamiri cortaram Kueller da Força e ele ficou momentaneamente atordoado. Leia tomou a iniciativa e atirou nele, terminando a ameaça que ele trazia à galáxia, embora R2-D2 já tivesse desabilitado remotamente os droides de um outro lugar em Telti.[103]

Primeira Insurreição Corelliana

Luke-assault at selonia

Luke durante a Premeira Insurreição Corelliana.

No início da Cúpula Comercial Corelliana atendida pela família Solo, Luke estava fora ajudando Lando Calrissian a procurar por uma esposa rica. Luke pretendia atestar por Lando, que admitidamente realizara alguns novos empreendimentos altruístas, incluindo habitações subterrâneas seguras e acessíveis em Coruscant. Luke estava de certa forma surpreso que Lando conseguiu engambelá-lo para o acompanhar, e um tanto preocupado quando Lando quase fez um voto de matrimônio letal com uma "bruxa de vida". Em outro planeta, sua busca acabou por ser uma perda de tempo já que a possível esposa já era casada. Contudo, em Sacorria, Lando encontrou uma mulher chamada Tendra Risant a quem Lando foi atraído, mas os dois foram rapidamente expulsos do planeta pelas autoridades locais.[104]

Não muito depois, Luke foi inesperadamente contactado pela pouco conhecida agente da Inteligência da Nova República chamada Belindi Kalenda, que tinha escapado recentemente do setor Corelliano. Kalenda foi instruída por Han Solo pouco antes dele arranjar tempo para sua fuga pra entregar a mensagem apenas para o Almirante Ackbar ou Luke. Luke recebeu seu relatório sobre a Primeira Insurreição Corelliana, e após consultar com os oficiais da Nova República, voou pra Bakura pra pedir ajuda para a frota de Bakura, já que a Nova República estava perigosamente com poucas naves de guerra prontas. E também, os Bakuranos tinham tecnologia pra ajudar a contornar o campo de interdição ao redor do sistema inteiro. Pra ajudar em sua missão, Luke contactou Gaeriel Captison mais uma vez, e, junto a Belindi Kalenda, acompanhou a frota Bakurana sistema Corelliano.[105] Depois, Luke liderou a missão de investigar a Estação Pontocentral e seus poderes Jedi ajudaram a equipe inteira a sobreviver ao ambiente crescentemente quente e arriscado que uma vez fora Hollowtown, que se localizava no meio do núcleo da Estação Pontocentral. Eles quase não conseguiram escapar antes que o ambiente ficasse totalmente letal. Luke foi finalmente reunido com os Solos em Selonia, onde eles se prepararam pra se defender da frota Sacorriana. Luke também encontrou Mara Jade de novo em Selonia, já que ela esteve com Leia durante o ataque inicial. Na batalha final contra a frota Sacorriana, Luke lutou pelos Bakuranos de sua X-wing, aguentando até que o Almirante Ackbar chegasse com a frota da Nova República. A insurreição fora contida.[106]

Crise do Documento Caamas

Luke: "Você não vai deixar isso fácil pra mim vai?"
Mara: "Quando foi que eu deixei algo fácil pra você?"
―Luke Skywalker e Mara Jade em Nirauan[fonte]
Não muito depois, a Nova República ameaçou ruir quando o Documento Caamas, um arquivo Imperial que implicava um grupo de Bothanos no bomberdeio orbital de Caamas, provavelmente sob ordem de Palpatine, foi encontrado. No entanto, o documento foi alterado pra incluir os nomes de vários clãs Bothanos importantes como tendo alguma participação no ataque. Quando a crise começou, Luke foi pedido por Han Solo pra ajudar em algumas negociações entre os Ishori e os Diamales. Enquanto impedia um ataque pirata, Luke começou a atrair poder da Força pra derrotar os piratas, mas percebeu que esta ação o levaria mais perto do lado sombrio.[107]
Vision of the Future

Luke e Mara tentam escapar das cavernas de Nirauan.

Enquanto lutava contra os piratas, Luke sentiu que combatia clones. Curioso, Luke eventualmente rastreou os Piratas Cavrilhu de volta à sua base. Luke se infiltrou com sucesso na base, mas foi pego e quase capturado pelos foras da lei criativos. Contudo, ele escapou e foi resgatado por Mara Jade pouco antes da base se autodestruir.[107] Luke também fez uma visita a Nirauan pra encontrar Mara Jade, que viajou pra lá pra investigar alguns veículos espaciais áliens incomuns. Ele foi levado lá por uma visão de Mara flutuando de bruços numa piscina de água. Se encontrando com Mara, eles e R2-D2 conseguiram se infiltrar numa fortaleza do Império da Mão conhecida como a Mão de Thrawn e danificaram sua baía de hangar, impedindo os ocupantes de contactarem ou se aliarem aos Remanescentes Imperiais. Depois, Luke, Mara e R2 voltariam à fortaleza pra obter uma cópia do Documento Caamas. Com a ajuda dos nativos Qom Jha e Qom Qae, Luke e Mara entraram na fortaleza, batalhando numerosos guerreiros Chiss equipados com ysalamiri e charrics. No processo, eles destruíram um clone imaturo de Thrawn e uma grande parte da fortaleza enquanto escapavam através da onda da enchente que eles criaram ao destruir o gerador a fusão. Enquanto combatiam droides guardas, Luke e Mara experienciaram uma forma de combinação da Força, vendo cada um as emoções e o eu interior do outro.[108]

Casamento com Mara Jade

Jade: "Você não está preocupado sobre nós nos casarmos, está?"
Skywalker: "Nem brinca, ver você dizer que se tornaria minha esposa é a melhor coisa que já aconteceu comigo. Sem arrependimentos, sem preocupações, nem agora, nem nunca."
―Mara Jade e Luke Skywalker[fonte]
Seus muitos romances fracassados, juntamente ao peso de seus deveres como Mestre Jedi, pareciam muitas vezes indicar que Luke seguiria os passos de seu mentor e viveria uma vida de solidão. No entanto, Skywalker encontrou sua alma gêmea em Mara Jade. Após a assinatura do Tratado Pellaeon–Gavrisom, Luke e Mara passaram algumas semanas de férias na Reserva Natural Vlassy no planeta Garqi. Lá, eles tiveram a oportunidade de relaxar e desfrutar da paisagem do planeta, porem, numa conversa com Jade, Skywalker confessou que estava um pouco nervoso quanto ao futuro em frente. Enquanto isso, de volta em Coruscant, Leia anunciou o casamento de Luke e Mara, o qual a imprensa entendia como um sinal de união entre os Remanescentes Imperiais e a Nova República; contudo, muitos críticos viam a união como um meio de estabelecer um Império Jedi. Para complicar ainda mais, C-3PO se envolveu no planejamento do casamento, resultando numa cerimônia mais que grandiosa, para o desagrado de Luke.[109]
Jedi Wedding

Luke e Mara se casam em Coruscant.

Enquanto as notícias se espalhavam pela galáxia, Luke e Mara voltavam para Coruscant para começar as preparações do casamento. Ao chegarem na movimentada metrópole do planeta, o casal foi recebido por Han e Leia, que tinham acabado de voltar de sua aparição pública no Senado anunciando o casamento. Enquanto Mara e Leia passeavam por Coruscant em busca de possíveis designers de vestidos, Luke e Han foram para um bar local para uma saidinha casual, onde Solo revelou a condição glamourizada do casamento a Skywalker. Depois de trocarem algumas gentilezas durante algumas bebidas, Luke retornou ao recém-reconstruído Templo Jedi para retomar suas atividades diárias. Lá, ele conversou com Kam Solusar e Corran Horn sobre a possibilidade de uma cerimônia Jedi, além de uma mais pública. Horn sugeriu que eles fizessem a cerimônia Jedi primeiro, já que achava que ter um evento público como um Jedi iria confundir o público e fazê-lo sentir-se excluído do que era pra ser um evento de união; Skywalker concordou e as preparações foram feitas imediatamente. Mais tarde naquele dia, Luke e Mara tiveram uma cerimônia privada menos formal na área de treino Jedi. Juntando as duas metades de um cristal num símbolo de sua união, o casal foi casado por Solusar.[109]

Pouco depois da cerimônia, Han levou Luke à cantina Rancor Vermelho, onde ele e Antilles tinham arranjado uma despedida de solteiro surpresa com inúmeros convidados, incluindo membros do Esquadrão Desordeiro, Jedi, e outros velhos conhecidos. As festividades mal começaram, contudo, antes de uma gangue de swoop arranjar confusão com o grupo, resultando numa enorme briga de bar. Com muitos Jedi, Desordeiros e contrabandistas envolvidos, a despedida de solteiro rapidamente sobrepujou a gangue de swoop, embora, durante a briga Luke tenha conseguido um ematoma em seu olho e a festa deixou a cantina antes que fosse atraída atenção da mídia. Mara ficou descontente ao descobrir que ele esteve brigando e lhe pediu para ter mais calma. No entanto, na véspera do dia do casamento, ambos Luke e Mara não conseguiram relaxar bem enquanto experienciavam visões sombrias, nas quais Palpatine conseguia levar Luke para o lado sombrio.[109]

Na manhã seguinte, ele e os outros homens no casamento foram se preparar. Pouco antes do casamento começar, Karrde veio a Antilles e os outros com Banner Sumptor, um homem que fazia parte de um esquema de um moff Imperial desonesto de perturbar o casamento e assassinar Luke e Mara, mas mudou de lado. Antilles insistiu que a cerimônia tinha que seguir e tomou o comando da defesa, atribuindo diversos membros do Esquadrão Desordeiro presentes para a segurança. Celchu, Darklighter, e Antilles conseguiram afastar uns swoopers, enquanto Luke conseguia dissuadir o moff, que interrompeu pessoalmente a cerimônia de casamento, a deixar de seguir com sua missão, para juntar-se a ele na reconciliação. Apesar dos contratempos, a cerimônia continuou, com Luke e Mara trocando seus votos e aneis de casamento. Após recebê-los, Han levou o casal para o lugar de sua lua de mel.[109]

Judge's Call

Luke e Mara em sua segunda lua de mel.

Cerca de um ano depois, Luke, acompanhado por Mara, trabalhava em arbitrar disputas, muitas delas de gerações, num planeta que especialmente venerava Jedi. Enquanto sua esposa ficava cada vez mais frustrada com toda essa demanda por seu tempo, Luke tomou a oportunidade de arranjar uma segunda lua de mel através de um de seus contatos contatos locais, o que acabou sendo um alívio agradável para ambos.[110]

Academia Jedi Júnior

"Vocês todos estão aqui porque o poder da Força é forte dentro de vocês. Vocês estão aqui porque a Nova República precisa de Cavaleiros Jedi. E vocês estão aqui porque é o destino de vocês treinar para se tornarem Cavaleiros Jedi e usar a Força quando necessário para manter a paz em nossa galáxia."
―Luke Skywalker, na primeira palestra da Academia Jedi Júnior[fonte]
Ao redor de 22 DBY, Luke e sua antiga aluna Tionne viajaram para Tatooine em busca de jovens candidatos a Jedi, onde eles encontraram uma garota Humana órfã chamada Tahiri, que tinha sido adotada por uma tribo de Incursores Tusken. Os Jedi sentiram a Force em Tahiri e decidiram levá-la a Yavin 4 para treinamento, prometendo ao Povo da Areia que Tahiri voltaria um dia para decidir se ela ficaria com eles ou continuaria seus estudos. No dia depois deles voltarem ao Praxeum Jedi com sua nova recruta, o Mestre e a historiadora Jedi começaram sua primeira sessão na Academia Jedi Júnior. Luke sentiu que Tahiri e seu sobrinho Anakin, outro aluno na academia, eram mais fortes em equipe do que muitos Jedi adultos, e portanto não os puniu duramente por desaparecem na floresta durante seus primeiros dias de instrução.[90]
Luke with Jedi

Skywalker com vários de seus alunos.

Uma semana depois, Luke relutantemente permitiu que Anakin e Tahiri acompanhassem a Melodie Lyric a Yavin 8 para sua Cerimônia de Mudança. Quando os dois alunos voltaram enlameados, cansados e feridos com uma nova Melodie chamada Sannah, Luke ficou chateado e preocupado com os perigos em que as crianças se meteram; porém, ao sentir a Força correndo forte dentro de Sannah, ele permitiu que a jovem garota ficasse e estudassem com seus novos amigos no Praxeum Jedi.[111]

Uma semana depois dos alunos voltarem de Yavin 8 e seis meses depois da último visita de Luke a Tatooine onde ele encontrou Tahiri, Skywalker enviou Tahiri de volta para cumprir sua promessa com o Povo da Areia, acompanhada por Anakin e Tionne na Vareta Relâmpago de Peckhum. Lá, os Jedi enfrentaram mais perigos, para o susto de Luke, mas mostraram sinais de seu contínuo crescimento no uso da Força, levando o Mestre Jedi a acreditar que eles se tornariam poderosos Cavaleiros Jedi. Quando Anakin e Tahiri escaparam secretamente de novo para romper a maldição do Globo Dourado, Luke Skywalker conheceu o antigo Mestre Jedi Ikrit, que explicou a situação para ele. Ele ficou muito orgulhoso quando os dois jovens candidatos Jedi voltaram, tendo com sucesso libertado as almas Massassi presas.[112]

Três meses depois, Luke recebeu Anakin de volta à academia de suas férias em Coruscant e, percebendo que o garoto estava agitado, lhe disse que precisavam conversar quando ele estivesse pronto. Mas antes que pudessem se encontrar, um menino chamado Uldir foi descoberto clandestinamente no porão de carga da Vareta Relâmpago. Sonhando em ser um Jedi aventureiro, Uldir exigia ser levado até Luke Skywalker. Luke concordou em testar o garoto, mas não encontrou nenhum, sequer algum, potencial da Força dentro dele; contudo, ele permitiu que Uldir ficasse na academia por vários meses com a permissão de seus pais. Após uma conversa com Ikrit, Luke percebeu que Anakin estava chateado por pensar em quem ele realmente. Por sugestão do Jedi Kushiban e aprovação dos Solos, Luke permitiu que Anakin fosse a Dagobah com seus amigos, para dar ao garoto tempo de explorar seu eu interior. Após as crianças voltarem, incluindo Uldir, que tinha mais uma vez sido clandestino, Luke encontrou cada um deles individualmente em seu escritória para discutir seus encontros, antes de enviá-los para falar com Tionne. Apesar de reconhecer que cada criança tinha aprendido uma lição importante, Luke sabia que eles teriam muitos mais desafios e aventuras em seu futuro.[113]

Algum tempo depois, Luke enviou Anakin, Tahiri, e Uldir para encontrarem Tionne, que estava voltando de uma missão de pesquisa em Borgo Prime. Como ele rotineiramente limpava R2-D2, passando óleo e melhorando os vários componentes do droide, o trio entrou em seu escritório coma historiadora Jedi e notícias de uma relíquia Jedi, o sabre de luz de Obi-Wan Kenobi, que acreditava ter sido perdido na destruição da primeira Estrela da Morte. De acordo com Tionne, um informante intermediário Hutt localizou o sabre de luz num castelo em Vjun. Da descrição de Tionne, Luke rapidamente reconheceu o castela como a antiga fortaleza de Darth Vader, o Castelo Bast. Querendo recuperam o sabre de luz mas se poder por causa de um encontro urgente com Leia em Coruscant, Luke concordou em deixar Tionne, Ikrit e R2-D2 escoltarem Anakin, Tahiri, e Uldir para Vjun, desde que os pais dos dois garotos consentissem. Eles concordaram, e o grupo viajou para Vjun, onde eles passaram por armadilhas e enfrentaram Orloc, o "Mago" da Estação Exis, que também procurava o sabre. Skywalker encontrou o grupo na plataforma de pouso depois do seu retorno, satisfeito em ver que eles recuperaram um holocron além do sabre de luz de Kenobi, e surpreso em ver que os aventureiros voltaram com duas naves, a Sunrider e a Buscadora de Histórias, quando eles tinham partido em uma.[114]

Luke foi novamente chamado para Coruscant por várias semanas, deixando as aulas no Praxeum nas mãos de Tionne. Após mostrar a Anakin, Tahiri e Uldir o funcionamento básico do holocron de Asli Krimsan, Tionne colocou as relíquias recuperadas no quarto de Luke até que ele voltasse; impaciente com o baixo ritmo de aprendizado, Uldir esgueirou-se no quarto vazio de Luke e "tomou emprestado" o sabre de luz e o holocron. Descobrindo o roubo dos objetos, e o desaparecimento de Uldir e da Sunrider de Ikrit, Anakin, Tahiri, Tionne, Ikrit e R2-D2 voaram até a Estação Exis. Lá, eles resgataram os artefatos e Uldir, que tinha quase sido corrompido pela falso mago Orloc. Uldir, arrependido, percebeu que nunca seria um Jedi, e uma semana depois deles voltarem a Yavin, Luke ficou várias horas conversando com o garoto, o convencendo a ser um piloto de emergência. Uldir decidiu fazer isso e deixou a academia no dia seguinte.[115]

Mais tarde naquele ano, Luke se juntou a sua esposa, Mara, numa viagem a um planeta da Orla Exterior para se encontrar com o chefe contrabandista Huxley, um membro há muito tempo da organizaçãod e Talon Karrde. Mara informou-lhe que Karrde não precisaria mais de seus serviços, como agora ela tinha uma vida legítima. Huxley, furioso com o que ele via como traição, exigiu que Mara pagasse 500.000 créditos. Mara recusou, e em resposta Huxley revelou a Mara sua arma secreta—um droideka das Guerras Clônicas. Mara sabia que mesmo que o droide fosse velho, ele ainda era mortal. Ela distraiu Huxley e seus gângsters enquanto seu marido destruía o droide. Huxley foi forçado a se render e cancelar suas exigências.[116]

A redescoberta da Viagem Extragaláctica

Imediatamente após este incidente, Luke e sua esposa descobriram através de Talon Karrde sobre uma mensagem enviada a eles pelo Almirante Voss Parck. Parck os informou que os Chiss descobriram os restos da Viagem Extragaláctica, uma velha nave usada numa expedição de busca por vida fora da galáxia há quase cinquenta anos. Chaf'orm'bintrano, um Chiss Aristocra pedia a Parck enviar uma mensagem ao maior Jedi da Nova República. Luke ainda não tinha recebido o chamado, Parck os informou, porque um engenheiro numa estação espacial na Orla Exterior chamado Dean Jinzler o roubou.[116]

Luke e Mara de qualquer forma foram ao espaço Chiss, onde embarcaram na Enviado Chaf para se encontrarem com o Aristocra. Contudo, no corredor de entrada, eles quase foram incapacitados por um pesado cabo de metal que se desprendeu. Os dois foram salvos apenas pelo sentido Jedi de perigo e reflexos rápidos de Luke. Eles então se encontram com Formbi, como pedido eles o chamam, que lhes contam mais sobre a Viagem Extragaláctica. Ela foi destruída há quase 50 anos atrás por um Chiss desordeiro—Thrawn. Recentemente, os restos foram encontrados, e os Chiss pensaram que poderia conter informações úteis aos Jedi. Formbi então apresentou os dois a Dean Jinzler, quem ele acreditava ser um embaixador da Nova República. Ele reconheceu que os dois Jedi sabiam que ele não era do governo, e admitiu que ele tinha roubado a mensagem, alegando que precisava ver os destroços da Viagem Extragaláctica por "razões pessoais".[116]

MaraLuke-SQcover

Luke e Mara numa missão às ruínas da Viagem Extragaláctica.

Pouco depois dos dois Jedi embarcarem na Enviado Chaf, um grupo de áliens conhecidos como Geroons contactaram os Chiss. Eles alegavam que a Viagem Extragaláctica os salvou de seus captores, os Vagaari, décadas atrás. Eles desejavam visitar o lugar e prestar homenagem a seus heróis. Formbi concordou em deixar uma lançadeira Geroon aportar na Enviado Chaf. Depois, Mara voltou ao corredor onde o cabo tinha caído, querendo ver se tinha sido um acidente mesmo ou sabotagem. Embora não pode confirmar se ele foi liberado de propósito, isto era o que parecia ser mais provável. Lá, ela fez outra descoberta alarmante—um grupo de stormtroopers estava à bordo da Enviado Chaf. O comandante a viu, e se apresentou, Chak Fel, líder da Unidade Aurek-Sete da 501ª. Ele disse a ela que Parck os enviou para vigiar os Jedi por razões desconhecidas para stormtroopers ou Mara.[116]

Embora Mara insistisse que eles não precisavam de proteção, Fel lhes disse que estava sob ordens Imperiais, e cumpriria com seu dever. Foi depois revelado a Luke que um dos membros da 501ª era um Eickarie, algo que Palpatine não permitiria. Isto foi uma das primeiras pistas a Luke e Mara que o Império da Mão, como era chamado, era dramaticamente diferente do velho Império a que Mara serviu.[116]

Enquanto a nave viajava até os destroços, que se localizavam na Redoubt, a missão foi envolvida em vários problemas. Rastejadores de linhas foram encontrados nas linhas de força, um conjunto de esquemas da Viagem Extragaláctica em posse de Fel foi roubado e um dos Geroons foi baleado. Os Jedi não conseguiram descartar ninguém como grupo culpado.[116]

Apesar destes problemas, a Enviado Chaf chegou na Viagem Extragaláctica. Luke, Mara, Jinzler, Formbi, o General Drask e vários de seus soldados Chiss e os Geroons embarcaram na antiga nave. Uma vez à bordo, os dois Jedi ficaram chocados quando sentiram a presença de outros na nave—sobreviventes. O grupo, percebendo agora que precisavam abordar isto de forma diferente, começaram a explorar a nave, se dividindo em vários grupos.[116]

Contudo, cada grupo foi atraído para uma armadilho por dois dos sobreviventes, o Guardião Pressor e sua sobrinha Evlyn. Enquanto seguiam Evlyn, uma porção do chão caiu, prendendo os grupos numa pequena sala que começou a descer. Estavam em turboelevadores. Depois de um tempo, cada grupo foi contactado por Jorad Pressor, que os avisou que os carros cairiam se els tentassem escapar, algo que mataria a todos eles. Ele concordou em liberar o "embaixador" Jinzler e os três seres com ele, dois Geroons e o Chiss Feesa, mas recusou liberar os Jedi.[116]

Enquanto isso, Luke e Mara tinham conseguido escapar de seu carro, apesar da alta probabilidade do carro bater. Junto com Drask, eles foram para a sala de controle, onde os líderes dos sobreviventes esperavam com Jinzler, negociando por sua liberação. Neste tempo, Mara teve uma súbito percepção—os Geroons estavam os fazendo de tolos. Ela conectou várias pequenas pistas e percebeu que os Geroons não eram os seres pacíficas que alegavam ser, mas criaturas com planos sinistros. Pouco depois disso, Jinzler os contactou. Ele contou aos Jedi que os Geroons os atacaram na sala de conferência com seus mascotes wolvkils. Um dos sobreviventes os identificou como Vagaari, inimigos viciosos dos Chiss.[116]

Mara e Luke conseguiram contactar Fel e a 501ª e avisá-los do perigo. No caminho da sala de conferência onde Jinzler e alguns dos sobreviventes estavam presos por vários wolvkils, os dois Jedi encontraram dezenas de guerreiros Vagaari e seus wolvkils. Os Vagaari tinham mantido os guerreiros em animação suspensa em salas parcialmente abertas para o vácuo em sua nave, enganando os escâneres. Contudo, os Vagaari e nem seus viciosos mascotes eram páreos para os dois Jedi. Após sua chegada na sala de conferência, eles derrotaram os wolvkils e libertaram os prisioneiros. No entanto, era tarde demais para impedir os Vagaari, que tinham tomado um dos Couraçados funcionais da Viagem Extragaláctica. Os Jedi não sabiam como poder pará-los, até um dos "nativos" revelar que tinham um caça Delta-12, uma nave rápida de dois lugares que podia alcançar o Couraçado antes que ele chegasse na Redoubt.[116]

Os dois conseguiram alcançar a nave antes que pudesse sair da Redoubt, e embarcar nela através de um buraco aberto na lateral. À bordo, eles seguiram pelos corredores, derrotando mais guerreiros Vagaari até chegarem na ponte. Lá, eles mataram todos exceto o líder, Estosh. Estosh tentou matá-los com gás venenoso, mas eles destruíram as caixas, matando Estosh. Contudo, ele já tinha entrado as coordenadas da localização das frotas Vagaari, permitindo aos Chiss encontrá-los e dando aos Jedi o respeito do comandante Prard'enc'iflar.[116]

Segundo Imperium

"Cuidado—não assuma que um professor está sempre certo, sem questionar. Você tem que pensar por si mesmo. Às vezes nós professores nos enganamos, também. Mas neste caso, estou certo: Você ainda não está pronto para um sabre de luz."
―Luke Skywalker para Jacen Solo, após descobrir seu sobrinho brincando com seu sabre de luz em seu escritório.[fonte]
Seguindo a derrota dos Vagaari, Luke Skywalker voltou à Academia Yavin Quatro para instruir em meio-período mais Jedi em potencial nos caminhos da Força, embora ele continuasse a tomar missões por conta própria e deixava a maior parte da instrução a outros Jedi que ele treinou. Entre eles estavam seu sobrinho Jacen e sobrinha Jaina Solo. Como ele teve em sua primeira aula, o currículo de Skywalker continha lições e exercícios acerca do uso da Força, mas não era estritamente regimentado da mesma maneira que na Velha Ordem Jedi. Em vez disso, ele buscava permitir a seus estudantes aprenderem e descobrirem no seu próprio ritmo e do seu próprio jeito enquanto provia uma orientação.[88]
LukeSkywalker-JUS

Skywalker perto da época da Crise do Segundo Imperium.

Durante uma aula, contudo, Skywalker foi interrompido por R2-D2, que o informou de problemas na plataforma de decolagem. Luke correu à plataforma e encontrou uma grande criatura da selva aterrorizando um espaçador chamado Peckhum, que acabara de pousar sua nave perto da academia. Enquanto alguns dos Jedi aprendizes e Peckhum esperavam que Skywalker enfrentasse a criatura, ele sentiu que o animal estava confuso, não maligno, e o acalmou com a Força. Então, ele plantou uma sugestão em sua mente que a academia não era de seu interesse e a fera correu de volta para a selva, exaltando os espectadores. Saudando o assustado espaçador, Luke designou Jacen, Jaina, e uma aprendiz Dathomiri chamada Tenel Ka para ajudar Peckhum a descarregar sua nave, informando-os que seu pai, Han Solo, logo estaria trazendo outro aprendiz Jedi, o Wookiee Lowbacca para Yavin Quatro.[88]

Enquanto treinar os aprendizes nos caminhos da Força era às vezes desafiador, como quando perguntaram para Skywalker quase sem parar perguntas sobre Raynar Thul ou como quando ele se deparou com uma enorme guerra de comida, ele achava o trabalha recompensador e devotou seu tempo para criar a próxima geração de Jedi. Pouco depois de Lowbacca chegar, contudo, ele foi chamado para uma missão. Enquanto ele estava fora, os gêmeos Solo foram brevemente levados prisioneiros por um piloto TIE Imperial chamado Qorl, que esteve abandonado na lua desde a Batalha de Yavin. Os gêmeos foram forçados a ajudá-lo a reparar seu caça abandonado, mas eles conseguiram fugir e voltar ao Templo após Qorl ter decolado. Enquanto isso, Lowbacca e Tenel Ka ligaram o alarme na Academia Jedi. Quando Skywalker voltou já tinham se passado alguns dias desde que Han Solo, que estava no sistema visitando a Estação CavaGema de Lando Calrissian sobre Yavin Prime, tinha perseguido o caça TIE com a Millennium Falcon. Skywalker ficou impressionado sobre como os aprendizes Jedi trabalharam juntos, como também o seu contínuo comprometimento ao caminho Jedi em face da adversidade.[88]

Skywalker também ajudou Tenel Ka em manter segredo que ela era a herdeira Hapana arranjando uma visita à Estação CavaGema para o resto de seus amigos quando a embaixadora Hapana Yfra chegou. No entanto, a embaixadora se atrasou, e no meio-tempo, Lando Calrissian relatou que a Estação CavaGema tinha sido atacada e abordada. Além disso, Calrissian informou Skywalker que os aprendizes Jedi tinham sido raptados pelos atacantes, que aparentemente eram alguma forma de facção dissidente Imperial. Levando Tenel Ka com ele, ele viajou à Estação CavaGema para investigar o rapto. Ao chegar, Calrissian o informou que a nave usada para brechar as defesas da estação estava equipada com gemas corusca de nível industrial mineiradas na CavaGema e vendidas para um corretor de gemas em Borgo Prime. Contactando Han e Leia, Luke pediu que eles esperassem enquanto ele investigava a trilha fresca na Estranha Chance, uma nave emprestada de Calrissian, e eles relutantemente concordaram.[117]

Pousando no desonroso mundo de Borgo Prime, Skywalker e Tenel Ka começaram a buscar por um comerciante que tratasse de gemas corusca, operando sob apelidos para esconder suas identidades. Encontrando-se com um Hutt corretor de informações, Skywalker conseguiu encontrar o corretor de gemas que recentemente lidou com gemas corusca e descobriu dele que ela alegava ser uma Irmã da Noite, as bruxas do lado sombrio da Força de Dathomir que ele enfrentou antes. A dupla de Jedi então partiu imediatamente para Dathomir para investigar o possível retorno das Irmãs da Noite. Encontrando-se com a líder do clã da Montanha Cantante, Augwynne, Skywalker descobriu que as Irmãs da Noite surgiram de novo e se aliaram com o Império. Quando uma Irmã da Noite chamada Vonnda Ra chegou à vila do clã da Montanha Cantante buscando por recrutas, Skywalker e sua jovem companheira a observaram e resolveram ir para o Grande Cânion, onde Ra tinha dito pra qualquer possível recruta ir para o treinamento. Tenel Ka e Skywalker se infiltraram com sucesso no enclave Irmã da Noite e foram levados numa lançadeira experimental à Academia das Sombras, uma estação espacial secreta usada para treinar Jedi Sombrios.

Skywalker evitou revelar a plenitude de suas habilidades durante os testes em que foram colocados pelas Irmãs da Noite, mas como sua avaliadora, uma Irmã da Noite chamada Garowyn, focou em Tenel Ka, ele estava em algum perigo de ser descoberto. Numa rápida demonstração da Força, Skywalker arremessou Garowyn numa [[Legends:cápsula de fuga]|cápsula de fuga]]] e a ejetou no espaço profundo logo depois que a Irmã da Noite tinha os colocado em curso para a Academia das Sombras. Embora seu destino primeiramente parecesse ser um espaço vazio, a estação desativou seu dispositivo de camuflagem e permitiu que a lançadeira pousasse. Contudo, antes mesmo que eles pudessem deixar a baía do hangar, Skywalker e Tenel Ka foram encontrados por Jacen, Jaina e Lowbacca, que tinham escapado do aprisionamento e de seus captores Imperiais. Antes que pudessem escapar, contudo, Skywalker foi confrontado por seu antigo aprendiz Brakiss, que estava agora encarregado da Academia das Sombras. Antes que sua discussão chegasse à violência, porém, Jaina Solo usou os canhões laser da lançadeira para desabilitar os controles das portas, separando Skywalker e Brakiss. Escapando da estação espacial, eles voltaram a Yavin Quatro, transmitindo um aviso para a Nova República. De volta à lua selvagem, Skywalker perguntou a seu sobrinho Jacen o que ele aprendeu sobre o uso de um sabre de luz, já que Brakiss permitiu que ele usasse um durante as sessões de doutrinação na Academia das Sombras. Quando o jovem Solo respondeu que ele sabia que isso não era uma arma pra ser usada de qualquer jeito, Skywalker lhe disse que a existência da Academia das Sombras significava que um novo grupo de aprendizes Jedi pode logo aparecer no conflito.[117]

Enfrentando as sombras

"Lembre-se, um Jedi apenas luta como último recurso. Se você for forçado a sacar seu sabre de luz, você já perdeu boa parte da vantagem. Um Jedi confia na Força e busca antes outras formas de resolver problemas: paciência, lógica, tolerância, ouvir atentamente, negociação, persuasão, técnicas acalmantes. Mas há momentos em que um Jedi precisa lutar. Sabendo que a Academia das Sombras está por aí, eu temo que estes momentos virão com mais frequência até nós. E portanto vocês precisam aprender como manejar seus sabres de luz."
―Luke Skywalker para quatro de seus aprendizes Jedi[fonte]

Durante este período, Skywalker enviou Jaina e Jacen, junto a Lowbacca e Tenel Ka, de volta a Coruscant para que os gêmeos Solo pudessem estar com seus pais e se afastassem um pouco dos estudos Jedi. Durante a viagem, eles conheceram e fizeram amizade com um moleque de rua chamado Zekk. Porém, Brakiss e sua ajudante Irmã da Noite Tamith Kai raptaram Zekk e, percebendo que ele era sensitivo à Força, começou a treiná-lo na Academia das Sombras após persuadir Zekk a se unir a eles. Skywalker cumprimentou seus aprendizes após seu retorno, encorajando-os ao dizer que ainda era possível redimir Zekk e que a culpa não era deles que o órfão tivesse ido para a Academia das Sombras. Contudo, após uma visita para descobrir mais do que a Nova República tinha encontrado sobre a Academia das Sombras, Skywalker ficou preocupado o suficiente sobre isso para começar preparações para uma uma batalha entre os Jedi Negros da Academia das Sombras e sua Ordem Jedi.[118]

Jacen-Skywalker

Skywalker e seu sobrinho, Jacen Solo.

Como parte das preparações, Skywalker manteve suas habilidades físicas e mentais afiadas, se desafiando diariamente com rotinas de exercícios físicos e de meditação. Skywalker também avisou seus aprendizes sobre a ameaça imposta a eles pela Academia das Sombras. Ele também informou os dois Solos, Lowbacca e Tenel Ka que chegara a hora deles construírem seus próprios sabres de luz, como a Academia das Sombras já tinha tentado visá-los, colocando-os num estado de alerta. Por algumas semanas, todos os quatro conseguiram construir suas armas únicas. Depois deles serem completos, Skywalker ajudou a instruir seus alunos no uso apropriado da arma Jedi, treinando-os com droides de duelo, alvos estacionários, e treinando com remotos antes de deixá-los praticar uns com os outros. Porém, em uma das partidas de treino, Jacen Solo acidentalmente cortou o braço esquerdo de Tenel Ka quando a energia em seu sabre de luz acabou devido a um defeito na construção. Após ver que ela recebeu atenção médica, Skywalker permitiu que Tenel Ka voltasse para sua família em Hapes, embora o episódio vazou sua identidade como a herdeira do trono Hapano a seus outros aprendizes.[119]

Contudo, Tenel Ka não podia receber mensagens dos Jedi, devido a uma ordem dada por sua vó Ta'a Chume, que estava cuidando temporariamente da garota enquanto seus pais viajavam. Skywalker, relembrando suas experiências passadas com Ta'a Chume, decidiu levar os amigos de Tenel Ka para Hapes na Caçadora de Sombras para visitá-la. Encontrando Ta'a Chume, Luke não ficou surpreso ao descobrir que senhora queria veementemente que Tenel Ka descontinuasse seu treinamento Jedi. Skywalker permitiu que os amigos de Tenel Ka ficassem em Hapes com ela enquanto ela se recuperasse, mas ele tinha assuntos mais urgentes para ver, então ele os deixou na Corte Hapana para fazerem companhia à herdeira Hapana. Após uma série de tentativas de assassinato durante sua estada em Hapes, Tenel Ka por fim decidiu voltar a Yavin 4 e completar seu treinamento como uma Cavaleira Jedi. Ela construiu um novo sabre de luz e continuou a treinar, o que agradou Skywalker, como também o progresso que seus alunos faziam em aprender os caminhos da Força.[119]

Skywalker acompanhou seu amigo Han Solo numa escolta na Orla Exterior. Pra ajudar a manter discrição, ambos disfarçaram a si e à Millennium Falcon de Solo. Solo deixou Chewbacca pra ajudar a ficar de olho nos gêmeos Solo e os dois partiram. Quando Skywalker voltou de sua missão, seus aprendizes Jedi já tinham tido seu primeiro confronto com os Jedi Negros da Academia das Sombras, incluindo Zekk, em Kashyyyk.[120] Num esforço para reforçar as defesas, Skywalker implantou geradores de escudos para proteger o Praxeum, como também aumentou o treinamento de combate terrestre para os aprendizes. Contudo, a Academia das Sombras atacou a academia Jedi, rapidamente destruindo seus geradores de escudo com uma raide de comandos. Skywalker também descobriu que suas comunicações tinham sido interrompidas, mas ele resolveu combater o ataque Imperial mesmo assim, sem reforços. Para isso, ele ordenou seus aprendizes a evacuar o Templo e enfrentar os Imperiais na selva, como ele tinha feito durante a raide de Daala anos antes.[121]

No meio da batalha, Brakiss enviou um desafio a Skywalker, pedindo para encontrá-lo no Templo do Aglomerado Folhazul. Skywalker concordou e os dois se encontraram cara a cara. Cada um tentou persuadir o outro a se juntar a ele, mas ambos esforços de Skywalker e Brakiss foram em vão. Com a persuasão tendo falhado, os dois duelaram brevemente e Skywalker destruiu o sabre de luz de Brakiss, mas o Jedi Sombrio escapou. Skywalker voltou à batalha e estava presente em sua conclusão quando Zekk apareceu, barrando o caminho para o Grande Templo. O resto dos Jedi Negros já tinham sido derrotados, mas Zekk permanecia, já que Brakiss morreu quando a Academia das Sombras se autodestruiu. Contudo, Jaina Solo se voluntariou para confrontar o Jedi Negro na esperança de redimi-lo e Skywalker permitiu que ela o fizesse. Ela no fim conseguiu, e embora o Templo tenha tomado danos pesados, Skywalker viu o rescaldo da batalha como uma oportunidade de começar o processo de reconstrução. Ele também trabalhou com Tionne no esforço de redimir os Jedi Negros que tinham sido feitos prisioneiros no ataque que falhou.[121]

Diversity Alliance

Death-star-2 Esse artigo está em construção.

O autor deve estar treinando seus poderes de Jedi.

Nos bastidores

Durante o intervalo entre os episódios IV e V, Mark Hamill (que interpreta Luke) sofreu um grave acidente de carro que o desfigurou. Com ajuda da cirurgia plástica, conseguiu recuperar-se mas as marcas ainda eram visíveis em "O Império Contra-Ataca". Para justificar as mudanças no rosto de Luke, o diretor George Lucas incluiu uma cena em "Império Contra-Ataca" em que Luke Skywalker sofria o ataque de um Wampa no planeta Hoth.

Na edição brasileira de Provação, seu nome é incorretamente traduzido como "Lucas" em pelo menos uma instância.

Notas e referências

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 Star Wars Episódio III: A Vingança dos Sith
  2. Crucible
  3. Star Wars: Legacy 3: Broken, Parte 3
  4. 4,00 4,01 4,02 4,03 4,04 4,05 4,06 4,07 4,08 4,09 4,10 4,11 4,12 4,13 The New Essential Guide to Characters
  5. StarWars.com e The New Essential Guide to Characters listam a altura oficial de Luke como 1,72 metros. O ator que o interpretou, Mark Hamill, tem 1,75 metros.
  6. Star Wars: Head-to-Head Tag Teams
  7. 7,00 7,01 7,02 7,03 7,04 7,05 7,06 7,07 7,08 7,09 7,10 7,11 Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança
  8. 8,0 8,1 Fury
  9. 9,0 9,1 Star Wars 90: The Choice
  10. 10,00 10,01 10,02 10,03 10,04 10,05 10,06 10,07 10,08 10,09 10,10 10,11 Star Wars Episódio VI: O Retorno de Jedi
  11. 11,0 11,1 11,2 11,3 11,4 11,5 Dark Empire
  12. The Unifying Force
  13. Legacy of the Force: Inferno
  14. 14,0 14,1 14,2 14,3 14,4 14,5 14,6 Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca
  15. 15,0 15,1 15,2 15,3 15,4 15,5 15,6 15,7 Dark Force Rising
  16. 16,00 16,01 16,02 16,03 16,04 16,05 16,06 16,07 16,08 16,09 16,10 16,11 Jedi Search
  17. 17,0 17,1 Star Wars: Jedi Knight II: Jedi Outcast
  18. 18,0 18,1 18,2 18,3 I, Jedi
  19. The New Essential Chronology
  20. The Essential Chronology tem uma representação dos alunos da Academia Jedi original em Yavin IV com um Jedi Anx, a mesma espécie de Madurrin. Leland Chee depois confirmou [1] que Madurrin é assumido ser o Jedi Anx, marcando-a como um dos pupilos de Luke Skywalker.
  21. 21,0 21,1 21,2 Champions of the Force
  22. 22,0 22,1 Star Wars Battlefront: Elite Squadron
  23. Star Wars: Invasion 2: Refugees, Parte 2
  24. Fate of the Jedi: Ascension
  25. Star Wars: Invasion 3: Refugees, Parte 3
  26. Star Wars: Cavaleiros da Antiga República 25: Vector, Parte 1
  27. Dark Empire 5: Emperor Reborn
  28. 28,0 28,1 The Courtship of Princess Leia
  29. Star Wars: Purge: Seconds to Die
  30. The Story of General Grievous: Lord of War
  31. 31,0 31,1 31,2 31,3 31,4 31,5 31,6 31,7 31,8 Children of the Jedi
  32. Sandstorm
  33. Adventure in Beggar's Canyon
  34. 34,0 34,1 Star Wars Journal: The Fight for Justice
  35. Luke Skywalker: Detective
  36. Star Wars Episode IV: A New Hope Romantização
  37. X-wing Collector's CD-ROM: The Official Strategy Guide
  38. Star Wars: The Roleplaying Game
  39. Tatooine Sojourn
  40. Allegiance
  41. Star Wars Blog "Barely Tolerable: Alien Henchmen of the Empire, Parte 2,"O Blog Oficial de Star Wars
  42. Star Wars: Rebellion 16: Vector, Parte 8
  43. The Star Wars Holiday Special
  44. Splinter of the Mind's Eye
  45. Galaxy Guide 3: The Empire Strikes Back
  46. Star Wars: Rogue Squadron III: Rebel Strike
  47. 47,0 47,1 Star Wars: Force Commander
  48. Star Wars 50: The Crimson Forever
  49. Star Wars 51: Resurrection of Evil
  50. Star Wars 52: To Take The Tarkin
  51. Star Wars 59: Bazarre
  52. Star Wars 61: Screams in the Void
  53. Star Wars 62: Pariah!
  54. 54,0 54,1 Shadows of the Empire
  55. Star Wars 73: Lahsbane
  56. Star Wars 80: Ellie
  57. Return of the Jedi (radio)
  58. Jedi vs. Sith: The Essential Guide to the Force
  59. The Truce at Bakura
  60. X-Wing: Rogue Leader
  61. Star Wars 89: I'll See You in the Throne Room
  62. 62,0 62,1 62,2 Star Wars 92: The Dream
  63. Star Wars Annual 3: The Apprentice
  64. Star Wars 93: Catspaw
  65. 65,0 65,1 Star Wars 96: Duel With a Dark Lady
  66. Star Wars 97: Escape
  67. Star Wars 100: First Strike
  68. Star Wars 102: School Spirit
  69. Star Wars 104: Nagais and Dolls
  70. Star Wars 105: The Party's Over
  71. Star Wars 106: My Hiromi
  72. Star Wars 107: All Together Now
  73. The Glove of Darth Vader
  74. The Lost City of the Jedi
  75. Prophets of the Dark Side
  76. Mission from Mount Yoda
  77. Dark Forces: Jedi Knight
  78. 78,0 78,1 Star Wars: Galactic Battlegrounds
  79. X-Wing: Wedge's Gamble
  80. X-Wing: The Krytos Trap
  81. X-Wing: Wraith Squadron
  82. Tatooine Ghost
  83. 83,0 83,1 83,2 83,3 83,4 83,5 Heir to the Empire
  84. 84,0 84,1 84,2 84,3 84,4 84,5 84,6 84,7 84,8 84,9 The Last Command
  85. Dark Empire II
  86. Empire's End
  87. 87,0 87,1 Star Wars: Jedi Knight: Jedi Academy
  88. 88,0 88,1 88,2 88,3 Young Jedi Knights: Heirs of the Force
  89. Young Jedi Knights: The Emperor's Plague
  90. 90,0 90,1 Junior Jedi Knights: The Golden Globe
  91. The New Jedi Order: Enemy Lines I: Rebel Dream
  92. Dark Apprentice
  93. 93,0 93,1 93,2 93,3 93,4 93,5 Darksaber
  94. 94,0 94,1 WizardsoftheCoast "Rebel Jedi" em Wizards.com (link original do artigo, link de backup)
  95. WizardsoftheCoast "Nightsaber" em Wizards.com (link original do artigo, link de backup)
  96. 96,0 96,1 96,2 96,3 96,4 96,5 96,6 Planet of Twilight
  97. Crimson Empire III: Empire Lost 1
  98. Crimson Empire III: Empire Lost 4
  99. 99,0 99,1 99,2 99,3 99,4 99,5 The Crystal Star
  100. 100,0 100,1 100,2 100,3 100,4 100,5 Before the Storm
  101. 101,0 101,1 101,2 101,3 101,4 Shield of Lies
  102. 102,0 102,1 102,2 102,3 102,4 102,5 102,6 102,7 Tyrant's Test
  103. 103,0 103,1 103,2 103,3 103,4 The New Rebellion
  104. Ambush at Corellia
  105. Assault at Selonia
  106. Showdown at Centerpoint
  107. 107,0 107,1 Specter of the Past
  108. Vision of the Future
  109. 109,0 109,1 109,2 109,3 Star Wars: União
  110. Judge's Call
  111. Junior Jedi Knights: Lyric's World
  112. Junior Jedi Knights: Promises
  113. Junior Jedi Knights: Anakin's Quest
  114. Junior Jedi Knights: Vader's Fortress
  115. Junior Jedi Knights: Kenobi's Blade
  116. 116,00 116,01 116,02 116,03 116,04 116,05 116,06 116,07 116,08 116,09 116,10 Survivor's Quest
  117. 117,0 117,1 Young Jedi Knights: Shadow Academy
  118. Young Jedi Knights: The Lost Ones
  119. 119,0 119,1 Young Jedi Knights: Lightsabers
  120. Young Jedi Knights: Darkest Knight
  121. 121,0 121,1 Young Jedi Knights: Jedi Under Siege