FANDOM


Eras-canon-transp

Eras-legends2

YodaCG Mestre Qui-Gon, mais a dizer tem?

Este artigo ou seção precisa ser expandido.
Por favor, atualize este artigo adicionando as informações faltantes. Você também pode checar a página de discussão desta página. Remova esta mensagem quando terminar.

"Tamanho não importa. Olhe para mim. Julga pelo tamanho a mim? Hmm? Não? E não deve mesmo. Aliada minha é a Força, e poderosa aliada ela é."
―Yoda, para Luke Skywalker[fonte]

Yoda, um membro de uma espécie desconhecida, foi um dos mais célebres e poderosos Mestres Jedi de todos os tempos, conhecido pela sua enorme sabedoria, conhecedor profundo da Força e habilidades em combates com sabre de luz, ele viveu por mais de 900 anos. Yoda foi um dos Grandes Mestres do Alto Conselho Jedi e seu tempo durante os últimos séculos da República Galáctica e da Ordem Jedi lhe fizeram uma figura consequencial na história galáctica.

Durante 800 anos ele treinou novas gerações de Jedi sempre lutando a favor da República Galáctica. Durante a Invasão de Naboo, o Mestre Qui-Gon Jinn apresentou um jovem menino escravo, Anakin Skywalker. Qui-Gon professou sua crença que Skywalker era o Escolhido que traria o equilíbrio à Força. Na mesma época, se descobriu que os Sith, os antigos inimigos dos Jedi, não haviam sido extintos como os Jedi acreditavam. Contra o conselho de Yoda, o Conselho Jedi concordou que Obi-Wan Kenobi, que se tornou um Cavaleiro Jedi após a morte de seu mestre, Jinn, treinaria Skywalker como um Jedi. Dez anos depois, Yoda presidiu a Ordem Jedi quando a República encontrou-se no caminho de uma guerra com a Confederação de Sistemas Independentes, liderada pelo antigo aprendiz de Yoda, o Jedi caído Conde Dookan. Yoda liderou um exército de clones que havia sido construído secretamente para a República até Geonosis para salvar Kenobi, Skywalker, e a Senadora Padmé Amidala do cativeiro Separatista, e na subsequente batalha — na qual Yoda enfrentou seu antigo aprendiz e forçou o conde a fugir — deflagrou as Guerras Clônicas entre a República e os Separatistas.

O Conselho Jedi tomou a liderança do Grande Exército da República durante as Guerras Clônica, tornando Yoda um dos Generais Jedi líderes. Ele lutou pessoalmente em alguns engajamentos na guerra, incluindo a batalha com a acólita Sith Asajj Ventress e suas forças Separatistas em Rugosa, mas principalmente comandava as tropas de longe. Perto do fim da guerra, Yoda foi contactado pelo espírito do há muito tempo morto Qui-Gon Jinn, que lhe disse que, contrário aos ensinamentos Jedi, era possível manter sua consciência após a morte. Yoda partiu numa jornada espiritual onde ele passou por uma série de testes, apresentado por um grupo de misteriosas Sacerdotisas da Força, para determinar se ele era digno de aprender os segredos da imortalidade. Esta jornada o levou ao mundo poderoso com a Força, como também Moraband, o antigo mundo natal dos Sith. Yoda foi considerando digno, e Jinn começou a ensiná-lo como desvendar este poder antigo e esquecido.

Quando as Guerras Clônicas terminaram, se descobriu que o Supremo Chanceler Palpatine era, na verdade, o Lorde Negro dos Sith conhecido como Darth Sidious, quem o Conselho Jedi estava procurando desde a Batalha de Geonosis. Enquanto Yoda comandava tropas durante a Batalha de Kashyyyk, membros do Conselho Jedi tentaram prender o chanceler, mas Sidious os derrubou e seduziu Skywalker, agora Darth Vader, ao lado sombrio da Força. Isto deflagrou a queda da Ordem Jedi, com os soldados clones pela galáxia recebendo o comando para matar os Generais Jedi. Yoda sobreviveu à tentativa de execução e escapou de Kashyyyk. Junto com Kenobi, ele se tornou um dos poucos sobreviventes da queda da Ordem Jedi, e testemunhou Sidious transformar a República no Império Galáctico. Yoda tentou confrontar e derrotar o Imperador, mas foi forçado a se retirar. Após o nascimento secreto dos gêmeos de Vader, Luke Skywalker e Leia Organa, Yoda ajudou a arranjar para que as crianças fosse escondidas de seu pai, e então foi a exílio em Dagobah.

Yoda permaneceu em exílio por mais de duas décadas. Durante seu exílio, ele observou de longo outros sobreviventes Jedi continuarem a operar através da galáxia, dando conselho a Jedi como Kanan Jarrus e seu Padawan, Ezra Bridger. Durante a Guerra Civil Galáctica, Luke Skywalker chegou em Dagobah a pedido de Kenobi, que foi derrubado por Vader mas também usou os segredos dados a ele por Qui-Gon Jinn para reter sua consciência. Yoda foi relutante em treinar o garoto, mas começou a instruí-lo nos caminhos dos Jedi. Luke deixou Dagobah para salvar seus amigos na Cidade das Nuvens, mas retornou muitos meses depois para completar seu treinamento. Nesse tempo, Yoda tinha adoecido e estava prestes a morrer, mas viveu tempo suficiente para confirmar a Luke a verdade que ele descobriu na Cidade das Nuvens: Darth Vader era seu pai. Yoda pronunciou suas últimas palavras, que havia outro Skywalker — Leia — e passou para a Força. Ele apareceu como espírito, junto aos espíritos de Kenobi e um redimido Anakin Skywalker, após a Aliança pela Restauração da República derrotar o Imperador e emergir vitoriosa na Batalha de Endor.

Após a morte de Yoda, Luke o desejo de morte de seu mestre: passar adiante o que aprendeu para numa nova geração de Jedi. A tentativa de Luke de restaurar a Ordem Jedi falhou, entretanto, quando seu sobrinho, Ben, caiu para o lado sombrio e destruiu a nova geração de Jedi. Luke foi a exílio, mas uma jovem sucateira sensitiva à Força chamada Rey depois se encontrou numa missão de encontrar o lendário Mestre Jedi e trazê-lo de volta à luta contra o lado sombrio. Durante sua missão, ela teve uma visão do passado e ouviu a voz de Yoda nela, dizendo que a Força era uma poderosa energia que cercava toda a vida na galáxia.

Biografia Editar

Pré-Invasão de Naboo Editar

Nascido 900 anos antes da Batalha de Endor,[1] Yoda pertencia a uma antiga e misteriosa espécie[3]. Como ele era sensível à Força, ele se juntou à Ordem Jedi. Depois de realizar o ritual conhecido como a Coleta, ele recebeu seu cristal kyber, e o Professor Huyang o ajudou a construir seu primeiro sabre de luz abordo da Cadinho.[12][13] Depois disso, Yoda se tornou aprendiz de seu Mestre Jedi, que contou a Yoda as histórias de K'ungfu e Chuang, dois grandes Jedi do passado.[4] Por volta da idade de 100 anos, Yoda estava pronto para passar a frente o que ele aprendera. Tendo conquistado o ranque de Mestre, ele iria passar os próximos oito séculos treinando gerações de Jedi. [2] Foi estimado que, durante sua vida, Yoda treinou cerca de 20.000 Jedi.[14]

Séculos mais tarde, Yoda tomaria para si como seu último Padawan conhecido da era da República Galáctica um humano chamado Dookan.[15] Durante uma missão ao mundo natal dos Wookiees, Kashyyyk, o Padawan testemunhou seu mestre lidar com um gigante terentatek.[16]

Yoda visitaria Kashyyyk várias outras vezes antes da Batalha de Kashyyyk, servindo como negociador Jedi em vários incidentes envolvendo os Wookiees e seu vizinhos Trandoshanos. Com isso, Yoda foi agraciado com o antigo título de "Defensor da Árvore Lar", assim como se tornando um membro de várias famílias de honra de Kachirho.[17]

Yoda também ensinava jovens antes de se tornarem um aprendiz Padawan[18], incluindo Obi-Wan Kenobi.[19] Caleb Dume com frequência ouvia de Yoda o conselho de "Faça, ou não faça. Tentativa não há."[20] Ele também ensinava grupos de jovens o básico do treinamento Jedi, incluindo instrução de sabre de luz. [15][21]

Invasão de Naboo Editar

"Não há dúvida de que o guerreiro misterioso era um Sith."
"Sempre dois, existem. Não mais, não menos. Um mestre e um aprendiz."
"Mas qual foi destruído, o mestre ou o aprendiz?"
―Mace Windu e Yoda, sobre Darth Maul[fonte]
Yoda Episode I Canon

Yoda durante a crise de Naboo.

Durante a invasão ao planeta de Naboo pela Federação de Comércio, Yoda fazia parte do Conselho Jedi como Grão-Mestre da Ordem Jedi. Ele estava presente quando o Mestre Jedi Qui-Gon Jinn apresentou Anakin Skywalker, um jovem recém-liberto escravo do planeta Tatooine, ao Conselho, esperando que ele fosse treinado. Embora Jinn acreditasse que o garoto fosse o profetizado Escolhido, que se acreditava que traria equilíbrio à Força, Yoda e os outros membros do Conselho não compartilharam sua opinião, sentindo um futuro incerto e muito medo no garoto, e não deram a permissão de iniciar o treinamento. [22]

Depois que Jinn e seu Padawan, Obi-Wan Kenobi, retornaram a Naboo, eles enfrentaram um usuário da Força do lado sombrio chamado Darth Maul, um Zabrak Dathomiriano aprendiz do Lorde Sith Darth Sidious. O duelo resultou na morte de Qui-Gon e na derrota de Maul. Yoda, junto com outros membros do Conselho, estava presente na celebração de vitória de Naboo e no funeral de Jinn, comentando o aparente ressurgimento dos Sith com o Mestre Mace Windu e dizendo que a Regra de Dois,[22] o sistema de sucessão dos Sith da época[23], significava que outro Sith ainda existia. Sem que os Jedi soubessem, o outro Sith era Sheev Palpatine, o recém-eleito Chanceler Supremo da República Galáctica. [22]

Com Qui-Gon Jinn morto, depois dos eventos de Naboo, o Conselho nomeou o Padawan de Jinn, Obi-Wan Kenobi, um Cavaleiro Jedi, que informou que o derradeiro desejo de Qui-Gon era que Skywalker fosse treinado. Relutantemente, Yoda permitiu que Obi-Wan tomasse Anakin como seu aprendiz Padawan. [22]

Guerras Clônicas Editar

Prelúdio da guerraEditar

"Mestre Yoda, você acha que estamos caminhando para uma guerra?"
"Hmmm. O lado sombrio a tudo obscurece. Impossível de ver o futuro é.
"
―Palpatine e Yoda[fonte]
FiveFamousJediContinueToFailToDetectTheSith-AotC

Yoda na véspera das Guerras Clônicas.

Dez anos após a crise Naboo, milhares de sistemas,[10] desiludidos pelo excesso de impostos, secessionaram-se da República Galáctica e formaram a Confederação de Sistemas Independentes sob a liderança do Conde Dookan,[24] um antigo aprendiz de Yoda[10] que deixou a Ordem devido à corrupção generalizada na República.[25] Enquanto o Senado Galáctico, o principal órgão de governo da República,[26] debatia a criação de um exército permanente, uma tentativa mal sucedida foi feita contra a vida da Senadora Amidala de Naboo. Após o Cavaleiro Jedi Obi-Wan Kenobi e seu Padawan Anakin Skywalker encurralarem o assassino, este foi morto por um agente misterioso que escapou usando sua mochila a jato. Os eventos levaram o Conselho, que incluía Yoda, a apontar Kenobi para rastreá-lo.[10]

A investigação de Kenobi o levou à tentativa de encontrar o planeta Kamino, cuja localização tinha desaparecido dos Arquivos Jedi, alarmando Yoda, já que apenas um Jedi poderia ter apagado os arquivos. Interrompendo uma sessão de treinamento com o Clã Urso, Yoda ajudou Kenobi a recobrar a localização exata do mundo através da meditação, permitindo ao último viajar até lá.[10]

Seguindo a partida de Kenobi, Yoda experienciou uma visão enquanto meditava, na qual ele ouvia a voz do espírito de Qui-Gon Jinn, e sentia que Anakin Skywalker sentia dores terríveis. Ele discutiu a visão com o colega Mestre Mace Windu em seguida.[10]

Tendo chegado em Kamino, Kenobi relatou que os clonadores Kaminoanos tinham criado um exército de clones, e a ordem para tal tinha sido feita pelo Mestre Jedi Zaifo-Vias,[10] que falecera perto da época da Invasão de Naboo.[27] Kenobi acredito que o modelo usado para criar o exército, o caçador de recompensas Jango Fett, era a pessoa envolvida no ataque a Amidala. Após um breve encontro com Fett, Kenobi o seguiu ao planeta Geonosis, onde ele descobriu que os Separatistas de Dookan ordenaram a tentativa de assassinato a Amidala e construíram um exército de droides. Após retransmitir a informação ao Conselho Jedi, Kenobi foi capturado e marcado para execução, depois reunido com Amidala e Anakin Skywalker.[10]

Batalha de GeonosisEditar

"A opressão do lado sombrio caiu sobre nós. Iniciada, a Guerra Clônica está."
―Mestre Yoda[fonte]
Yoda1280

Yoda duela com seu antigo aprendiz Dookan em Geonosis.

Notícias da captura de Skywalker e Kenobi levaram o Conselho a expedir uma força de ataque Jedi para Geonosis, enquanto Yoda seguia para Kamino para tomar comando das forças clone. Quando a força de ataque interrompeu a execução de Kenobi e seus associados, sofrendo perdas nas mãos das numericamente superiores forças de droides de batalha da Confederação, Yoda levou os clones à batalha, então começando o conflito galáctico que seria conhecido com as Guerras Clônicas.[10]

Enquanto as forças clone enfrentavam as forças da Confederação numa massiva batalha, Yoda seguiu para resgatar Kenobi e Skywalker de Dookan, que havia incapacitado a dupla em um duelo. O diminuto Mestre Jedi repeliu as investidas telecinéticas e relâmpagos da Força de Dookan, e então entrou num breve mas intenso duelo. Dookan percebeu que ele não poderia superar Yoda e telecineticamente desestabilizou um largo pilar de metal, forçando Yoda a interromper o duelo e usar seus poderes para impedi-lo de esmagar Obi-Wan e Anakin. Dookan usou a distração para escapar em seu veículo pessoal. Embora a batalha em Geonosis terminasse a favor da República, Yoda ficou preocupado com a crescente influência do lado sombrio da Força e o resultado das Guerras Clônicas.[10]

Orientando Anakin SkywalkerEditar

Enquanto as Guerras Clônicas prosseguiam, Yoda decidiu mitigar o medo e inabilidade do Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker de perder seus entes queridos atribuindo-lhe uma aprendiz Padawan, Ahsoka Tano. Ele acreditava que ao se tornar um professor, Skywalker se desenvolveria emocionalmente e quando chegasse a hora de Tano seguir por conta própria, ele entenderia que sua ligação excessiva com aqueles com que ele se preocupava era desnecessária.[2] Tano viajou ao planeta de Christophsis, onde ela se apresentou a Skywalker no meio da batalha contra as forças Confederadas.[28]

Após a batalha ser concluída, Yoda em pessoa chegou ao planeta e designou à dupla a tarefa de encontrar Rotta,[28] o filho do influente Hutt lorde do crime Jabba, que fora raptado como parte de um plano orquestrado por seu tio Ziro para enganar os Hutts e os Jedi e arrastá-los para uma guerra.[29] Após os dois Jedi com sucesso completarem a missão, Yoda, junto a um grupo de clones, os tiraram do planeta Tatooine.[28]

Missão a RugosaEditar

Ventress: "Se Yoda é de fato o guerreiro Jedi que você acredita que ele é, deixe-o provar. Permita-me enviar minhas melhores tropas para capturá-lo. Se ele escapar, junte-se à República. Mas se meus droides derrotarem Yoda, considere uma aliança com os Separatistas."
Katuunko: "E não pedi a presença de Yoda aqui para testá-lo em batalha."
Yoda: "Aceitar o desafio eu vou, Sua Alteza. Chegar pelo anoitecer, eu irei."
―Asajj Ventress desafio Yoda a uma competição; Yoda aceita.[fonte]
TeamRepublic-Ambush

Yoda com os soldados clone em Rugosa.

Algum tempo depois, Yoda, junto a uma escolta de soldados clone, foi enviado à lua coral neutra, Rugosa, para negociar a construção de uma base da República em território Toydariano com o monarca em exercício, Rei Katuunko. Simultaneamente, a Confederação mandou Asajj Ventress,[30] uma assassina treinada pelo líder Confederado Dookan,[31] à lua com uma escolta droide para pressionar Katuunko a se juntar com os Separatistas.[30]

A espaçonave de Yoda foi emboscada por dois veículos Confederados após chegar no sistema, forçando-o a usar uma cápsula de fuga para pousar na superfície da lua, acompanhado por três soldados clone. O Jedi com sucesso fez contato com a delegação Toydariana, incitando Ventress, que estava na localização do rei, a desafiar Yoda: se ele pudesse derrotar suas unidades droide, Toydaria se juntaria à República, mas uma derrota resultaria no planeta pleiteando sua aliança à Confederação. O Jedi aceitou, e Katuunko requisitou que ele recebesse uma luta justa, a qual Ventress não pretendia honrar.[30]

Encontrando os droides, Yoda destruiu um esquadrão inteiro deles sozinho sem usar seu sabre de luz, e voltou para ajudar seus companheiros clone, até a chegada de droidekas forçá-los a fugir. O Jedi cobriu sua fuga ao defletir os tiros de blaster numa formação rochosa próxima que colapsou e os esmagou, após o qual ele e seus clones se retiraram numa caverna próxima para descansar. Na caverna, Yoda descontraiu com seu papel natural de professor. Chamando cada clone pelo nome, ele ergueu a moral deles ao lecioná-los sobre sua individualidade na Força.[30]

Após ouvir o som de mais unidades Confederados se aproximar, Yoda e sua escolta deixaram a caverna. O Grande Mestre enfrentou e destruiu três tanques e sua infantaria associada sozinho, divertindo o rei e irritando Ventress, que assistiam o progresso dos droides por holograma. Rompendo os termos da competição, a assassina enviou droidekas para lidar com Yoda, os quais os clones impediram ao lançar seu foguete final o que fez que o inimigo se enterrasse abaixo de um deslizamento de rochas.[30]

A crise da MalevolênciaEditar

Ahsoka speaks out

Yoda e Windu consultam Ahsoka Tano, que insistia em resgatar Koon.

Enquanto a guerra progredia, a Confederação desenvolveu a Malevolência, um cruzador pesado projetado para incapacitar e destruir veículos da República com seus canhões de íons gigantescos, a qual conseguiu destruir dezenas de naves em deixar sobreviventes.[32] O Conselho Jedi enviou o Mestre Jedi Plo Koon para rastrear a super-arma, mas após localizá-la, sua frota foi emboscada e destruída pela espaçonave. Embora Koon e alguns clones sobreviveram numa cápsula de fuga, Yoda, junto ao companheiro Jedi Mace Windu e Obi-Wan Kenobi, proibiram Anakin Skywalker e Ahsoka Tano de procurar no sistema por sobreviventes, citando a ameaça posta pela Malevolência. Skywalker e Tano, no entanto, desconsideraram seus avisos e resgataram Koon com sucesso.[33] A Malevolência foi destruída depois por uma investida combinada da República.[34]

Captura de GunrayEditar

Algum tempo depois da destruição da Malevolência, o Vice-rei da Federação de Comércio Nute Gunray foi capturado pela República no planeta de Rodia, mas enquanto ele era transportado para Coruscant à bordo do cruzador Tranquilidade pela Mestre Jedi Luminara Unduli e Ahsoka Tano, uma equipe de invasão Separatista liderada por Asajj Ventress libertou o prisioneiro. Unduli e Tano depois reportaram a perda de Gunray a Anakin Skywalker e Yoda.[35]

Ataque no Templo JediEditar

Epguide520

Ahsoka Tano fala ao Conselho Jedi.

Durante o auge da guerrra, Barriss Offee com a ajuda de Letta Turmond bombardeou o Templo Jedi em Coruscant. Yoda então ordenou Anakin Skywalker e sua Padawan Ahsoka Tano a voltarem de Cato Neimoidia pra ajudar a investigar, recusando-se a confiar em qualquer um que estava no templo durante o bombardeio. O julgamento de Yoda estava obscurecido, mas ele ainda guiou os Jedi como o líder do Conselho.[36]

Turmond foi capturada por Skywalker e Tano. Na prisão, ela requisitou que Tano falasse com ela, dizendo que ela era a única em quem confiaria. Quando Turmond foi estrangulada até a morte pela Força e diversos clones assassinados por um sabre de luz, Wilhuff Tarkin, que estava servindo como almirante no Exército da República, prendeu Tano, acusando-a de ser a mentora responsável pelo ataque. Desesperada para provar sua inocência, Tano escapou da prisão, resultando numa caçada liderada por Anakin Skywalker e pelo Capitão Rex. Durante a caçada, Tano perdeu seu sabre de luz Shoto.[37]

Após Tano aludir seu mestre e fugir para o Submundo, Yoda ordenou a Skywalker e Plo Koon a encontrá-la e trazê-la ao templo. Tano foi rapidamente capturada por Asajj Ventress, que concordou em ajudar a jovem Padawan em troca do perdão pelos crimes de Ventress como uma Sith. Tano contactou Barriss Offee no templo Jedi. Offee levou Tano a uma armadilha lhe dizendo que ela poderia encontrar evidências para provar sua inocência indo a um armazém no Nível 1315. Lá, Offee enganou Ventress, roubando seus sabres de luz e máscaras. Ela atacou Tano, derrubando-a em frente de caixas de Nanodroides e efetivamente enquadrando-a pelo bombardeio.[38]

Tano foi eventualmente levada de volta ao Templo, onde Yoda e o resto do Conselho Jedi relutantemente concordou em expulsá-la da Ordem Jedi e fazê-la enfrentar um tribunal militar diante do Senado. Yoda, Obi-Wan Kenobi, Plo Koon e diversos outros membros do Conselho estavam presentes na sala da corte, onde Tano era acusada por Tarkin e defendida por Padmé Amidala. No entanto, antes que o júri pudesse dar sua decisão, Skywalker interrompeu com Barriss Offee, que confessou ser a responsável pelos bombardeios e pelo enquadramento de Tano. À luz desta revelação, Yoda, Skywalker e o Conselho pessoalmente convidaram Tano para retornar à Ordem, mas para sua surpresa, ela recusou e saiu. Yoda iria se arrepender da decisão do Conselho e começou a questionar a doutrina da guerra.[39]

Revelando a VerdadeEditar

Yoda Speaking To The Council

Yoda fala com o Conselho sobre Tup.

Antes do início da guerra, Palpatine e seu aprendiz, Conde Dookan secretamente criaram um Exército de Clones com a ajuda de um precipitado Zaifo-Vias, que tivera visões de um conflito de antemão. Quando isto foi feito, eles implantaram chips inibidores em seus cérebros, o que forçava os clones a fazerem qualquer coisa que Palpatine lhes dissesse, neste caso executar os Jedi. Com um simples comando, os clones entrariam num estado de transe e realizar quaisquer ordens que lhe fosse dadas.[40]

Durante a Batalha de Ringo Vinda, o Soldado Clone Tup assassinou a Mestra Jedi Tiplar quando seu chip inibidor chip foi ativado prematuramente. Sidious ordenou Dookan a apreennder Tup e impedir os Jedi de descobrirem a verdade. Tup foi eventualmente enviado a Kamino após Anakin Skywalker, Capitão Rex e o soldado ARC Fives conseguiram recuperar Tup de um Transporte Separatista.[41]

Após escoltarem Tup a Kamino, Fives e Rex foram recebidos pela Mestra Jedi Shaak Ti, junto ao principal desenvolvedor dos clones, o cientista Kaminoano Nala Se. Rex voltou a Ringo Vinda enquanto Fives permaneceu em Kamino para passar por exames para caso esteja numa situação similar. Disputas sobre os testes levaram a um debate. Enquanto Shaak Ti recomendava um escaneamento cerebral, Nala Se sugeriu exterminar o clone e realizar uma autópsia para isolar o case. Shaak Ti contactou o Templo Jedi onde Yoda, junto a Obi-Wan Kenobi, decidiram que Tup deveria ser levado ao templo para ser examinado através da Força.[40]

O que os Jedi não sabiam era que os Kaminoanos sabiam dos chips inibidores e estavam trabalhando com o Conde Dookan, que usava seu nome Sith, Tyrannus, para impedir os Jedi de fazer a conexão. Dookan ordenou que Tup fosse exterminado e que o chip fosse enviado até ele para ser examinado. [40]

Bravo com Nala Se e a Mestra Ti por seu tratamento a Tup, Fives escapou do centro médico e embarcou em seu próprio plano. Fives fingiu deixar o planeta, mas ficou pra tentar salvar Tup e descobrir a verdade. Ele e o droide médico AZI-3 conseguiram realizar um escaneamento cerebral em Tup, onde eles descobriram os chips inibidores. Fives fez o droide remover o chip do seu cérebro e do de Tup. Infelizmente, o já acordado Tup morreu logo após a operação, sussurrando suas últimas palavras a Fives.[40] Fives culpou Nala Se pelo que aconteceu com Tup. Suspeitando da traição dos Kaminoanos, e com o apoio da Mestra Ti, Fives insistiu em apresentar sua evidência e os chips removidos diretamente para Palpatine. Fives foi eventualmente levado a Coruscant, a pedido de Shaak Ti, onde ele foi levado diante do Chanceler. Quando a nave aterrissou, Nala Se drogou Fives, fazendo-o agir de forma estranha.[42]

Quando Fives tentou assassinar Palpatine, Yoda foi parte do Conselho Jedi que ordenou Anakin Skywalker a investigar. Fives foi morto no fim, e Yoda no fim foi informado que os tinham encontrado outra causa, e que uma vacina tinha sido preparada, no caso de um futuro incidente.[43]

Zaifo-ViasEditar

"Saiba agora que nós guiamos a criação dos clones desde o começo, Dookan o fez. Hm, nosso inimigo criou um exército para nós."
"Se isso fosse conhecido, a confiança pública no esforço de guerra, nos Jedi, e na República desapareceria. Haveria caos em massa."
"Cobrir esta descoberta nós precisamos. Ninguém, nem mesmo o Chanceler, pode saber. Valentes homens os clones provaram ser. Minha vida e a sua eles salvaram várias vezes. Acreditar neles nós devemos. Ganhar rapidamente a guerra, antes dos projetos de nossos inimigos se completarem, sejam lá quais forem.
"
―Yoda e Mace Windu[fonte]

Algum tempo depois, os Jedi receberam um sinal de socorro de uma lua perto de Oba Diah. Enviando Plo Koon e o Comandante Wolfe para investigar, eles encontraram os restos de um cargueiro e o sabre de luz do Mestre Jedi Zaifo-Vias, que foi morto algum tempo ao redor da Batalha de Naboo enquanto lidava com um conflito em Felucia. Após revisar os arquivos do templo, Jocasta Nu e os Jedi descobriram que a informação havia sido selada por ordem do Supremo Chanceler. Enquanto enviava Anakin Skywalker e seu mestre, Obi-Wan Kenobi a Felucia, Yoda foi falar com Palpatine, sem saber que ele era o Lorde Sith que orquestrou o assassinato e a criação do Exército de Clones. Palpatine disse a Yoda visitar o Chanceler Valorum (estes eventos aconteceram antes do Voto de Desconfiança que levou Palpatine a se tornar Chanceler). Palpatine então contactou Conde Dookan, lhe dizendo para destruir a última peça do quebra-cabeças antes que os Jedi pudessem desvendar o mistério.[44]

Valorum Yoda The Lost One

Yoda encontra o antigo Supremo Chanceler Finis Valorum em Coruscant.

Anakin e Obi-Wan tentaram se comunicar com a tribo de nativos em Felucia, mas foram incapazes de entendê-los. Eles descobriram, no entanto, que um Segundo Jedi tinha aparecido com Zaifo-Vias.[44]

Valorum disse a Yoda que ele enviou Zaifo-Vias para negociar com o Sindicato Pyke para parar um comércio de drogas em expansão por baixo de Coruscant. Valorum disse também que manteve isso em segredo, temendo seus oponentes na burocracia. As conversas foram adiados após o Conselho enviar Zaifo-Vias para intervir em Felucia. Valorum foi incapaz de identificar o segundo Jedi, mas disse que seu assistente, Silman, estava com Zaifo-Vias quando ele foi derrubado.[44]

Eventualmente, Yoda enviou Anakin e Obi-Wan para Oba Diah, onde eles descobriram que os Pykes foram pagos para derrubar a nave carregando Zaifo-Vias, mas mantiveram Silman capturado como crédito e que Dookan era de fato o indivíduo conhecido como Tyrannus, levando-os a perceber que Dookan personificou Zaifo-Vias para ajudar a levar adiante as Guerras Clônicas. Yoda, sem saber como parar o complô, sugeriu que os Jedi mantivessem a descoberta em segredo, e que eles deveriam continuar jogando o jogo do Lorde Sith. [44]

Descoberta da imortalidadeEditar

YodaHearsQui-Gon

Yoda escuta a voz de Qui-Gon Jinn.

Enquanto meditava nos dias finais da guerra, Yoda ouviu a voz de Qui-Gon Jin, que provou sua presençafazendo com que Yoda levitasse. O encontro deixou Yoda distraído durante o subsequente encontro do Conselho, deixando-os preocupados se o estresse da guerra havia finalmente o atingindo. Enquanto perambulava pelos jardins do Templo, Yoda foi abordado por Anakin. Yoda falou sobre seu encontro com Qui-Gon, ao qual Anakin considerou um truque, os Jedi não acreditavam que alguém poderia manter sua indentidade após se tornar um com a Força. Yoda respondeu que agora questionava esse dogma.[45]

Yoda revelou o ocorrido ao conselho jedi, muitos se provaram incrédulos. Eles concordaram em meditar junto à ele ara verificar a veracidade de seu relato. Mesmo meditando por um dia inteiro, eles não conseguiram ouvir nada. Ki-Adi-Mundi começou a temer que Yoda havia se tornado suscestível a manipulação Sith, convencendo-o a fazer testes médicos, que provaram que sua saúde estava em bom estado. O Médico Jedi Rig Nema sugeriu que Yoda realizasse um ritual de privação que o permitisse meditar mais intensamente para encontrar a fonte da voz.[45]

Yoda concordou, ele foi posto em um tanque líquido e colocou uma máscara de ar para se aproximar da morte o mais próximo possível. Quando inconsciente, a voz de Qui-Gon falou para ele ir para Dagobah sem contar a ninguém. Depois disso, Obi-Wan quebrou o tanque por causa da queda dos sinais vitais de Yoda.[45]

Posto sob descanso e guardas, Yoda convenceu Anakin a ajudá-lo a escapar, fingindo estarem apenas andando juntos em uma caminhada. Guiado até o hangar do Templo Jedi, Anakin emprestou Yoda seu droide astromecânico R2-D2 para acompanhá-lo. Yoda e R2-D2 partiram para Dagobah.[45]

YodaDagobahLight

Yoda comunica-se com Qui-Gon em Dagobah.

A voz de Qui-Gon o saudou. Yoda perguntou por que ele não conseguia vê-lo. Qui-Gon então explicou que ele não havia sido completamente treinado. A Força apareceu para Yoda na forma de vaga-lumes, guiando Yoda até uma caverna forte com o lado sombrio, ela mostrou ao Mestre Jedi uma visão do futuro, onde um Lorde Sith encapuzado massacrava os Jedi. Qui-Gon explicou a um Yoda nervoso que ele iria ajudá-lo a trazer esperança ao futuro e o guiaria até o planeta que gerava Midi-chlorians[45][46]

Chegando lá, Yoda deu seu Sabre de luz para R2-D2 e aterrisou no planeta ao encontro de Sacerdotisas da Força, que concordaram em ensiná-lo como conseguir vida após a morte. Primeiro, Yoda enfrentou uma manifestação do seu próprio lado sombrio, derrotando sua arrogância. Depois, ele teve uma visão dos Jedi sendo massacrados no Templo, onde uma Ashoka Tano quase falecida pergunta se ela se tornaria uma com a Força mesmo depois de ter sido expulsa da Ordem; essa visão era uma maifestação da culpa de Yoda por ter colocado Tano em um caminho que levou a sua partida. Uma aparição de Katooni convidou Yoda a adentrar um quintal pacífico para escapar desses eventos dolorosos. Ele então viu Qui-Gon Jin, Kenobi, Tano e Dooku juntos, juntos e ainda Jedis, Yoda eventualmente reconheceu a falsidade em sua visão anterior.[46]

EpGuide613

Yoda enfrenta o espectro de Darth Bane.

Instruído a completar seus testes no planeta Sith Moraband, Yoda e R2-D2 foram para o Vale onde os antigos Lordes Sith foram enterrados. Reconhecendo o perigo, Yoda pediu que R2-D2 retornasse ao Templo Jedi e informasse o Conselho do que acontecesse, caso ele não conseguisse retornar após três noites. Espectros de uma serpente, guerreiros Sith mortos-vivos e até o próprio Darth Bane o confrontou, mas Yoda os afastou. Ele entrou em uma camâra de execução, as Sacerdotisas alertaram Yoda que quaisquer que fossem os eventos prestes a acontecer, eles estariam além de qualquer controle.[47]

Sem que Yoda soubesse, Darth Sidious e Conde Dookan sentiram sua presença em Moraband e encontraram-se em uma torre abandonada no setor industrial de Coruscant. O Mestre Sith bolou um plano que consistia em explorar a conexão existente entre Dookan e Yoda, para que pudesse alcançá-lo a fim de destruir seu espírito. Aparecendo para ele na forma de Zaifo-Vias, Sidious fez com que tivesse uma visão em que estava abordo de um transporte de ataque da República, juntamente com Anakin e os membros 501ª Legião, a caminho para acabar com a ameaça Sith em Coruscant. Assim que chegaram, os clones, liderados pelo Capitão Rex, correram até Dookan apenas para serem atingidos por Relâmpagos da Foça. Dookan foi imediatamente atacado por Anakin, dando tempo para que Sidious escapasse. Andando tristemente pelos clones assassinados, um Yoda assustado testemunhou a brutal decapitação do Conde por Skywalker. Entretanto, ele deixou-o para trás e partiu para alcançar o Lorde Sith.[47]

Suspensos em uma passarela, o Jedi e o Sith duelaram. Anakin tentou ajudar, mas ficou inconsciente depois de ter sofrido um ataque de Sidious. Sentindo uma oportunidade, ele estragou a passarela, forçando Yoda a dividir sua atenção entre levitar Anakin para evitar sua queda e bloquear os ataques de Sidious. Entretanto, quando esse sugeriu que o Jedi sacrificasse o companheiro para que pudesse focar em derrotá-lo, Yoda desativou seu sabre de luz e focou na suspensão de Skywalker. Quando a passarela caiu, a segurança de Anakin já havia sido garantida pelo Mestre Jedi, que então tornou a voltar sua atenção para Sidious, agarrando-o e carregando-o para baixo junto com ele. O incidente provou o altruísmo de Yoda e demonstrou sua determinação para com Sidious, que concluiu que seria preciso de mais para derrotar o Jedi.

Quando Yoda finalmente despertou e foi saudado pela Sacerdotisa, que explicou que seu treinamento continuaria com o fantasma de Qui-Gon Jinn. Assim que ela desapareceu em um golfo de luz, outra visão do futuro, incluindo da sua própria morte, o acometeu.[48] Ao retornar para o Templo Jedi, foi cumprimentado no jardim por Mace Windu e por Obi-Wan Kenobi. Relatou que sua jornada havia sido desprovida de intercorrências, mas que demonstrou que os Jedi estavam errados ao travar uma guerra em nome da República.[47]

A Crise do Cristal de UtapauEditar

Obi-Wan e Anakin foram enviados ao planeta Utapau por Yoda e seus companheiros do Conselho Jedi para investigar a morte da Mestre Tu-Anh.[49] Descobriu-se que ela estava investigando esforços Separatistas para escavar um enorme Cristal kyber em Utapal. Depois de destroçar o Cristal e, com isso, impedir que as forças da Confederação obtivessem acesso à arma, Yoda estava presente na sessão do Conselho em que os dois Jedi informaram os eventos que se sucederam no planeta. Durante o encontro, Yoda recordou como os Sith da antiguidade haviam construído super armas usando Cristais Kyber como fonte de energia. Ele temia que o Mestre até então desconhecido de Dookan houvesse tido a mesma ideia.[50]

A tentativa de assassinatoEditar

"Uma, há, que tentou e falhou. Ainda sim, mais próxima ela esteve de matar Conde Dookan que qualquer outro."
"Você não pode estar se referindo à Ventress!"
―Yoda e Kenobi discutindo os méritos da parceria de Ventress com Quinlan Vos[fonte]
Dark Disciple Cover Detail

O Conselho Jedi firmou a parceria de Asajj Ventress e Mestre Quinlan para assassinar Dookan.

Relutante, o Conselho Jedi concluiu, após testemunhar-via holograma- o ataque brutal de Conde Dookan à Mahranee, planeta natal da espécie Mahran, que Dookan deveria ser assassinado para dar fim a guerra e prevenir mais mortes. O Mestre Quinlan Vos, por sua considerável experiência com missões de disfarce, foi escolhido para terminar com o líder Separatista. Quando ele sugeriu que um parceiro o acompanhasse, Yoda recomendou Asajj Ventress, antiga aprendiz Sith de Dookan e uma Irmã da Noite, uma vez que era de seu conhecimento o ódio que ela nutria por seu antigo Mestre. Ventress concordou em participar da missão, mas insistiu que Vos deveria aprender os caminhos do Lado Sombrio da Força.[6]

Ainda que tenham se preparado, o Jedi e a Caçadora de recompensas foram derrotados por Grievous e pelo Sith, que levou Quinlan como cativo. Em uma árdua manobra, Dookan conseguiu fazer com que o Jedi tombasse para o Lado Sombrio ao revelar que seu Mestre, Tholme, havia sido morto por Asajj. Depois de ter recusado o resgate oferecido por ela, Vos se tornou o mais novo aprendiz Sith de Dookan e assumiu a personalidade de "Almirante Enigma". Obi-Wan foi então informado dos eventos que se sucederam e repassou a notícia aos demais membros do Conselho, incluindo Yoda. Pelos próximos meses, Enigma contribuiu para inúmeras vitórias Separatistas.[6]

Obi-Wan e Yoda defenderam Asajj Ventress assim que Mace Windu propôs sua prisão, quando foi levada pelo velho amigo de Quinlan, Akar-Deshu, um Jedi Mahran para discutir o resgate do Jedi. Windu permaneceu desconfiado das verdadeiras intenções de Asajj, mas tanto Kenobi quanto Yoda acreditavam veementemente que ela havia abandonado as maneiras Sith e que gostava genuinamente do Jedi. Depois que Anakin, Deshu e ela foram mandados para fora, o Conselho debateu sobre sua inclusão ou não na missão. Kenobi voluntariou-se para liderar a operação de resgate, oferta que foi aceita por Yoda, o qual argumentou que Ventress era a chave para o sucesso da missão. Além disso, sugeriu que ele levasse, também, seu companheiro e amigo Anakin Skywalker.[6]

Depois que o Almirante Wullf Yularen avisou-os dos planos de Dookan e seu aprendiz para atacar Taris, o Conselho definiu que eles deveriam agir depressa se quisessem resgatar o Quinlan. Por fim, uma anistia foi oferecida à Asajj Ventress caso ela libertasse o Jedi. A missão foi um sucesso e Quinlan Vos foi foi recuperado com vida. Para compensá-la por seus serviços, Ventres foi formalmente perdoada. Contudo, sem que Yoda e seus amigos soubessem, Vos havia se tornado um agente duplo para os Separatistas a fim de conquistar a confiança de Dookan e por fim, descobrir a identidade de Darth Sidious para que pudesse destruí-lo.[6]

Dispondo da sua posição na Ordem Jedi, Vos vazou informações sobre os Jedi e base de operações militares da República para o Conde Dookan, resultando na debilitação dessas atividades pelos Separatistas. Depois que diversos membros do Conselho externaram suas desconfianças sobre a verdadeira lealdade de Vos, Yoda arranjou uma reunião particular com Quinlan e foi capaz de deduzir que ele havia caído para o lado sombrio. Para testar sua lealdade, o Conselho Jedi enviou-o para assassinar o Sith, mas Anakin e Obi-Wan foram enviados, secretamente, para seguí-lo.[6]

O Jedi conseguiu derrotá-lo no combate com sabres de luz, mas não o matou. Quando ele exigiu que Dookan levasse-o até Sidious, Kenobi e Skywalker revelaram-se e prenderam ambos. Depois que descobriu da prisão dos dois, Mestre Yoda ordenou que Obi-Wan trouxesse-os para o Templo Jedi onde seriam interrogados e executados por seus crimes. Contudo, Vos e Dookan escaparam com a ajuda involuntária de Ventress, resultando nos acontecimentos da Segunda Batalha de Christophsis. No final, ela conseguiu fazer com que Vos retornasse para o lado luminoso, mas foi morta pelo Conde Dookan. Quinlan foi, então, recapturado e novamente levado a Coruscant.[6]

Depois que Vos confessou todos os seus crimes e explicou suas motivações para acabar com os Sith, tanto Yoda quanto os outros aceitaram seu arrependimento e perdoaram-no. Por acreditar que a queda de Vos era resultado da ordem de assassinar Dookan, a qual achava imoral, tomou a responsabilidade de vigiar o Jedi durante sua reabilitação. Ele o acompanhou até Dathomir, onde iria ocorrer o funeral de Asajj. [6]

A ascensão do ImpérioEditar

Council RotS

Yoda e o Conselho Jedi próximo ao fim da guerra.

Três anos depois da batalha inicial em Geonosis, a República estava desmoronando com os ataques da Confederação. Durante o curso da guerra, o Senado concedeu à Palpatine todas as medidas centralizadoras de poder para que comandasse tanto a guerra quanto a República em geral. Os Jedi, ainda que relutantes em se oporem ao Chanceler, o qual era extremamente popular, tornaram-se cada vez mais preocupados com a contínua centralização política do poder em Sheev.

Depois do ataque Separatista liderado por Grievous na capital da República, em Coruscant, Anakin, procurando aconselhar-se, buscou Yoda. Skywalker estava tendo visões aterrorizantes da morte de um ente querido. No entanto, não revelou que a pessoa cujas visões se referiam era, na verdade, sua esposa, Padmé Amidala. Yoda pediu que fosse cauteloso com suas visões e com seus sentimentos, uma vez que o medo levava ao lado sombrio e aconselhou que "treinasse a si mesmo para abrir mão de tudo aquilo que tivesse medo de perder". Palpatine, procurando aumentar sua influência sobre o Conselho Jedi e maior aproximação de Anakin Skywalker, apontou o jovem Jedi como seu representante pessoal no Senado. Tendo poucas opcões, o Conselho Jedi aprovou, com receio, a interferência de Sheev. Entretanto, a promoção de Skywalker para o rank de Mestre Jedi foi recusada, enfurecendo-o. Além disso, por meio de Obi-Wan, o Conselho encarregou Skywalker de espionar o Chanceler, missão que não o entusiasmava, uma vez que considerava-o um mentor e amigo.[8]

Após terem apontado Anakin, a atenção dos Jedi voltou-se para Kashyyyk, onde uma invasão da Confederação tornava-se cada vez mais iminente. Temendo sua concretização, eles decidiram agir e Yoda escolheu supervisionar a defesa pessoalmente, já que os Wookiees o tinham em alta estima. Depois da batalha, o Mestre participou de uma sessão, via holograma, do Conselho, em que descobriu que Grievous havia sido encontrado no Sistema Utapau. Skywalker, com a aprovação do Chanceler, ofereceu-se para liderar a campanha, mas tanto Yoda quanto Mace Windu opuseram-se e Obi-Wan foi, então, encarregado de iniciar a missão.[8]

Ordem 66Editar

Pg3 saber bg

Yoda lutando para entrar no Tempo Jedi, agora sob domínio Imperial.

Enquanto Yoda encontrava-se em Kashyyyk, o Chanceler Supremo Sheev Palpatine revelou sua verdadeira identidade como o Lorde Sith Darth Sidious, tombou o Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker para o lado sombrio e derrotou um grupo de membros do Conselho Jedi que haviam ido prendê-lo. Batizando seu novo aprendiz de Darth Vader, enviou-o junto com a 501ª Legião para atacar o Templo Jedi e chacinar a todos que residissem ali. Durante esse assalto, Sidious começou a transmitir a Ordem 66 aos clones, dando início ao Grande Purgo Jedi.[8]

Assim que o exército clone virou-se contra seus líderes por toda galáxia, Yoda sentiu a morte de seus companheiro e caiu de joelhos. O Comandante Gree e outro soldado haviam recebido a Ordem 66 momentos depois e se prepararam para atirar no Jedi. Contudo, Yoda sentiu suas intenções e decapitou-os em um duelo com seu sabre de luz. Ele buscou, então, dar início a seu escape com a ajuda dos Wookiees Chewbacca e Tarfful, encontrando-se com o Senador Bail Organa de Alderaan e Obi-Wan Kenobi, que havia escapado da morte em Utapau.[8]

Os dois Jedi discutiram sua situação, enquanto Bail e Yoda informaram-no que o Templo estava transmitindo um toque de retirada codificado, incitando que os Jedi retornassem a Coruscant. Os dois decidiram retornar ao Templo e reconfigurar o sinalizador para avisar a todos os sobreviventes que fugissem e se escondessem. Para esse fim, Bail levou-os até o planeta e os dois lutaram sua entrada e testemunharam as consequências do assalto de Vader e sua unidade de clones.[8]

Depois de terem recalibrado o sinal, Kenobi desejou descobrir a identidade daquele que havia sido responsável pelo massacre. Sabendo que a queda de Anakin causaria dor ao Mestre Jedi, advertiu-o antes que ativasse as gravações. Descobriram, então, a identidade de Palpatine e da formação do Império Galáctico, proveniente da República. Concordando que o Sith deveria ser destruído, Yoda direcionou-se para o Senado Galáctico a fim de confrontar Sheev. Ainda que profundamente relutante, Kenobi partiu para o planeta vulcanico Mustafar, para enfrentar seu antigo aprendiz.[8]

O duelo no SenadoEditar

" Eu esperei muito tempo por este momento, meu pequeno amigo verde… Finalmente, os Jedi não existem mais."
"Não se alguma coisa a respeito eu tiver a dizer! […] No fim seu gorverno está e não breve o suficiente ele foi."
―Palpatine e Yoda[fonte]
YodaDuel

Yoda batalhando com Palpatine na câmara do Senado.

Assim que chegou ao Senado, Yoda confrontou Palpatine, que surpreendeu o Jedi e deixou-o inconsciente com uma rajada do Relâmpago da Força. Enquanto o Sith caçoava da erradicação da Ordem Jedi, promovida unicamente por ele e seus aliados, Yoda conseguiu acordar e jogou seu oponente contra uma parede. Palpatine tentou escapar, mas o Grande Mestre bloqueou sua saída. Os dois sacaram seus sabres de luz e iniciaram um feroz duelo que, não muito depois, continuou adentro do auditório central do prédio do Senado. Depois de rebater os relâmpagos do próprio Sith em sua direção e repelir seus múltiplos ataques telecinésicos, os quais consistiram do uso de diversos hoverpod [tradução necessária]s, Yoda foi jogado para o fundo do prédio. Ele, então, rastejou pelos túneis de manutenção do edifício até o airspeeder do Senador Bail Organa, considerando o duelo como uma falha pessoal e expressando sua intenção de entrar em um exílio auto-imposto.[8]

Anos do ImpérioEditar

ExílioEditar

"Em exílio eu devo entrar. Falhar, eu fiz."
―Yoda para Bail Organa[fonte]
YodaLandsonDagobah

Yoda aterriza no planeta Dagobah, sua casa pelo resto de sua vida.

Depois de ter sido resgatado por Bail Organa, os dois destinaram-se para o asteróide Polis Massa, onde Yoda teve uma conferência com o espírito de Qui-Gon Jinn, que ofereceu-se para treiná-lo nas técnicas que o ajudariam a manter sua identidade após a morte. Obi-Wan Kenobi, tendo derrotado mas não matado Vader em Mustafar, chegou não muito depois, trazendo consigo a enferma Senadora Amídala. Ela deu a luz a seus gêmeos de Anakin Skywalker e nomeou-os Luke e Leia antes de sua morte.[8]

Sentindo o poder das crianças na Força, Yoda, Obi-Wan e Organa decidiram mantê-las em segredo em regiões não suspeitas para evitar a detecção pelo Império; Luke Skywalker foi entregue à família Lars em Tatooine e Organa pessoalmente adotou sua irmã, Leia. Assim que o trio começou a se preparar para irem aos seus respectivos caminhos, Yoda pediu a Obi-Wan um momento de seu tempo. Ele revelou que havia um treinamento para o Jedi durante seu tempo de exílio em Tatooine e que Qui-Gon Jinn havia alcançado a Imortalidade, tendo retornado do Mundo espiritual da Força como um Fantasma da Força. Yoda decidiu que ensinaria a ele como se comunicar com Qui-Gon.[8]

Yoda retornou a Dagobah para iniciar seu próprio exílio. A nave com que chegou serviu-lhe de abrigo inicial, mas começou a se degradar dentro de alguns anos graças à biosfera pantanosa do planeta. Enquanto seu primeiro abrigo era consumido pelo pântano, Yoda construiu para si uma nova moradia. Ele, então, assentou-se e esperou pelo crescimento dos gêmeos, continuando seus estudos dentro da Força.[8][51]

Ajudando os rebeldes de LothalEditar

Yoda in the Lothal Jedi Temple

Yoda aparecendo para Ahsoka Tano e aguardando sua despedida.

"Mestre Yoda, você é poderoso. Você deve saber uma maneira de destruir Vader e seus Inquisidores."
"Padawan, milhares de Jedi uma vez viveram. Depois veio guerra. Na nossa arrogância, ao conflito rapidamente nós nos juntamos. Medo, raiva, ódio. Consumido pelo lado sombrio, os Jedi foram."
"Foi errado para os Jedi terem lutado? É errado para mim que eu proteja meus amigos?"
"Errado? Hmm. Por um bom tempo, lutar eu fiz. Consumido pelo medo, eu estava, no entanto, vê-lo eu não o fiz."
"Você estava com medo?"
"Sim, com medo. Hmm, surpreso você está? Um desafio de toda vida isto é, não deixar que medo se torne raiva."
Ezra Bridger consulta Yoda através da Força.[fonte]

Durante seu exílio em Dagibah, Yoda manteve os olhos em outros Jedi pela galáxia, incluindo aqueles que aventuraram-se em diversos Templo Jedi encontrados entre as estrelas. Aproximadamente quatro anos antes da Batalha de Yavin, Yoda conversou com Kanan Jarrus, que havia sido Padawan de Depa Billaba e um sobrevivente da Ordem 66.[52][53] Jarrus havia viajado até o Templo Jedi de Lothal com seu próprio Padawan, Ezra Bridger, com quem Yoda também falou. Bridger encontrava-se no templo para que superasse seus maiores medos; Yoda agiu como um guia anônimo a fim de ajudá-lo nessa tarefa, a entender o porquê de querer tornar-se um Jedi e encontrar uma meio de retirar a raiva e o desejo de vingança dele. Essa orientação levou Bridger a receber um Cristal kyber, o qual ele usou para construir seu próprio sabre de luz. Enquanto isso, Yoda advertiu Jarrus sobre sua insegurança como professor.[11]

Um ano depois, Kanan e Ezra retornaram ao Templo de Lothal com Ahsoka Tano para procurar uma maneira de derrotar os Inquisidores. Yoda lançou uma ilusão dos Guardas do Templo Jedi para Kanan, incluindo o O Grande Inquisidor, em sua forma anterior ao Purgo Jedi. O Inquisidor forçou Jarrus a reconhecer seus medos e consagrou-o como um verdadeiro Jedi, elevando-o a categoria de Cavaleiro Jedi. Nesse meio tempo, Ezra suplicou ajuda para Yoda: a despeito de seu pacifismo, o Mestre Jedi, por fim, direcionou-o para que fosse até Malachor. Quando o Quinto Irmão e a Sétima Irmã alcançaram-no, Yoda usou o Guarda do Templo para distraí-los, proporcionando o tempo necessário para que os Jedi escapassem. Assim que partiu, Ahsoka voltou-se para trás e viu Yoda, que sorriu e acenou. Ela devolveu os cumprimentos.[54][55]

Death-star-2 Esse artigo está em construção.

O autor deve estar treinando seus poderes de Jedi.

Aparições Editar

Fontes Editar

Notas e referências Editar

  1. 1,0 1,1 StarWars-DatabankII Yoda biography gallery no Databank (Image 17 caption)
  2. 2,0 2,1 2,2 2,3 2,4 StarWars-DatabankII Yoda no Databank
  3. 3,0 3,1 Star Wars: Card Trader
  4. 4,0 4,1 4,2 The Empire Strikes Back: So You Want to Be a Jedi?
  5. 5,0 5,1 5,2 5,3 5,4 Star Wars: Episode V The Empire Strikes Back
  6. 6,0 6,1 6,2 6,3 6,4 6,5 6,6 6,7 Dark Disciple
  7. 7,0 7,1 Star Wars: Episode I The Phantom Menace
  8. 8,00 8,01 8,02 8,03 8,04 8,05 8,06 8,07 8,08 8,09 8,10 8,11 8,12 Star Wars: Episode III Revenge of the Sith
  9. Star Wars 28: Yoda's Secret War, Part III
  10. 10,0 10,1 10,2 10,3 10,4 10,5 10,6 10,7 10,8 10,9 Star Wars: Episode II Attack of the Clones
  11. 11,0 11,1 Rebels-mini-logo Star Wars Rebels – "Path of the Jedi"
  12. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "A Necessary Bond"
  13. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "A Test of Strength"
  14. Star Wars: Absolutely Everything You Need to Know
  15. 15,0 15,1 Star Wars Episódio II: Ataque dos Clones
  16. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Destiny"
  17. Star Wars: Complete Locations
  18. Encyclopedia-Logo Yoda na Encyclopedia
  19. StarWars-DatabankII Obi-Wan Kenobi no Databank
  20. Rebels-mini-logo Star Wars Rebels – "Rise of the Old Masters"
  21. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Gathering"
  22. 22,0 22,1 22,2 22,3 Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma
  23. Encyclopedia-Logo Sith na Encyclopedia
  24. Encyclopedia-Logo Separatist Alliance na Encyclopedia
  25. Encyclopedia-Logo Count Dooku na Encyclopedia
  26. Encyclopedia-Logo Galactic Senate na Encyclopedia
  27. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Lost One"
  28. 28,0 28,1 28,2 Star Wars: The Clone Wars filme
  29. StarWars-DatabankII Rotta the Huttlet no Databank
  30. 30,0 30,1 30,2 30,3 30,4 TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Ambush"
  31. StarWars-DatabankII Asajj Ventress no Databank
  32. StarWars-DatabankII Malevolence no Databank
  33. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Rising Malevolence"
  34. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Destroy Malevolence"
  35. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Cloak of Darkness"
  36. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Sabotage"
  37. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Jedi Who Knew Too Much"
  38. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "To Catch a Jedi"
  39. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Wrong Jedi"
  40. 40,0 40,1 40,2 40,3 TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Conspiracy"
  41. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Unknown"
  42. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Fugitive"
  43. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Orders"
  44. 44,0 44,1 44,2 44,3 TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Lost One"
  45. 45,0 45,1 45,2 45,3 45,4 TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Voices"
  46. 46,0 46,1 TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Destiny"
  47. 47,0 47,1 47,2 TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "Sacrifice"
  48. SWicon "Sacrifice" Episode Gallery no StarWars.com (backup link no Archive.org)
  49. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "A Death on Utapau"
  50. TCW mini logo Star Wars: The Clone Wars – "The Big Bang"
  51. Ultimate Star Wars
  52. Kanan 1: The Last Padawan, Part I: Fight
  53. Kanan 2: The Last Padawan, Part II: Flight
  54. Rebels-mini-logo Star Wars Rebels – "Shroud of Darkness"
  55. SWYTlogo Rebels Recon #2.17: Inside "Shroud of Darkness" no canal oficial de Star Wars no YouTube

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.